Paleterias mexicanas viram sorveteria normal para sobreviver após modinha

Andréa Carneiro

Colaboração para o UOL, em São Paulo

A paleta mexicana já saiu de moda faz tempo e muitas empresas fecharam. Uma consultoria estima que 60% quebraram (veja os dados aqui). As que sobraram tiveram de mudar para tentar continuar no mercado.

As paletas ganharam sabores regionais e passaram a dividir espaço no cardápio com parceiros --alguns mais próximos, como sorvete de massa e picolé, e outros nem tanto, como fondue e waffle recheado.

Chimarrão e tererê

Os sócios Timóteo Klich, Alisson Pietrala Chincoviaki, Claudinei Bedenarosk e Vera Seide começaram a vender paletas em modelo de franquia em 2014, em São Mateus do Sul (a 130 km de Curitiba), mas, após o rompimento do contrato, decidiram criar uma marca própria: a Hei! Delícias.

"Já tínhamos a noção desde o início de que era preciso diversificar. Resolvemos aproveitar a febre das paletas, mas, ao mesmo tempo, investimos em picolés e sorvete de massa. Sabemos que o consumo de sorvete cresce a cada ano", afirma Klich.

Divulgação
Após franquia de paletas, sócios criaram a marca Hei! Delícias, e diversificaram

Picóles e sorvetes de massa juntos são responsáveis por 60% do faturamento, e as paletas ficam com o restante. A estimativa é que elas continuem perdendo terreno e fiquem com apenas 20% do faturamento. "Verificamos que um único produto não era suficiente para manter a produção sempre em alta", diz o sócio.

Além das opções tradicionais, a Hei! Delícias apostou em sabores típicos locais, como chimarrão (feito de erva mate). Uma parceria com produtores de São Mateus do Sul garante o fornecimento da erva-mate para a produção.

Hoje, a rede tem 120 pontos de venda (geladeiras) nos Estados de Paraná, Santa Catarina e São Paulo. Até setembro, a previsão é de que 150 novos pontos de venda (geladeiras) sejam abertos. O investimento faz parte dos preparativos para a temporada mais quente.

Entre outubro deste ano e março de 2017, a previsão é faturar R$ 2 milhões, diz o empresário. Ele não divulgou o lucro.

Empreendedor 'comemora' fim da febre

Em São Luís (MA), a Zé Paleta está comemorando o fechamento das franquias. "A concorrência diminuiu e as nossas vendas estão sempre aumentando", diz o sócio-proprietário Diego Roberto Maciel Conceição.

A fábrica surgiu há pouco mais de um ano, no auge da moda, com a ideia de levar o produto para um público maior. "As franquias estavam nos shoppings. Queríamos colocar as paletas em pontos mais próximos do consumidor final e espalhados pela cidade. O cliente final viu que há produtos mais baratos e acessíveis."

O primeiro passo foi diminuir o tamanho do produto, normalmente de 120 gramas, para 90 gramas. Tapioca, mousse de bacuri e cajá compõem as opções de sabores regionais.

Uma vantagem na região é que não é preciso se preocupar com o inverno. "A vantagem por aqui é ser quente o ano inteiro. Assim, não precisamos nos preocupar com o frio. Para nós, julho é uma boa hora por causa das férias", afirma.

Divulgação
Conceição, da Zé Paleta: paleta menor, sabores regionais e verão o ano todo

Ao todo, a Zé Paleta conta com 50 pontos de venda (geladeiras) e espera chegar a 80. Os sócios também estudam investir no sorvete de massa. "Nossos freezers ficam ao lado de grandes redes nacionais, o que mostra que o produto foi muito bem aceito", diz. Os sócios investiram R$ 200 mil para abrir o negócio e faturam entre R$ 20 mil e R$ 30 mil por mês. O lucro não foi divulgado.

Waffle vira estrela em paleteria

Em dezembro de 2014, Angelo Mantovanini montou com um amigo uma fábrica e uma loja de paletas no Tatuapé, na zona leste da capital paulista, a Paleteria Paulista. Era o auge das paletas, mas tinha o inverno a enfrentar.

"O faturamento caiu 50%: de R$ 120 mil mensais para R$ 60 mil. E foi aumentando o número de concorrentes. Muitos abriram na empolgação, com uma paleta de má qualidade, o que prejudicou o mercado."

A solução foi incluir no cardápio sobremesas de inverno, como fondue, petit gateau, brownie e waffle recheado. A fábrica de paletas foi adaptada para a produção das novas receitas, e os funcionários foram treinados para prepará-las.

Divulgação
Paleteria? Waffles foram responsáveis por R$ 25 mil de faturamento

"Atualmente, elas superam a paleta. Para se ter uma ideia, os waffles foram responsáveis por R$ 25 mil nos últimos três meses", conta Mantovanini. Segundo ele, a empresa fatura de R$ 40 mil a R$ 45 mil por mês nos períodos mais frios e R$ 60 mil nos mais quentes. O lucro é de 20% do faturamento em média.

A empresa tem uma loja física e 25 pontos de venda (geladeiras). A distribuição em outros pontos de venda garante faturamento extra de R$ 20 mil, no verão, e de R$ 5.000, no inverno.

Em Nova York, sorveteria cria sorvete que não derrete

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos