PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Econoweek

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como funciona exatamente o Tesouro Direto? Quanto rende e como investir?

Conteúdo exclusivo para assinantes
César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

04/11/2021 04h00

Você já sabe que o Tesouro Direto é o investimento mais comentado do momento. Todo mundo está falando que vale a pena e que está rendendo bem mais que antes.

Com mais de 1 milhão de investidores ativos, ao redor de 4 milhões de cadastros e mais de R$ 60 bilhões em investimentos, o Tesouro Direto é realmente um sucesso.

Mas talvez você ainda esteja meio perdido e por enquanto pode não estar tão seguro para aplicar por lá sua grana para render. Então, "bora lá" que o Econoweek vai te ajudar com isso.

O que é o Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é uma modalidade de investimentos de renda fixa com investimentos em títulos públicos.

Traduzindo, como em qualquer investimento de renda fixa, você está emprestando dinheiro para alguém que se compromete a devolver esse dinheiro em uma data combinada pagando prêmio extra em forma de rentabilidade também combinada.

Nesse caso, você está emprestando dinheiro para o governo custear seus gastos com educação, saúde, transporte, moradia, infraestrutura etc.

Para você que gosta de história, o Tesouro Direto surgiu em 2002, em parceria com a B3, para democratizar o acesso a investimentos de títulos públicos para o pequeno investidor ganhar autonomia e administrar seus investimentos por conta própria, com acesso à rentabilidade e à segurança do Tesouro.

Antes disso, só grandes investidores tinham acesso aos títulos do Tesouro e os pequenos só podiam investir indiretamente, em fundos de investimentos, muitas vezes pagando altas taxas de administração.

Quais são os tipos de investimentos do Tesouro Direto?

Há basicamente três grandes grupos de aplicações no Tesouro Direto:

  • Tesouro Selic: aplicação pós-fixada que, sobre o dinheiro aplicado, paga rentabilidade igual à taxa Selic mais um pequeno bônus. Serve perfeitamente para sua reserva de emergência e a aplicação mínima está em torno de R$ 110.
  • Tesouro Prefixado: paga rentabilidade combinada na hora da aplicação e isso não muda até o vencimento. Essa opção, bem como a seguinte, não é recomendada para a reserva de emergência, de modo que é recomendável se programar para permanecer com o dinheiro investido até o fim. O investimento mínimo parte dos R$ 35.
  • Tesouro IPCA: esse é o chamado título híbrido, pois tem parte de sua rentabilidade pós-fixada atrelada ao IPCA (medida de inflação oficial do Brasil) mais um bônus prefixado "bem gordinho". A menor aplicação possível é de R$ 40 e seu dinheiro sempre vai render mais que a alta de preços.

"Acabei de entrar no site do Tesouro Direto e há mais de dez investimentos diferentes! Você não havia me dito que eram apenas três?"

Muita calma, jovem investidor! Há mais de dez aplicações diferentes, mas todas pertencem a algum desses três grandes grupos, como mostramos no vídeo que você pode assistir no topo deste texto.

Este é o primeiro artigo de uma série chamada Mapa do Tesouro Direto, que vai te deixar expert nesse tipo de investimento. É tudo 100% gratuito, não tentaremos vender nada e tudo o que queremos é transformar você em referência para aplicações no Tesouro.

Sabe aquele amigo ou parente que quer saber mais sobre investimentos? É você que ele vai procurar!

Precisa de conta na corretora para investir no Tesouro Direto?

Sim, mas tenho duas boas notícias para você:

  1. As grandes corretoras não cobram nenhuma taxa adicional para você investir no Tesouro Direto, nem há taxas para abrir a conta ou manter a conta aberta.
  2. Apesar de precisar de uma conta em uma corretora, você não precisa investir usando o site ou app da corretora. Você pode escolher fazer isso direto pela plataforma do Tesouro Direto e na hora de finalizar a "compra" do investimento é só informar de qual conta você quer que o dinheiro saia para fazer sua aplicação.

Investir no Tesouro Direto é seguro?

Sim! O Tesouro Direto é considerado o investimento mais seguro do Brasil.

É mais seguro que a poupança e rende mais do que ela!

Nunca houve um calote em sua história e a chance de isso acontecer é muito pequena.

Posso investir sozinho?

Para ajudar você a ganhar cada vez mais autonomia no mundo dos investimentos separei as sete melhores ferramentas gratuitas que vão ajudá-lo a encontrar as melhores aplicações alinhadas ao seu perfil. Confira no vídeo a seguir.

É de graça! Faça parte da comunidade Econoweek nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube) para acompanhar mais dicas de inteligência financeira como essa.

PUBLICIDADE