PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Econoweek

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Você sabia que só existem 3 investimentos de renda fixa? O resto é detalhe

Conteúdo exclusivo para assinantes
César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

21/09/2021 04h00

Você sabia que só existem três tipos de investimentos de renda fixa? Isso ninguém nunca lhe contou, não é?

Tanto no Tesouro Direto quanto em outras aplicações, como CDBs, você já deve ter visto um milhão de nomes diferentes: prefixado, pós, porcentual do CDI, IPCA+, Selic, rendimentos híbridos? É tanta coisa que dá vontade de desistir?

... Não desista!

Agora, a gente vai mostrar, do jeito mais fácil que você já viu na internet, que os investimentos de renda fixa também se resumem em apenas três tipos.

O resto é detalhe, e se você entender esses três tipos básicos, vai entender tudo (e ainda vai saber onde investir para o seu dinheiro render mais).

Os três tipos de títulos são os prefixados, os pós-fixados e os híbridos, que são uma mistura dos dois anteriores!

Vamos dar uma olhada no Tesouro Direto, que é por onde quase todo mundo começa.

Prefixados

Todo investimento da renda fixa que já mostra previamente uma rentabilidade fixa, travada na hora da aplicação, é do grupo dos prefixados. Esse é o primeiro tipo.

No Tesouro Direto, esse investimento se chama Tesouro Prefixado! Sugestivo.

Na renda fixa privada, os nomes podem variar, mas o tipo de rentabilidade ainda é o mesmo, porém pode render mais, como mostramos algumas alternativas no vídeo do topo deste texto.

Pós-fixados

O segundo grupo é o dos pós-fixados! No Tesouro Direto esse é o Tesouro Selic.

Embora você saiba que ele vai ter uma rentabilidade sempre igual à Selic, essa taxa sobe e desce conforme a Selic se altera, de acordo com a decisão que o Banco Central toma a cada 45 dias, aproximadamente.

Há outros tipos de pós-fixados que não são atrelados à Selic, mas a dinâmica é a mesma: eles vão ter uma rentabilidade atrelada a algum outro índice, e o que você deve ter mais visto por aí são atrelados ao CDI.

Os CDBs desse tipo podem chegar a ter rentabilidade de 140% do CDI ou até mais, o que supera o Tesouro Selic, como mostramos no vídeo acima.

Mas você deve ficar atento à liquidez. Se houver liquidez diária, como é o caso do Tesouro Selic, esse investimento pode ser adequado para sua reserva de emergência por permitir o resgate a qualquer momento. Caso não haja, esse investimento deve ter outro propósito de médio ou longo prazo por não permitir o resgate antecipado.

Híbridos

Os investimentos híbridos da renda fixa têm esse nome justamente porque misturam as duas coisas: tanto a rentabilidade pós-fixada como a prefixada.

É esse o caso do Tesouro IPCA, no site do Tesouro Direto!

Se você reparar, ele garante rentabilidade igual à inflação oficial do Brasil (que é o tanto que o preço das coisas sobe e é justamente esse o componente pós-fixado), mais um bônus prefixado acima disso.

Como ninguém sabe o quanto o preço das coisas vai subir, o componente da rentabilidade desse investimento é chamado de pós-fixado, ou seja, você só vai saber depois quanto isso vai lhe render.

Mas o Tesouro IPCA também tem um bônus acima da rentabilidade que é prefixado!

Tudo o que você sabe na hora da aplicação é chamado de prefixado.

Como esse tipo de investimento é "pré+pós", denomina-se híbrido, como os carros que combinam motor à gasolina e outro motor elétrico!

Os carros com motor à combustão são os prefixados, que a gente sempre conheceu. Os veículos com motor elétrico, como os famosos Nissan Leaf ou Renault Zoe, são os pós-fixados, que vieram depois. E os híbridos misturam as duas tecnologias!

Ainda dá tempo de investir?

Você se acha velho para investir? Pois garanto que não é!

Algumas das pessoas mais ricas do mundo só conseguiram começar a juntar dinheiro depois dos 40 ou 50. A gente fez esse vídeo aqui embaixo para quebrar esse paradigma de uma vez por todas.

Faça parte gratuitamente da comunidade Econoweek nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube) para acompanhar mais dicas de inteligência financeira como essa.

PUBLICIDADE