PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Econoweek

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Contas digitais rendem mais que a poupança, mas nem sempre valem a pena

Conteúdo exclusivo para assinantes
Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone é economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

23/09/2021 04h00

Já parou para pensar em como o mercado financeiro se revolucionou em dez anos? Hoje em dia você faz feira usando PIX e nem precisa ter conta corrente em grandes bancos para estar incluído no sistema financeiro.

Há muitas opções de conta digital que oferecem boas rentabilidades para o dinheiro ali guardado. Nuconta, C6, Mercado Pago, PagBank, PicPay, Inter e Original são apenas algumas das opções das quais sempre ouvimos falar.

Em geral, o retorno supera o da poupança, mas será que a chamada conta remunerada vale a pena em todos os casos? A resposta é "depende". Abaixo, explico o porquê. Antes disso vamos entender o funcionamento do produto.

O que são contas remuneradas?

Sou da época em que você tinha de vincular a sua conta corrente à poupança para o dinheiro render, mesmo que pouco. Nas contas remuneradas não há esse "esforço".

Tais contas são um tipo de conta corrente na qual você recebe rendimentos pelo saldo que é mantido nela. Geralmente, esse rendimento é atrelado ao CDI, uma taxa de juros que acompanha de perto outra taxa, a Selic, considerada os juros básicos da economia.

Grandes bancos já ofereciam contas remuneradas no passado, mas nas contas digitais o produto foi repaginado. Nos grandes bancos, o rendimento era de 60% ou 70% do CDI. Hoje em dia, as contas chegam a render mais de 100% do CDI em bancos digitais.

Isso acontece porque a instituição pega o seu dinheiro e coloca em alguma aplicação de renda fixa rentável, como um CDB ou Tesouro Direto, e opta por aplicações com liquidez diária para que você possa sacar o valor a qualquer momento.

Custos

Outro detalhe importante é que na maioria das vezes você não paga nada para ter a conta remunerada. No entanto, há incidência de impostos:

  • IOF: a alíquota começa em 96% do rendimento depois do primeiro dia da aplicação e chega a 3% depois de 29 dias. Somente a partir do trigésimo dia é que não há cobrança de IOF.
  • Imposto de Renda: o imposto segue a tabela regressiva que começa em 22,5% do rendimento se o dinheiro for retirado em até 180 dias, cai para 20% se for entre 181 e 720 dias, depois para 17,5% entre 721 e 360 dias e, por fim, para 15% para depois de 720 dias.

No vídeo acima, explicamos a rentabilidade das principais opções do mercado que, em geral, ficam em 100% do CDI ou acima disso.

Garantias e risco

O pequeno investidor que busca esse tipo de aplicação sempre se pergunta sobre o risco dela, mas a boa notícia é que em geral ele é baixo.

Se a conta remunerada investir em CDBs ou RDBs (um título de renda fixa muito parecido com o CDB), há proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) em até R$ 250 mil por CPF. Isso significa que se a instituição quebrar, o fundo garante esse valor de volta.

Já nas opções em que o dinheiro fica no Tesouro Direto não há FGC. O Tesouro Direto, porém, é considerado o investimento mais seguro do Brasil porque o credor é o governo. Então, ainda que não tenha garantia a aplicação tem baixo risco.

Vale a pena aplicar?

Como já mencionei, a resposta é: depende. Se pensar pelo lado da rentabilidade, vale a pena porque o retorno supera o da poupança, que rende 70% da Selic.

Sempre vale lembrar, porém, que no mercado financeiro há opções que pagam mais do que algumas contas digitais. Facilmente você encontra CDBs que pagam 140% do CDI, por exemplo.

Ou seja, é um bom primeiro passo para quem está começando, mas a pessoa não deveria ficar preguiçosa de, com o tempo, migrar para mais aplicações.

Também há um ponto de cuidado se o seu caso for o de formar a reserva de emergência. O dinheiro investido na conta remunerada pode se misturar ao valor gasto no dia a dia, aquele com o qual você paga suas contas. Fica muito disponível e a chance de gastar sem perceber é grande.

Se for esse o seu caso, o mais indicado é ter duas contas remuneradas: uma em que vai fazer a reserva e deixar o dinheiro parado e outra que vai servir para seus gastos mensais.

Você investe em alguma conta digital remunerada? Comente aqui embaixo ou nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube).

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL