PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Econoweek

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Gastar menos, ganhar mais e investir melhor: conheça o tripé das finanças

Conteúdo exclusivo para assinantes
Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone é economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

24/08/2021 04h00

Se você economiza em tudo, mas ainda tem aquela sensação de não estar juntando dinheiro, talvez esteja focando apenas em um dos três pilares das finanças.

As finanças saudáveis são baseadas em três pilares: gastar menos, ganhar mais e investir melhor.

Eu mesma já passei por muitas fases na minha vida. Na adolescência, desde que ganhava mesada, guardava dinheiro por achar que assim iria juntar bastante. Depois, aos 20 anos, durante a faculdade de jornalismo, fazia cálculos de quanto conseguiria acumular se eu investisse a 10% ao ano ou mais. Ou seja, apostava que bastava investir bem para juntar dinheiro.

Por fim, só perto dos 30 anos, percebi um fato: eu ganhava mal. Então, comecei a acelerar minha renda.

Falando assim, parece fácil equilibrar tudo, mas obviamente não é. Por isso reuni algumas dicas.

Gastar menos

Associamos o ato de cortar gastos à perda de prazer ou privação. Por isso, torna-se tão difícil. Mas você pensa isso porque está imaginando cortar o serviço de streaming, pizza e tudo o que gosta.

Rever esses gastos faz parte, mas pense ao contrário: imagine as despesas que você não vai sofrer se cortar. Ninguém sofre de tomar um banho mais rápido e diminuir a conta de luz, ou de ligar na operadora e negociar o valor do plano de celular. Ninguém vai ligar também se não pagar tarifa na conta e cartão de crédito.

A primeira dica é listar tudo que você poderia cortar sem sentir falta.

Mas, às vezes, só isso não basta e aqueles gastos prazerosos precisam ser revistos. Para eles, tenho duas sugestões:

  1. Limites: você não precisa cortar totalmente o gasto. Pode comer pizza, mas não precisa ser três vezes por semana. Talvez uma a cada 15 dias já faça você feliz e ainda ajuda no seu bolso.
  2. Conta anual: quando olhamos o gasto pequeno não nos damos conta de quanto ele representa no longo prazo. Aquela assinatura de clube de livro que você paga e não lê custa R$ 50 no mês, mas R$ 600 no ano.

Ganhar mais

Às vezes, só economizar não é suficiente porque, na verdade, o problema é a baixa renda.

Se você é CLT, pode começar pesquisando qual a média de salário do seu cargo e em empresas concorrentes. Com isso em mente, tome a decisão se quer tentar ganhar mais na empresa onde está ou se quer sair para o mercado.

Se quer ganhar mais dentro da empresa onde já está e não há nenhum programa de desenvolvimento de carreira com feedbacks, sente-se com o seu chefe e fale que deseja ganhar mais responsabilidade. Nenhum chefe não gosta que o funcionário queira trabalhar mais. Também relembre tudo o que você já ajudou na empresa.

O importante é deixar claro que com isso quer ganhar mais, se não agora, daqui algum tempo.

Faça perguntas específicas: "O que falta para eu me tornar um coordenador, gerente, etc.? De quanto em quanto tempo posso pedir um feedback para ver se estou evoluindo?".

No caso de autônomos e empreendedores, comece listando as empresas que mais compram com você. Pode procurar empresas do mesmo segmento ou próximos para vender também.

Além disso, pode pensar em como trabalhar ambos: produto e serviço. Se vende produtos eletrônicos, uma possibilidade é oferecer também o serviço de manutenção.

No vídeo acima demos diversos exemplos. Até mesmo a venda de produtos comuns, como flores pode virar um serviço.

Investir melhor

Guardar dinheiro já é um bom começo, mas se deixar as economias embaixo do colchão vai perder para a alta de preços (a inflação).

Não se engane que na poupança está fazendo uma boa escolha. A caderneta é uma aplicação que rende pouco e também perde para a inflação. Mesmo com o juro subindo a caderneta está rendendo 3,68% ao ano. A inflação está em mais de 8%.

Ao investir R$ 300 por mês por 120 meses, ou 10 anos, a diferença entre aplicar na poupança e em um título do Tesouro Direto que renda 10% ao ano chega a R$ 17 mil. Fizemos o cálculo no vídeo acima.

Você precisa melhorar algum desses pilares? Comente abaixo ou nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube).

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL