PUBLICIDADE
IPCA
-0,31 Abr.2020
Topo

Dólar sobe 1,48%, emenda 2ª alta e fecha a R$ 5,182; Bolsa avança 1,65%

Do UOL, em São Paulo

30/03/2020 17h09Atualizada em 30/03/2020 17h35

O dólar comercial fechou hoje em alta de 1,48%, a R$ 5,182 na venda, no segundo avanço seguido. É o segundo maior valor nominal (sem considerar a inflação) de fechamento desde a criação do Plano Real, atrás apenas do recorde de 18 de março (R$ 5,199).

Na última sessão, na sexta-feira, a moeda fechou em alta de 2,22%, a R$ 5,107 na venda, registrando seis semanas consecutivas de valorização.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, também encerrou em alta, de 1,65%, a 74.639,48 pontos. Na semana passada, a Bolsa acumulou alta ganhos de 9,48%.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Quarentena estendida nos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prorrogou no domingo as diretrizes de permanência em casa até o final de abril, depois de um assessor de saúde graduado ter dito que mais de 100 mil norte-americanos poderiam morrer durante a pandemia de coronavírus. Segundo analistas, a prorrogação da quarentena nos EUA é um fator extra de insegurança para o mercado.

"Investidores estão começando a semana digerindo o fato de que a maior economia do mundo permanecerá paralisada por mais tempo, depois que Trump ouviu os conselhos dos principais médicos do governo", disse em nota a XP Investimentos.

O crescimento exponencial de casos globais de coronavírus desencadeou respostas políticas massivas em todo o mundo. Porém, no curto prazo, a maior incerteza decorre do impacto dos bloqueios na atividade econômica.
Ben May, diretor de pesquisa macro global da Oxford Economics

Previsão de queda no PIB em 2020

No Brasil, pesquisa Focus do Banco Central mostrou que economistas agora esperam encolhimento da economia brasileira em 2020. Dessa vez, houve uma redução drástica: a previsão para o PIB brasileiro, que era de crescimento de 1,48% na semana passada, passou para queda de 0,48%. As previsões do mercado para o crescimento da economia em 2021 continuam em 2,5%.

A equipe da XP Investimentos voltou a revisar projeção para o Ibovespa no final de 2020 citando "tempos de guerra", conforme relatório a clientes enviado no domingo.

Incertezas políticas

Ainda no radar dos investidores, o clima político no Brasil continua tenso à medida que o presidente Jair Bolsonaro insiste na retomada das atividades apesar dos riscos sanitários apresentados pela Covid-19.

O presidente disse no domingo que está "com vontade" de editar um decreto nesta segunda-feira que permita que todos os profissionais que precisam trabalhar para sustentar suas famílias retomem suas atividades, apesar das medidas de restrição à circulação tomadas por vários estados e municípios para conter a disseminação do coronavírus.

Quedas no petróleo

O começo da semana também é marcado pela queda nos preços do petróleo e do minério de ferro na China.

Com o mundo entrando em quarentena, os preços de commodities desabaram, e ativos de risco também devem ficar vulneráveis esta semana, à medida que o vírus continua a se espalhar
Praemas Sakpal e Nicholas Mapa, economistas da ING

* Com Reuters

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Cotações