IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

A executiva presa após chilique em avião porque prato não era de porcelana

Airbus A380 da Korean Air: Empresa foi palco do escândalo conhecido como "fúria das macadâmias" - Airbus
Airbus A380 da Korean Air: Empresa foi palco do escândalo conhecido como 'fúria das macadâmias'
Imagem: Airbus

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

19/02/2023 04h00

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido

A mulher era vice-presidente da Korean Air e atrasou um voo da empresa em que ela estava, na primeira classe. A razão é que serviram a ela macadâmias na embalagem original, e não em um pote de porcelana. Conheça a história a seguir.

Em dezembro de 2014, Heather Cho (também chamada Cho Hyun-ah) estava em um voo da empresa entre EUA e Coreia do Sul. Ainda antes da decolagem, foi servido um pacote de macadâmias. Para Cho, a noz deveria ter sido entregue em uma tigela de porcelana, conforme o padrão da empresa, e não na embalagem original.

Executiva atrasou voo e expulsou comissário

Heather Cho obrigou o piloto a tirar o avião da pista e taxiar de volta para o portão de embarque. Ela queria expulsar o comissário responsável pelo atendimento na aeronave.

Park Chang-jin, o comissário-chefe do voo, chegou a ser obrigado a pedir desculpas de joelho ao lado de quem havia servido as macadâmias. Ele foi expulso do avião e o voo só prosseguiu após isso.

A autoridade de transporte da Coreia do Sul chegou a dizer que, no momento do voo, ela era simplesmente uma passageira. Só poderia tomar atitudes para contornar o problema quando o avião pousasse.

Perdeu emprego e foi condenada

Heather Cho foi pressionada e renunciou ao cargo dias após o incidente. Foi presa no dia 30 de dezembro daquele ano.

Em fevereiro de 2015, a executiva foi condenada a um ano de prisão. Ela se declarou culpada por violar as normas de segurança da aviação por suspender a decolagem para expulsar o tripulante. Ela ficou cinco meses presa e foi solta após ter sua pena revista e suspensa.

O comissário Park Chang-jin abriu um processo nos Estados Unidos contra a executiva por sofrimento físico e psicológico. Em 2018 ele ganhou uma indenização no valor de US$ 18 mil.

Problema de família

heather - Park Dong-Ju/Yonhap/Reuters - Park Dong-Ju/Yonhap/Reuters
A ex-executiva da Korean Air Lines Heather Cho é cercada por repórteres após ser libertada em um tribunal de Seul em 2015
Imagem: Park Dong-Ju/Yonhap/Reuters

Os problemas de Heather Cho na companhia não são os únicos da família. Sua irmã mais nova, Cho Hyun-min, também foi afastada do cargo de vice-presidente da empresa em 2018 após ter se envolvido em uma discussão em uma reunião.

Ela teria jogado um copo de água em um gerente de uma agência de publicidade após ficar insatisfeita com as respostas dele às suas perguntas.