PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Econoweek

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

A alta da Selic faz você ficar mais pobre? Entenda e proteja-se

Conteúdo exclusivo para assinantes
César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

24/09/2021 04h00

A Selic está subindo bastante! Você viu?

Isso é uma maravilha para investimentos de renda fixa, que também passam a render mais, não é? E se eu te disser que você vai perder dinheiro com a alta da Selic?

Preste muita atenção no que vou explicar agora, pois é muito simples, mas quase ninguém sabe.

O que são juros?

A Selic é uma taxa de juro. Mas você sabe o que são juros?

Os juros são o preço do dinheiro!

Da mesma maneira que se você tem um imóvel que não usa, provavelmente o alugaria para gerar receita em vez de emprestá-lo de graça aos amigos e arcar com todos os custos, com o dinheiro é a mesma coisa.

Independentemente de você gostar ou não de bancos, eles fazem um esforço para ter aquele dinheiro e ao emprestar para alguém têm que cobrar por isso: pelo risco de inadimplência ou de investir em outras coisas rentáveis.

O juro, então, é o preço do dinheiro!

Por que a Selic está subindo?

Você entendeu o que são os juros, mas por que a Selic, que é a principal taxa de juros do Brasil, está subindo?

A Selic está subindo porque a inflação está alta demais, como mostrei no vídeo acima.

O preço das coisas que a gente compra está aumentando muito e o governo tem na mão a ferramenta de controlar, ao menos em partes, o preço do dinheiro, que é subir a taxa de juros.

Mas como ele consegue fazer isso e o que isso tem a ver com a inflação?

O Governo, como você sabe, é dono do Tesouro Direto, que é o investimento mais seguro do Brasil.

Na prática, ele pega dinheiro emprestado da gente e dos bancos (ou de quem quiser investir emprestando para ele) para financiar seus gastos.

É também ele, através do Banco Central, quem diz quanto vai pagar pelo dinheiro que você está emprestando, que é justamente a taxa Selic.

Ao subir a taxa Selic, acaba balizando todas as taxas de juros do resto do mercado porque ninguém vai emprestar cobrando menos do que isso.

Depois de toda essa explicação, vem a parte da inflação.

Com os juros mais altos, o preço do dinheiro fica maior, concorda?

Dessa maneira, com certeza menos gente vai pegar dinheiro emprestado.

Com isso, a quantidade de compras feitas no crédito cai e o volume de financiamentos também cai. Afinal, às vezes a parcela pode não mais caber dentro do seu salário ou do seu orçamento familiar. Já passou por isso?

Conforme isso vai acontecendo, menos negócios são feitos, o consumo geral é reduzido e a alta de preços tende a ser controlada.

Por que os fabricantes, os comerciantes e todo mundo que presta serviço subiriam ainda mais os preços das coisas se passaria a haver menos gente comprando? É essa a lógica que expliquei com exemplos no vídeo do topo desta coluna.

A Selic mais alta é melhor para os investimentos?

Os investimentos de renda fixa estão sim rendendo mais, mas também está mais caro para os bancos pagarem pelos investimentos que você fez ao emprestar seu dinheiro para eles.

Desse modo, eles vão pensar duas vezes antes de tentar captar novos recursos a partir de novas emissões de investimentos de renda fixa com juros mais altos.

Ao mesmo tempo, com menos consumo porque agora o preço do dinheiro ficou mais caro, menos negócios são gerados, menos pessoas são empregadas, e seu aumento de salário ou sua promoção no trabalho provavelmente também vai ficar para depois.

A Selic vai acabar com a inflação?

Quer mais uma notícia triste? A inflação não vai ser totalmente controlada com a alta de juros porque, como expliquei, ela tem efeito de domar a alta de preços reduzindo o consumo.

Além da inflação gerada pela pandemia e da dificuldade de encontrar alguns produtos, a má gestão governamental da crise hídrica faz subir o preço da conta da energia elétrica.

Não é só a conta de luz da sua casa que está mais cara! O seu barbeiro ou cabeleireiro também sentiu esse impacto e repassou para o preço do corte de cabelo, por exemplo, bem como as fábricas que aumentaram o preço dos produtos.

Com o aumento do risco percebido pelos investidores diante de incertezas políticas, o dólar fica mais caro, o que impacta no preço do combustível (já que o petróleo é cotado na moeda americana).

E não está mais caro para encher apenas o tanque do seu carro! O preço do frete aumentou porque está mais caro para encher o tanque do caminhão!

O trigo também é cotado em dólar e o pão também ficou mais caro!

Sabe a fábrica de celulares? O chip é importado e comprado por um preço maior por causa da alta do dólar. Soma-se a isso o frete mais caro por causa da alta do combustível e a energia mais "salgada".

Adivinha então o que acontece? Se seu celular quebrar e tiver que comprar um novo vai pagar bem mais caro!

Qual é a saída?

Resumindo, apesar de a rentabilidade dos investimentos de renda fixa tenderem a subir com a alta da Selic, a performance da economia caminha na direção contrária e menos riqueza, emprego e renda são gerados.

Portanto, há duas saídas: uma mais simples e outra nem tanto.

1. Se sobrar dinheiro para investir, invista!

Há investimentos que garantem rentabilidade sempre acima da alta de preços, como o Tesouro IPCA que expliquei no vídeo a seguir.

Se não investir, o seu dinheiro guardado não vai comprar mais a mesma coisa que antes e por isso é importante que ele renda mais.

2. Temos que escolher melhor nossos políticos para que façam a coisa certa e não baguncem tanto a economia. Afinal, quem sofre com isso somos nós, com preços mais altos e menos emprego, infelizmente.

Faça parte gratuitamente da comunidade Econoweek nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube) para acompanhar mais dicas de inteligência financeira como essa.

PUBLICIDADE