PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Econoweek

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Nubank abre cadastro para clientes virarem sócios; veja como funciona

Conteúdo exclusivo para assinantes
Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone é economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

09/11/2021 04h00

A partir desta terça-feira, 9 de novembro, o Nubank abre oficialmente o cadastro para interessados em se tornarem sócios do banco, em um momento em que o mercado parece estar mais movimentado do que nunca. A fintech alemã N26 chegou ao Brasil para brigar com Nubank e Inter. Ao mesmo tempo, Nubank anunciou resultados reportando um prejuízo de mais R$ 500 milhões até setembro.

Outras notícias envolvendo a fintech foram a contratação da cantora Anitta por R$ 36 milhões e o lançamento do programa de cashback no cartão ultravioleta.

Diante de tanta notícia, afinal, o programa de sócios é ou não um bom negócio? A coluna explica como ele funciona e como fazer para comprar ações mesmo que você não seja cliente do banco.

A história de clientes virarem sócios do Nubank começou com a notícia de que a empresa irá lançar ações nos Estados Unidos, na Nyse. No Brasil, interessados poderão negociar recibos que representam as ações lá fora, os chamados BDRs.

A paridade dependerá da oferta e demanda, mas estima-se que uma BDR irá equivaler a um sexto da ação nos EUA.

Em paralelo à novidade do lançamento de ações, o banco anunciou o NuSócios em que cada cliente ativo poderá ganhar uma ação. Como será algo dado, ou seja, a pessoa não irá desembolsar nada, inscrever-se vale a pena. Não irá mudar a vida financeira de nenhum cliente porque se trata apenas de uma ação, mas pode ser um empurrãozinho para conhecer mais sobre ações.

Para participar, os interessados devem se inscrever por meio do aplicativo a partir de hoje até 5 de dezembro. Obviamente, nem todos vão ganhar, afinal a fintech já reúne mais de 40 milhões de clientes. É preciso atender a alguns critérios para ser elegível:

  • ter uma conta do Nubank que não esteja bloqueada para transações;
  • não estar inadimplente por mais de oito dias corridos;
  • ter realizado ou recebido pelo menos uma operação em qualquer produto do banco nos últimos 30 dias antes de aderir ao programa.

Como ser sócio se não sou cliente?

Sendo ou não cliente você pode comprar as ações da oferta. Para isso basta ficar de olho na corretora onde é cadastrado. Ao que se estima, a partir de 17 de novembro irá começar o período de reserva das ações e BDRs do Nubank.

O interessado poderá reservar no mínimo R$ 30 e no máximo R$ 300 mil.

Mesmo quem já estiver no NuSócios pode participar. Afinal, pelo programa só receberá uma ação. Se achar que o Nubank é um bom negócio, pode investir dinheiro pela corretora.

O que o Nubank ganha?

Primeiro de tudo, recursos. Estima-se que a oferta deve movimentar R$ 23 bilhões, dinheiro que será usado para capital de giro, despesas operacionais, despesas de capital, investimentos e aquisições potenciais, segundo o prospecto da oferta.

Com o NuSócios, a empresa ganha no lado do marketing e pelas movimentações nas redes sociais e internet em torno do tema. Nas minhas andanças no mercado, nunca vi uma empresa dar ações a clientes.

O caso mais próximo foi o da GoPro. No IPO, em 2014, uma época em que você precisava investir muito dinheiro para conseguir participar das ofertas, a empresa fez uma parceria com a fintech Loyal3 para disponibilizar ações a pequenos investidores (clientes e fãs da marca) pelo mesmo preço de Wall Street. Ainda assim, as pessoas precisavam comprar a ação, ou seja, não ganhavam.

Além disso, distribuir ações gratuitamente irá levar milhões de novos investidores à bolsa, o que faz parte da estratégia de negócios do Nubank. O banco comprou a corretora Easynvest há alguns meses e por isso faz muito sentido querer mais pessoas se aproximando do mercado de capitais.

Outro ponto positivo para o banco é que o cliente que receber uma ação terá de ficar com o papel por 12 meses. Ou seja, não pode vender. Para o banco, isso é interessante porque educa a pessoa a esperar, a ter calma nos investimentos. Além disso, garante que não terá uma onda vendedora assim que a ação estrear na bolsa.

Você pretende comprar ações da empresa? Comente aqui ou nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube).

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL