IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Cotações


Vale recupera parte dos R$ 71 bi perdidos em 1 dia com Brumadinho; e agora?

Vinícius Pereira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/07/2019 17h37

No dia 25 de janeiro, o rompimento de uma barragem da Vale mudava para sempre a vida de Brumadinho (MG), com grandes danos ambientais e centenas de vítimas. Para a mineradora, foi o início de um período de crise. Em um único dia, perdeu R$ 71 bilhões em valor de mercado. Foi condenada a pagar indenizações às famílias atingidas e viu a produção de minério de ferro despencar no período.

Hoje, seis meses depois, a empresa de mineração já recuperou boa parte do valor de mercado perdido: a ação da Vale, que valia R$ 56,15 antes da tragédia, já está cotada novamente na casa dos R$ 50 por papel. Ainda há dúvidas e indefinições sobre as demais punições que a empresa deve enfrentar. Dessa forma, quais as perspectivas para as ações da Vale?

Ação pode chegar a R$ 68, diz corretora

Especialistas ouvidos pelo UOL afirmam que, mesmo com a dúvida em relação ao ressarcimento dos prejuízos causados, a perspectiva da Vale no Ibovespa, o principal índice de ações do país, é boa, e os papéis podem ultrapassar o patamar pré-Brumadinho ainda neste ano.

"O consenso do mercado, em média, seria da ordem de R$ 62 por ação", disse Glauco Legat, analista-chefe da Necton Investimentos. "Apesar de não sabermos o efeito de Brumadinho, como analista eu posso ficar mais tranquilo porque, financeiramente, a Vale tem uma gordura relativamente grande para qualquer ressarcimento que precise realizar", afirmou ele.

Para a corretora XP, o preço-alvo da ação é de R$ 68, já que a empresa "está focada em chegar a acordos com partes e autoridades" e isso "colocaria um fim às incertezas operacionais e legais remanescentes, permitindo que a empresa se concentre em seus negócios e que as ações sejam negociadas de volta aos fundamentos", afirmou a empresa em seu último relatório divulgado.

Preço de minério de ferro em alta ajudou

"Apesar do ocorrido, a Vale é uma grande oportunidade agora, já que a ação vai voltar a patamares anteriores ao acidente, pois o minério está alto e, no segundo semestre, a empresa vai ter um faturamento muito forte, com uma geração representativa", disse Pedro Galdi, analista da Mirae Asset Corretora.

O minério de ferro, responsável por grande parte do faturamento da Vale, teve seguidas altas de preço no mercado externo, fazendo com que a receita da empresa não sofresse tanto, apesar da queda na produção.

Além da redução na oferta da companhia brasileira, as concorrentes da Vale, principalmente mineradoras australianas, também tiveram problemas e não conseguiram suprir o mercado da matéria-prima. O preço da tonelada do minério passou de cerca de US$ 65 para US$ 120 no primeiro semestre.

Riscos: indenizações e economia da China

Para os especialistas, o risco de indenizações pós-Brumadinho afetarem o caixa da Vale não são tão grandes, mas a empresa depende de uma "ajudinha" da economia mundial. O preço do minério de ferro tende a cair e, caso a economia da China apresente novos sinais de desaceleração, o preço pode ir bem abaixo.

"Esse preço do minério não é sustentável. Quando o preço voltar, e a produção voltar com as empresas australianas, esse preço tende a voltar a patamares próximos de Brumadinho, e a geração de caixa vai diminuir", disse Legat. O minério de ferro é muito utilizado na produção de aço, que, por sua vez, tem grande mercado nas construções chinesas.

Assim, caso haja uma condenação forte da empresa em relação à tragédia, com indenizações mais altas do que o mercado imagina, combinada com novos dados sobre a economia mundial, com foco especial na China, as análises de alta das ações podem ser revistas.

Enquanto buscas seguem, mato ocupa área onde ficava barragem de Brumadinho

UOL Notícias

Mais Cotações