Só para assinantesAssine UOL

Shein busca permissão da China para abrir capital nos EUA, diz agência

A Shein está em busca da aprovação da China para abrir seu capital nos Estados Unidos, segundo duas fontes com conhecimento do assunto informaram à agência Reuters, o que ressalta os esforços da empresa para se apresentar como global e não como chinesa.

Segundo a publicação, a medida pode complicar ainda mais os planos da Shein, que encontrou resistência política nos Estados Unidos.

Um grupo bipartidário de parlamentares norte-americanos pediu que a Securities anda Exchange Comission (SEC), o órgão regulador do mercado de capitais nos EUA, bloqueasse a oferta pública inicial da Shein até verificar que ela não utiliza trabalho forçado, diz a Reuters.

A Shein, que segundo uma das fontes foi avaliada em US$ 66 bilhões em uma arrecadação de fundos em maio, se registrou para o IPO nos EUA com o órgão regulador chinês em novembro, afirmaram as duas fontes. Isso aconteceu apesar de ter transferido sua sede de Nanjing para Cingapura em 2022.

A varejista de moda, que vende roupas baratas em mais de 150 países, também entrou com um pedido confidencial para o IPO em novembro, segundo reportagem da Reuters. Em um sinal da natureza aparentemente complicada do processo, o órgão chinês ainda não respondeu ao pedido de IPO da Shein, disse uma das fontes.

Shein, Shopee e Aliexpress: governo vai voltar a taxar compras de até US$ 50?

No fim de dezembro do ano passado, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que ainda não existe uma decisão tomada sobre a taxação das compras internacionais de até US$ 50 em empresas como Shein, Shopee, AliExpress e outras.

Em conversa com jornalistas na sede do Ministério da Fazenda, Haddad diz que a decisão sobre esse assunto só será anunciada quando a discussão estiver mais "amadurecida".

Além disso, o ministro da Fazenda também destacou que ainda há controvérsias entre o Congresso e o governo em relação ao prazo para se implementar um tributo federal nas compras.

Continua após a publicidade

Para as empresas de varejo, o governo federal havia dito que a divulgação de uma taxação poderia ser realizada até o encerramento de 2023. No entanto, o ministro da Fazenda diz que ainda não existe um acordo em relação ao tema.

"Nós queremos continuar divulgando sobre a matéria para mostrar o comportamento dessas encomendas ao longo do tempo depois que o Remessa Conforme foi instituído", disse Haddad.

Taxação de compras online: Haddad critica posicionamento da gestão anterior

Em relação ao Remessa Conforme, da Receita Federal, Haddad diz que a arrecadação do comércio online foi aumentada depois da criação do programa que, na sua visão, ajudou a corrigir distorções em relação aos produtos que chegavam ao Brasil sem incidência de impostos, o que inclui também encomendas com preços acima de US$ 50.

O ministro do governo Lula ainda teceu críticas sobre o posicionamento da gestão anterior de Jair Bolsonaro (PL) em relação à taxação de compras online.

"Foram 4 anos de escalada no contrabando no país. Eu não consigo nem entender como alguém não respondeu por improbidade administrativa, porque nenhuma medida foi tomada diante dos olhos de todo mundo no Ministério da Economia", afirma Haddad.

Continua após a publicidade

Cabe lembrar que o imposto sobre compras em empresas internacionais de até US$ 50, desde que realizadas por pessoas físicas, foi zerado pelo governo federal em agosto de 2023, o que gerou críticas por parte das varejistas brasileiras, que alegavam a existência de uma concorrência desleal.

Essa isenção só acontece no caso das compras realizadas em empresas de varejo internacional que tenham suas certificações no programa Remessa Conforme.

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora