PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Empreendedorismo

Elas postam e vendem em minutos roupas vintage no Instagram por R$ 35

Claudia Varella

Colaboração para o UOL, em São Paulo

16/02/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Mudança de comportamento e transformação digital ajudam brechó online
  • Vendas são feitas diretamente pelo direct do Instagram
  • No Lovely Lady Brechó, o preço médio das peças é R$ 40
  • Preço das roupas no Garimpados com Amor varia de R$ 35 a R$ 200
  • Brechó deve ter produtos com qualidade e volume para sustentar o negócio
  • Atenção também em logística de entrega, preço do frete e manipulação das peças

Basta dar uma busca no Instagram para encontrar vários perfis de brechós que vendem roupas vintage. Mas vender este tipo de roupa é um bom negócio? Algumas peças chegam a ser vendidas de imediato ou em até uma hora.

"Essa alavancagem dos brechós online está associada a dois pontos: mudança de comportamento dos consumidores e processo de transformação digital", afirmou Davi Paunovic, consultor de negócios do Sebrae-SP.

Segundo ele, os consumidores têm buscado artigos associados a uma compra mais inteligente e sustentável, mas que estejam associados ao seu modo de vida e estilo. "As roupas precisam contar uma história, e no brechó os consumidores encontram peças exclusivas, com excelente relação de preço e qualidade."

Outro ponto é o processo de transformação digital. "No passado, o consumidor precisava procurar no brechó muitas peças até encontrar o que combinasse com seu estilo. Hoje, com as tecnologias disponibilizadas por meio das redes sociais, ele consegue rapidamente navegar nas fotos do brechó, como se fosse uma vitrine digital, facilitando a visualização das peças e se inspirando em visuais ou composições sugeridas pelas lojas", afirmou.

De acordo com a consultora de moda Marcella Contrucci, são consideradas vintage peças antigas com pelo menos 20 anos de existência e no máximo cem anos (passando dessa idade já são consideradas antiguidades).

Peças vendidas em até um dia

Edvânia Vieira Ribeiro, 28, de Jundiaí (SP), abriu o Lovely Lady Brechó em abril do ano passado, mas antes já vendia outras roupas, principalmente jeans, no site Enjoei, no Mercado Livre e até no Facebook. "Quando comecei a escolher as peças de acordo com o meu gosto pessoal, determinei o estilo do Lovely Lady."

Para ela, a qualidade das peças mais antigas é muito superior à das atuais. São peças lindas e únicas, diferentemente das marcas 'fast fashion' em que há milhares de roupas iguais. Escolho as peças como se fossem para mim. Ou seja, o meu gosto pessoal determina muito o estilo do meu negócio, e as pessoas gostam disso."

As vendas são feitas diretamente pelo direct do Instagram. Peças muito procuradas (como penhoares, camisolas e vestidos dos anos 50 e 60) são vendidas imediatamente ou em até um dia; roupas mais comuns (camisas e saias) demoram entre sete e 15 dias para serem vendidas.

"Ter um nicho de público facilita muito. Cada brechó sabe exatamente o que seus clientes buscam, então o estoque fica sempre baixo. Quando há acúmulo, faço liquidações", disse.

O preço médio é de R$ 40, e a entrega é pelo correio, junto com uma cartinha escrita à mão por Edvânia. Há a opção de fazer "sacolinha": o cliente paga a peça que gostou e aguarda as novidades para incluir no pedido, para incluir tudo no mesmo frete.

As peças são garimpadas em brechós e bazares, sempre observando a modelagem, tipo de tecido, renda, costura, acabamento etc. "Minhas roupas são cheias de detalhes, sempre há algo especial em cada peça, seja uma renda, uma prega na saia, um babado ou até mesmo um botão bonito", disse. As roupas passam por reparos, se necessário, e são lavadas à mão, uma por uma.

O investimento inicial foi de R$ 2.000. Faturamento e lucro não foram revelados.

Garimpa peças em feiras de antiguidade

O perfil do Garimpados com Amor no Instagram foi criado por Flávia Guinho, 27, em julho de 2017. "Como tenho dois filhos pequenos, vi uma oportunidade de conseguir conciliar a maternidade com um home office", disse ela, de Jacareí (SP).

Flávia tem ligação com roupas vintage desde a infância: a mãe trabalhava na casa de uma figurinista especializada em peças de época. "Às vezes ela trazia seus figurinos do ateliê, e eu ficava deslumbrada. Aquilo soava como um conto de fadas, e eu apreciava os mínimos detalhes de cada traje."

No Garimpados com Amor, ela vende um peça em um ou dois dias. Nas fotos, ela descreve a peça, informa o preço e as formas de pagamentos e avisa se há avarias. A negociação se dá pelo direct, e a entrega via correio.

Os preços variam de R$ 35 a R$ 200. Ela garimpa as peças e acessórios pelos brechós de Jacareí e, a cada 15 dias, nas feiras de antiguidades em São Paulo. Flavia diz vender entre R$ 400 e R$ 800 por semana. Mas não informa o lucro.

Buscar parcerias para ter volume de vendas

Para Davi Paunovic, do Sebrae-SP, o empreendedor de brechó deve buscar parcerias que possam oferecer produtos de qualidade e no volume necessário para dar sustentabilidade ao negócio, tanto financeiramente quanto na variedade nas peças para atender a demanda das clientes.

"O faturamento e a atratividade do canal digital da empresa nas redes sociais dependem totalmente do estoque de peças disponíveis e das tendências buscadas pelos consumidores. Caso uma tendência mude e ou o estoque da empresa fique com peças de baixo interesse, o empreendedor corre o risco de ter seu faturamento reduzido rapidamente."

Onde encontrar:

No Instagram:

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Brechó vira febre entre youtubers

TV Folha

Empreendedorismo