PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Cotações

Ação da Petrobras salta 48% em 5 dias, e Bolsa tem melhor semana desde 2008

Do UOL, em São Paulo

04/03/2016 18h50Atualizada em 04/03/2016 19h03

A Bovespa disparou mais de 4% nesta sexta-feira (4), registrando a quinta alta seguida. O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou em alta de 4,01%, a 49.084,87 pontos, no maior nível desde 9 de outubro do ano passado (49.338,41 pontos). 

A alta da Bolsa chegou a 6% pela manhã, em meio às notícias de que a Polícia Federal fez operação na casa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo analistas, o mercado se anima com notícias ruins para o PT porque quer um novo governo.

O avanço da Bovespa hoje foi puxado, principalmente, pelas ações da Petrobras --que dispararam quase 10%-- e as da Vale --que saltaram quase 7%.

Na véspera, a Bolsa já havia disparado 5,12%, na maior alta percentual diária desde 29 de outubro de 2009.

Com isso, a Bovespa teve um ganho semanal de 18,01% --o maior salto desde a semana encerrada em 31 de outubro de 2008 (18,34%). No mês, a Bovespa acumula alta de 14,7% e no ano, de 13,23%.

Petrobras dispara 48% na semana 

As ações preferenciais da Petrobras (PETR4), com prioridade na distribuição de dividendos, avançaram 9,89%, a R$ 7,22. As ações ordinárias (PETR3), com direito a voto em assembleia, ganharam 9,55%, a R$ 9,98. Nesta sessão, as ações foram influenciadas tanto pelo cenário político brasileiro como pela alta do petróleo no mercado global

Na véspera, os papéis preferenciais haviam subido mais de 16% e os ordinários, mais de 12%.

Os ADRs (recibos que representam ações de uma empresa estrangeira na Bolsa de Nova York) da Petrobras também fecharam em forte alta na Bolsa dos EUA. O preferencial saltou 12,94% e o ordinário, 11,68%.

Apenas nesta semana, os papéis preferenciais da estatal acumularam alta de 48,25% (começaram a R$ 4,87 e fecharam a R$ 7,22). Os papéis ordinários ganharam 44,85% (de R$ 6,89 a R$ 9,98).

Vale salta mais de 50% na semana

Os papéis preferenciais da Vale (VALE5) ganharam 6,93%, a R$ 11,72, e os ordinários (VALE3) saltaram 5,95%, a R$ 16,55, A Vale seguiu o otimismo da Bolsa e também foi influenciada pela alta dos preços do minério de ferro no mercado internacional.

Ontem, as ações ordinárias já haviam subido 9,85% e as preferenciais, 9,71%.

Na semana, os papéis ordinários da mineradora acumularam alta de 50,45% (de R$ 11 para R$ 16,55). Os papéis preferenciais ganharam 45,05% (de R$ 8,08 para R$ 11,72).

Bancos avançam

Também influenciaram a alta da Bolsa hoje as ações dos bancos, que, assim como a Vale e a Petrobras, têm grande peso sobre o Ibovespa, 

O Banco do Brasil (BBAS3) avançou 9,87%, a R$ 18,25. As ações do Itaú Unibanco (ITUB4) subiram 4,88%, a R$ 31,35. Os papéis do Bradesco (BBDC4) tiveram ganhos de 10,33%, a R$ 26,92.

JBS despenca

No sentido oposto, as ações da JBS (JBSS3), dona das marcas Friboi e Seara, despencaram 13,44%, a R$ 10,88.

Dólar fecha a R$ 3,761

No mercado de câmbio, o dólar comercial fechou em queda de 1,09%, a R$ 3,761 na venda, menor valor de fechamento desde 9 de dezembro (R$ 3,737). Durante a manhã, o dólar chegou a cair quase 4%.

É a quarta queda seguida da moeda norte-americana. Com isso, o dólar encerra a semana com queda de 5,93%, o maior tombo desde a semana encerrada em 31 de outubro de 2008, quando a desvalorização chegou a 7,22%.

O dólar acumula baixa de 6,06% no mês e desvalorização de 4,74% no ano.

Lava Jato chega a Lula e mercado reage

A operação Lava Jato lançou nesta manhã nova fase da investigação tendo como alvo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, contra quem foram expedidos mandados de condução coercitiva e busca e apreensões. A operação apura possíveis crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no esquema envolvendo a Petrobras.

Notícias que aumentam a pressão sobre a presidente Dilma Rousseff, alvo de processo de impeachment, vêm sendo bem recebidas pelo mercado, que entende que eventual troca no governo pode trazer de volta a confiança e abrir espaço para mudanças na política econômica, segundo analistas.

Além disso, a investigação contra Lula poderia atrapalhar os planos do ex-presidente de concorrer à eleição em 2018, de acordo com os economistas.

"O mercado reage assim à medida que aumenta a possibilidade de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Desde a época da eleição o mercado o mercado torce pela troca de governo", disse Vitor Miziara, sócio da Criteria Investimento, ao UOL.

Bolsas internacionais

As Bolsas de Valores da Europa fecharam em alta, com exceção da Itália.

  • Portugal: +1,24%
  • Inglaterra: +1,13%
  • França: + 0,92%
  • Alemanha: +0,74%
  • Espanha: +0,51%
  • Itália: -0,38% 

As Bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam em alta, exceto a da Coreia do Sul. A Bolsa da China avançou pelo quarto dia seguido, puxada pela alta das ações do setor bancário.

  • Cingapura: +1,77%
  • Hong Kong: +1,18%
  • China: +0,5%
  • Taiwan: +0,37%
  • Japão: +0,32%
  • Austrália: +0,18%
  • Coreia do Sul: -0,13%

(Com Reuters) 

Mais sobre Bolsa e dólar

  • UOL

    Direto da Bolsa

    Dólar e Bolsa são influenciados pelas notícias do dia. Leia os destaques de hoje aqui

  • Thinkstock

    UOL Invest

    O simulador de Bolsa UOL Invest é grátis e permite que você aprenda como investir e concorra a tablets e passagens aéreas. Acesse por computador e tablet (clique nesta mensagem) ou celular (digite ou copie: uolinvest.economia.uol.com.br)

  • Alex Almeida/Folhapress

    Consulte suas ações

    Quer saber o preço de suas ações preferidas? Consulte o UOL Cotações, veja gráficos no formato que quiser, desempenho no dia e histórico de 1 ano. Acesse por computador e tablet (clique nesta mensagem) ou celular (digite ou copie: http://uol.com/bfdNjz)

  • Shutterstock

    Histórico do dólar

    Precisa saber quanto estava custando o dólar, o euro, o peso argentino um tempo atrás? Veja o histórico do UOL Cotações de até 1 ano para as principais moedas do mundo. Acesse grátis por computador e tablet (clique nesta mensagem) ou celular (digite ou copie: http://uol.com/bwdPmd)

 

PUBLICIDADE

Cotações