PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

José Paulo Kupfer

Economia já estava fria, mas pandemia levou ao colapso da atividade

Conteúdo exclusivo para assinantes
José Paulo Kupfer

Jornalista profissional desde 1967, foi repórter, redator e exerceu cargos de chefia, ao longo de uma carreira de mais de 50 anos, nas principais publicações de São Paulo e Rio de Janeiro. Eleito “Jornalista Econômico de 2015” pelo Conselho Regional de Economia de São Paulo/Ordem dos Economistas do Brasil, é graduado em economia pela FEA-USP e integra o Grupo de Conjuntura da Fipe-USP. É colunista de economia desde 1999, com passagens pelos jornais Gazeta Mercantil, Estado de S. Paulo e O Globo e sites NoMinimo, iG e Poder 360.

29/05/2020 11h19Atualizada em 29/05/2020 15h02

Os números oficiais da atividade econômica no primeiro trimestre, divulgados nesta sexta-feira (29), preenchem os primeiros pontos da trajetória de mergulho que o PIB (Produto Interno Bruto) deve apresentar em 2020. Uma violenta retração já está contratada para o segundo trimestre, reforçando as projeções de inédita contração na economia.

Se fosse repetida nos três trimestres seguintes, a queda de 1,5%, registrada no período janeiro-março, significaria um recuo de 6% do PIB em um ano. Com esse resultado, um recuo da economia de 7%, em 2020, o maior desde o início do século 20, passa a ser a menos pessimista das projeções. No encerramento deste ano, o PIB, em valor nominal, deverá ser o mesmo de 2017.

Teria sido esse tombo consequência do coronavírus ou a economia já vinha rateando? A resposta é: os dois. A economia já vinha fria, mas o resultado no primeiro trimestre, na magnitude da captada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), é culpa dos impactos da disseminação do coronavírus na economia. Sem o contágio da Covid-19, que tirou pessoas do trabalho e restringiu quase completamente a demanda, a queda não seria tão forte, e talvez até apontasse um crescimento medíocre, mas crescimento. A parada brusca da economia derrubou os números de março, afetando o resultado de todo o trimestre.

O ápice da derrubada da economia se dará no segundo trimestre, com abril na dianteira dos números negativos mais chocantes. Abril foi o mês em que a pandemia se alastrou pelo país, com o choque simultâneo de oferta e demanda atingindo em cheio a economia. Quando o PIB do período entre abril e junho for divulgado, na entrada de setembro, a queda sobre o trimestre anterior promete apontar para nunca vistos 10%. O consumo das famílias, principal componente do PIB, sob a ótica da demanda, recuou 2% no primeiro trimestre, o mais forte desde o apagão de energia em 2001, e promete registrar queda ainda acentuada, no segundo trimestre.

Dados já conhecidos do mês passado confirmam as projeções desse desastre. Em abril, a produção de veículos, por exemplo, importante índice do movimento da indústria, ficou, praticamente, em zero, enquanto as vendas no segmento, indicador de peso na evolução do varejo, encolheram 60%. No varejo em geral, as compras com cartão de crédito caíram quase 20%.

Não se deve descartar a hipótese de que o PIB de 2020 sofra contração nas vizinhanças dos dois dígitos. Ainda que alguma recuperação possa ocorrer no segundo semestre, reflexo de uma baixíssima base de comparação, o prolongamento da crise sanitária e a deterioração do ambiente político, esta última causada pela escalada beligerante do presidente Jair Bolsonaro em relação ao Judiciário e ao Legislativo, são fatores capazes de impactar muito negativamente a atividade econômica.

A paralisação abrupta da atividade na segunda quinzena de março afetou os números do primeiro trimestre. Os números trimestrais, por isso, não mostram bem como se encontrava o ritmo de atividades no primeiro quarto de 2020.

Não se pode esquecer que esse ritmo já vinha frio desde o último trimestre de 2019. A economia parecia ter adquirido mais impulso, entre setembro e outubro do ano passado, mas voltou a arrefecer no fim do ano e o PIB, com avanço de 0,5%, no quarto trimestre, frustrou as expectativas de uma recuperação mais vigorosa.

Resumindo, a atividade econômica voltou a andar no passo de um crescimento de 1% em 2020 até ser abalroada pelo coronavírus. O IBC-Br (Índice de Atividade Econômica), mensalmente calculado pelo Banco Central, já mostrava, em março, o efeito da parada repentina das cadeias de produção e vendas.

Com recuo de 5,9% em março sobre fevereiro, o IBC-Br refletia retração de 9,1% na indústria, de 13,7% no varejo ampliado (que inclui venda de automóveis e materiais de construção) e 6,9% nos serviços. Era um prenúncio com cores fortes do inaudito choque simultâneo de oferta e demanda causado pela pandemia.

PUBLICIDADE