PUBLICIDADE
IPCA
0,21 Jan.2020
Topo

Cotações


Dólar sobe, fecha a R$ 4,215 e bate novo recorde; Bolsa cai 0,25%

Nota; dinheiro; dólares; US$ 100; cem - Getty Images/iStockphoto
Nota; dinheiro; dólares; US$ 100; cem Imagem: Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo

25/11/2019 17h02

O dólar comercial fechou o dia em alta de 0,53%, a R$ 4,215 na venda, nova máxima nominal para o fechamento do dia desde a criação do Plano Real. Na segunda-feira (18) o dólar já tinha batido o recorde nominal.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, encerrou o dia com queda de 0,25%, aos 108.423,93 pontos.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para turistas, o valor sempre é maior.

Apesar da marca, de fato, ser o maior valor nominal (valor sem correção) para o dólar desde que o Real foi implantado, ele não leva em conta a inflação tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos.

Fazer esta correção é importante porque, ao longo do tempo, a inflação altera o poder de compra das moedas. O que se podia obter com US$ 1 ou R$ 1 em 2002 não é o mesmo que se pode comprar hoje com as mesmas quantidades de cada moeda.

Assim, levando em conta a inflação nos EUA e no Brasil, o pico do dólar pós Plano Real ocorreu no fim do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em 22 de outubro de 2002. O valor atualizado é de R$ 7,577. O valor nominal na época foi de R$ 3,9522.

Preocupação com contas externas

Nesta segunda-feira o Banco Central divulgou dados mostrando déficit em conta corrente e investimento estrangeiro direto piores do que o esperado para outubro.

Poucas horas depois, o governo informou dados parciais da balança comercial de novembro, que caminha para fechar o mês no vermelho, o que não acontece desde novembro de 2014.

"As contas externas continuam saudáveis, a questão é que os números piores pegam o mercado num momento sensível e de ampla preocupação com o cenário para fluxos", disse Flávio Serrano, economista-chefe do Haitong Brazil, à agência de notícias Reuters.

A menor oferta de moeda no país em meio a contínuas saídas de capital se tornou uma preocupação ainda maior depois da frustração do mercado com o megaleilão de petróleo, no último dia 6, no qual praticamente apenas a Petrobras fez lances.

O Banco Central vendeu todos os 15.700 contratos de swap cambial tradicional em rolagem do vencimento janeiro 2020. Mais cedo, o BC não havia aceitado propostas em leilão de dólar à vista e de swap cambial reverso.

Também nesta segunda, o BC fez a rolagem integral de US$ 1,5 bilhão em linha de moeda com compromisso de recompra, volume que até então precisaria voltar ao Banco Central no começo de dezembro.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias

Cotações