PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Veja como se organizar para pagar todas suas dívidas e ainda ter desconto

Está endividado? Veja passo a passo para organizar suas dívidas e colocar as finanças em ordem - iStock
Está endividado? Veja passo a passo para organizar suas dívidas e colocar as finanças em ordem Imagem: iStock

Letícia Braga de Andrade

29/07/2022 04h00

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), 77,7% dos brasileiros estavam endividados em abril de 2022. Esse é o maior número da série histórica, iniciada em 2010. É como se quase 8 em cada 10 pessoas que estão lendo este texto estivessem endividadas. É muita gente!

A dívida do cartão de crédito é a "mais-mais": mais comum e mais cara. Conforme o Banco Central, o juro médio total cobrado no rotativo do cartão em fevereiro de 2022 foi de 355,2% ao ano e nos parcelamentos, de 174,3%. Juro alto desse jeito já é complicado, mas enquanto a pessoa consegue pagar as parcelas, aceita-se.

O problema se agrava quando a pessoa não consegue quitar tais parcelas. Aí vira inadimplente. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio (CNC), cerca de 28,6% das famílias brasileiras estão com contas em atraso.

Mas o cartão de crédito é apenas um dos principais motivos de endividamento. Entram na lista ainda os juros bancários do cheque especial e de outras instituições financeiras, além das contas do dia a dia.

Por tudo isso, este texto traz uma sugestão de passo a passo para começar a organizar suas dívidas e colocar suas finanças nos trilhos.

Passo 1: Organização

Liste todas as dívidas que você tem hoje. Indique a origem, taxa de juros cobrada, dia de vencimento das parcelas, quantidades e valor de parcelas pagas, em atraso e a vencer. Na intenção de ajudar um pouquinho mais, segue um modelo de tabela para cópia.

  • Origem da dívida
  • Dia de vencimento das parcelas
  • Taxa de juros

Parcelas (divida em total, pagas, em atraso e a vencer)

  • Quantidade
  • Valor em R$

Com essas informações, você conseguirá estabelecer prioridades e necessidades, perceber o que já foi pago, identificar o problema atual e prever o compromisso futuro. Para além de um retrato da situação, esta tabela irá indicar argumentos importantes na hora de uma renegociação.

Passo 2: Administração

O próximo passo é entender quanto do orçamento mensal familiar é possível reservar para quitar essas dívidas do passado, de modo que não comprometa as necessidades atuais.

Comece somando os custos de suas necessidades básicas, como comida, gás, luz, moradia, e alguma outra conta específica. Não se esqueça de incluir nessas necessidades algum valor, por menor que seja, como reserva para o futuro. Isso é essencial para o processo de reeducação financeira, além de servir como um incentivo ao esforço atual.

Feito isso, calcule o que sobra da sua renda após diminuir os custos das necessidades básicas. Esse será o valor mensal disponível para a renegociação.

É claro que ficar só com as necessidades básicas é difícil e irá exigir um esforço ainda maior. Então, seguem algumas ideias de como economizar ou gerar renda extra:

  • Se costuma ir de carro para o trabalho, cadastre-se como motorista de aplicativo e vá para o trabalho ou volte para casa trabalhando. Ou divida esse custo com alguém que faça um trajeto semelhante ao seu. Economize.
  • Se tem um pet e precisa passear com ele todos os dias, que tal levar mais um ou dois com você e ser pago por isso?
  • Tem alguma habilidade ou hobby que você possa explorar financeiramente nos períodos de folga? Pense em algo como ensinar a andar de bicicleta ou vender roupas de crochê na feira do condomínio.

Entenda que não é para viver desse valor, mas para gerar a renda extra necessária.

Passo 3: Renegociação

Com prioridades definidas e ciente do valor mensal disponível que não comprometa as necessidades atuais, comece a buscar a renegociação das dívidas mais caras, ou seja, as de taxa de juros mais alta. Os argumentos que podem ser usados incluem parcelas já pagas, juros menores praticados no mercado e capacidade de pagamento.

Aqui a recomendação é expandir a quantidade de parcelas de modo que seu valor diminua. E, sempre que sobrar algum dinheiro, antecipe as últimas parcelas do contrato, pois assim o desconto do juros será maior.

Lembre que dívidas são custos do passado que não foram pagos. Quem está pagando dívidas tem custo dobrado: os de hoje e os de ontem. Por isso, cuide para não repetir o problema. Enquadre suas finanças e controle seu consumo, criando alguma leveza com aquela reserva financeira recomendada.

Acredite, é possível. Só quem já passou por isso sabe.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Especialistas em finanças ajudam você a poupar e a escapar de erros comuns para quem quer construir um patrimônio. Tenha informações que auxiliam você a tomar decisões sobre investimentos e aproveite melhor as oportunidades disponíveis no mercado