PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Energia solar: vale investir nessas empresas para ganhar no curto prazo?

Exclusivo para assinantes UOL

Colaboração para o UOL, em São Paulo

16/05/2021 04h00

Tem investidor de olho em empresas do setor de energia renovável, principalmente de energia solar, já visando retorno no curto e médio prazos. Mas a dúvida é: vale a pena focar neste segmento? O tema foi abordado e respondido no Papo com Especialista, programa semanal e ao vivo do UOL Economia+.

O economista César Esperandio começa fazendo uma ressalva: "independentemente do setor, ação não é investimento para ter lucro no curto prazo, apesar de ter gente que se arrisca neste tipo de operação", disse. Confira abaixo a análise do economista sobre o setor de energia renovável.

O Papo com Especialista é transmitido sempre às quartas-feiras, das 12h30 às 13h30, na página inicial do UOL e do UOL Economia+. O programa é exclusivo para assinantes e, após a transmissão ao vivo, fica disponível para consulta.

Para começo de conversa: foco no longo prazo

Esperandio afirma que quem quer lucro no curto prazo investindo em ações está correndo um "risco gigantesco". "O propósito de investir em ação não é este", afirmou.

Segundo ele, um dos caminhos para ganhar dinheiro na Bolsa é na valorização do ativo, quando você compra por um preço e vende por um valor acima do que pagou. "Esse é o foco de quem quer ganhar dinheiro no curto prazo", disse.

Para quem investe no médio e longo prazos, diz o economista, também ganha com a valorização das ações, mas tem ainda outros benefícios, como não precisar se preocupar com a volatilidade inerente ao mercado de ações. "No médio e longo prazos, a oscilação do preço de uma ação no curto prazo perde a importância", disse.

Outra vantagem é contar com um benefício anterior à menor preocupação com a volatilidade, que é o recebimento de proventos, tipicamente distribuição de resultados (lucros) aos sócios (todo acionista é legalmente um sócio da empresa).

Energia limpa: mercado promissor

O primeiro passo antes de analisar se vale a pena investir em empresas de energia solar ou qualquer outra energia limpa é se o mercado dessa empresa é promissor. Para ele, esse mercado é uma tendência, mas não é só isso que o investidor precisa levar em consideração.

"É preciso antes fazer toda aquela análise na empresa em que você quer investir, avaliar o mercado, a saúde financeira e outros indicadores. Tudo isso para você ver se vale a pena mesmo investir, e não só olhar se a empresa está num setor promissor ou não. Precisa ver se a empresa [e não só o setor] é promissora", disse.

A avaliação da empresa desse setor segue a mesma premissa de avaliação de qualquer outras empresa. É preciso analisar todos os indicadores daquela companhia e também comparar com outras empresas do mesmo setor. "Você precisa traçar um panorama da empresa, sua perspectiva futura, para ver como está a saúde [financeira] dela", disse.

Segundo ele, em se tratando de ações, o recomendável é investir mirando o médio ou longo prazos. "Você se livra de muita preocupação, de muito risco que não precisa correr."

Quer investir melhor? Receba dicas em seu email

Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido?

O UOL Economia+ tem uma newsletter gratuita que o ajuda nesse objetivo. Ao assinar, você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pelo analista Felipe Bevilacqua, da casa Levante Ideias de Investimentos. Com essa newsletter, você vai aprender a investir e entender o que está acontecendo com o mercado.

Além da newsletter diária, você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor e com segurança seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita do UOL Economia+, é só clicar aqui.

Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envia sua pergunta para duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.