PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Econoweek

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Juntar R$ 65 mil com R$ 100 por mês? No Tesouro Direto, dá!

Conteúdo exclusivo para assinantes
César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

30/09/2021 04h00

"O Tesouro Direto morreu!" Certamente, você já ouviu isso, não é? Mas a verdade é que o Tesouro está mais vivo do que nunca!

No Tesouro Direto há mais de dez investimentos diferentes com rentabilidade que podem passar dos 10% ao ano. Sabia disso?

Preparamos uma série de artigos que vamos publicar ao longo das próximas semanas chamada Meu primeiro investimento. Hoje, vamos começar pelo Tesouro, que tem os investimentos considerados mais seguros do Brasil!

Como funciona o Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é uma modalidade de investimentos de renda fixa com investimentos em títulos públicos.

Traduzindo, como em qualquer investimento de renda fixa, você está emprestando dinheiro para outra parte, que se compromete a devolver esse dinheiro em uma data futura com uma rentabilidade também combinada.

Nesse caso, você empresta seu dinheiro para o governo e em troca tem juros em forma de rentabilidade, fazendo seu dinheiro investido crescer.

Investir no Tesouro Direto é seguro?

Sim! Nunca houve nenhum calote!

O Tesouro é considerado o investimento mais seguro do Brasil! Mais seguro que a própria poupança!

Além de toda a segurança, o investimento com menor rentabilidade do Tesouro Direto sempre rende 30% a mais que a poupança, embora possa empatar com algumas contas remuneradas.

Quanto rende o dinheiro no Tesouro Direto?

No Tesouro Direto há três tipos de investimentos diferentes:

  1. Tesouro Prefixado: paga rentabilidade combinada independente do que ocorrer, mas não serve para a reserva de emergência, pois o ideal é ficar até o vencimento, já que pode haver ônus da rentabilidade ou até rentabilidade negativa em caso de resgate antecipado. O investimento mínimo parte de R$ 30.
  2. Tesouro Selic: também conhecido como título pós-fixado, pois rende a taxa Selic do momento mais um pequeno prêmio. Por ter liquidez diária e menor influência da marcação a mercado, serve para a reserva de emergência. O investimento mínimo parte de pouco mais de R$ 100.
  3. Tesouro IPCA: também conhecido como investimento híbrido, tem rentabilidade atrelada à alta de preços (IPCA, o componente pós-fixado) mais prêmio prefixado. Esse é um investimento que não serve para a reserva de emergência, de modo que o recomendável é ficar até o vencimento. O investimento inicial é de pouco mais de R$ 40.

Em algumas dessas aplicações do Tesouro foi possível fazer uma simulação com o objetivo de juntar R$ 65 mil fazendo aplicações mensais de R$ 100. Gravei a tela fazendo esses investimentos e mostrei em detalhes no vídeo do topo deste artigo.

Dá para investir automaticamente todo mês?

Sim, e não. Os títulos Tesouro mudam de condições, taxas e prazos todo dia e você pode ou não encontrar as mesmas condições no mês seguinte.

Mas existe a possibilidade de investir automaticamente todos os meses, tanto via plataforma do Tesouro Direto como diretamente pela sua corretora, como mostro no vídeo a seguir.

Faça parte gratuitamente da comunidade Econoweek nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube) para acompanhar mais dicas de inteligência financeira como essa.

PUBLICIDADE