PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

5 falas de Elon Musk que mudaram preço do bitcoin e de outras criptomoedas

Exclusivo para assinantes UOL

Caroline Pulice

Colaboração para o UOL, em São Paulo

19/05/2021 04h00

O mercado das criptomoedas tem crescido e ganhado peso no Brasil e no mundo todo. Porém, uma figura pública tem, sozinha, mexido muito com as moedas virtuais no último ano. Elon Musk, fundador da empresa automotiva Tesla, está mostrando que as suas palavras têm muito mais poder do que imaginávamos.

Na última quarta-feira (12), por exemplo, Musk anunciou que sua empresa não aceitaria mais transações com o bitcoin, criptomoeda mais valiosa do mundo, e que tem se mostrado estável nos últimos meses. Logo após sua fala, a moeda virtual despencou de US$ 54,6 mil (R$ 289 mil) para US$ 49 mil (R$ 259 mil), uma queda de mais de 12% em menos de três horas.

Na segunda-feira (17), a moeda virtual registrou queda de 9% e passou a valer US$ 42 mil (R$ 222 mil), menor valor desde o dia 8 de fevereiro, apesar de ter se recuperado no fim do dia. Esta não foi a primeira vez que o fundador da Tesla mostrou seu "poder" sobre as criptomoedas. Saiba abaixo as vezes em que Musk abriu a boca neste ano e as moedas digitais reagiram, e entenda por que isso acontece.

1. O caso bitcoin: moeda não é sustentável, diz Musk

Na última quarta-feira (12), Musk tuitou que a Tesla não aceitará mais pagamentos com bitcoin. O motivo, segundo Musk, é ambiental. De acordo com ele, a empresa via o aumento do uso de carvão - uma fonte de energia altamente poluente - para a mineração da moeda virtual.

"A criptomoeda é uma boa ideia em muitos níveis e acreditamos que ela tem um futuro promissor, mas isso não pode ter um grande custo para o meio ambiente", disse em seu Twitter. Apesar disso, Musk deixou claro que não vai se desfazer dos bitcoins que tem. "Pretendemos usá-los para transações assim que as transações [utilizarem] energia sustentável."

Além da queda do bitcoin, o anúncio influenciou também outras moedas, que também recuaram, com destaque para a dogecoin - que caiu 15% em 24 horas - e o ethereum - que teve queda de 9% após o anúncio de Musk em apenas um dia.

Mas esta não foi a primeira vez que o fundador da Tesla mostrou seu "poder" sobre as criptomoedas. Veja outros quatro casos:

A moeda que vai para a lua: no dia 15 de abril, a moeda dogecoin dobrou seu valor após Musk compartilhar em seu Twitter uma pintura de um cachorro olhando para a lua, do artista espanhol Joan Miró. Na legenda, Musk disse que o cão era um "Doge latindo para a lua".

Dogecoin: Musk se diz "dogefather: no dia 28 de abril, Musk tuitou "The Dogefather", sugerindo que apoia a moeda dogecoin. Só este tuite fez o preço da moeda virtual subir 30%, em menos de 24 horas.

As duas falas de abril ajudaram a moeda a acumular uma alta de mais de 500% em abril, e fechar o primeiro trimestre do ano com uma alta de mais de 1.000%.

Dogecoin é uma "bagunça": só que pouco depois, em uma entrevista ao Saturday Night Live, popular programa da televisão norte-americana, o empresário admitiu que a criptomoeda "era uma bagunça", o que fez com que seu preço despencasse 36%.

O poder de uma hashtag: outro caso, desta vez com o bitcoin, também mexeu no preço da moeda. Em janeiro, o empresário adicionou a hashatg #bitcoin em seu Twitter, o que fez com que a moeda valorizasse mais de 14%.

O que faz de Elon Musk o "guru" das criptomoedas?

Elon Musk tem "poder" sobre a volatilidade das criptomoedas?

De acordo com analistas ouvidos pela UOL, o empresário ganhou notoriedade e "poder de influência" por ser da área de inovação. Com a Tesla, Musk revolucionou o mercado de carros elétricos, e com a Space X - empresa de serviços aeroespaciais - revolucionou o setor de viagens espaciais, fazendo dele um homem de negócios promissores.

O Elon é um influenciador digital forte, por estar muito ligado à tecnologia de ponta, viver projetos arrojados
Ailtom Nascimento, vice-presidente Executivo da consultoria de tecnologia Stefanini

Sua excentricidade também foi apontada pelos analistas como fator para que suas falas sobre criptomoedas influenciem o setor.

Ele é bastante polêmico, traz essa atenção dos mercados, e as últimas declarações têm trazido esta influência sobre os criptoativos. Tanto para o bem quanto para o mal, em termos de queda nas cotações recentemente.
Rodrigo Marcatti, CEO da Veedha Investimentos

Além disso, por ser o segundo homem mais rico do mundo, motivos não faltam para que ele atraia a atenção dos investidores neste segmento.

Mas ele não é o único. Nomes como Ray Dalio, investidor criador do fundo mais lucrativo do mundo, a Bridgewater Associates; e Jack Dorsey, CEO do Twitter, que recentemente disse que o bitcoin "muda tudo para melhor" também determinam a direção de crescimento ou queda das criptomoedas

O mercado de criptomoedas, ainda de acordo com analistas, se diferencia de outros ativos exatamente por sofrer influência de outros meios.

Essas moedas variam com menos fundamento técnico, como a economia de um país, o crescimento econômico, a inflação. Esses fundamentos mexem menos com o preço dos criptoativos do que os boatos e as notícias e tweets mexem.
Rodrigo Marcatti, da Veedha Investimentos

Mercado ainda é imaturo, por isso reage a falas

Mas isso não significa que o mercado de criptomoedas será sempre assim. De acordo com analistas, o mercado tende a atingir uma maturidade à medida que tiver mais investidores, que for mais diluído e se torne cada vez mais relevante para economias internacionais.

"O futuro é a moeda digital. A emissão de meios físicos vai diminuir, valorizando o crescimento de meios eletrônicos", afirma Nascimento.

Para Marcatti, o setor só vai se estabilizar quando tiver uma regulação mais sólida, mais visibilidade, menos apostas e mais fundamento.

Até que isso aconteça, vamos ver grandes quedas ou altas com a opinião de alguma personalidade, seja ela artista, gestor de fundo, algum profissional ou mesmo o próprio Elon Musk.
Rodrigo Marcatti

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.