ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 1.Ago.2018
Topo

Empreendedorismo

Aplicativo de "enfermeira virtual" lembra paciente da hora de tomar remédio

Rogerio Amendola/Divulgação
Lívia Cunha (foto) criou o CUCO Health, que auxilia o paciente no seu tratamento médico Imagem: Rogerio Amendola/Divulgação

Colaboração para o UOL, em São Paulo

07/03/2018 04h00

De tanto ouvir o pai médico reclamar que os pacientes se esqueciam de tomar os seus remédios e os parentes não tinham controle sobre isso, a empreendedora Lívia Cunha resolveu criar uma ferramenta para fazer esse trabalho - o aplicativo Cuco Health.

Funciona como uma "enfermeira digital" auxiliando o paciente no dia a dia de seu tratamento médico. O produto é um app que lembra o paciente de seus compromissos de saúde, como a hora de tomar os medicamentos e controle de medições relevantes. Também educa de acordo com sua condição de saúde. 

Leia também:

A empresa tem unidades em Florianópolis e São Paulo e possui 10 funcionários. Ela não divulga investimento, faturamento nem lucro.

Plataforma para operadoras de saúde

Para as operadoras de planos de saúde e hospitais, a empresa oferece uma plataforma de monitoramento e relacionamento com seus pacientes. Segundo a Cuco, isso reduz custos com atendimentos e fideliza o paciente.

Hoje o paciente é colocado em último lugar na cadeia de saúde, o que faz com que suas condições de saúde piorem cada vez mais. Para mim, sempre há um meio de fazer algo diferente e ajudar os pacientes com sua rotina
Lívia Cunha, criadora do app

Acompanhamento de crianças com doença cardíaca

A empreendedora diz que o app tem ajudado a acompanhar crianças doentes. “Monitoramos crianças com doenças cardíacas, que antes saíam do hospital sem acompanhamento continuo e acabavam apresentando uma alta taxa de mortalidade por não seguirem o pós operatório e o tratamento corretamente."

Segundo ela, o uso do Cuco "ajuda as famílias a cuidarem melhor de seus filhos", porque eles tomam com mais regularidade os remédios. A taxa de adesão ao tratamento com os remédios, de acordo com ela, é de 79%, enquanto a média em geral é de 30% a 40%).

Mercado de saúde é aberto a novas ideias

Para a especialista Alessandra Andrade, professora do Centro de Empreendedorismo da FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), o mercado da saúde está aberto às novas ideias e novidades.

“Aplicativos como esse são bem interessantes, positivos, e têm demanda, em especial porque temos uma população com dificuldades de adquirir planos de saúde, e muitas vezes os familiares moram longe e não podem cuidar de seus parentes doentes”.

Por outro lado, Alessandra faz uma observação importante.

O aplicativo não tem uma barreira de entrada, por isso qualquer um pode montar um e se colocar melhor no mercado roubando clientes
Alessandra Andrade, especialista em empreendedorismo

Quem investe em aplicativos como o Cuco deve pensar nos investimentos de marketing, que fazem a diferença. Além disso, deve definir como o usuário usará o serviço, se pagará uma mensalidade ou se baixará o aplicativo gratuitamente.

Onde encontrar:

Cuco - http://cucohealth.com

(Reportagem: Priscila Gorzoni; edição: Armando Pereira Filho)

Mais Empreendedorismo