PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Petrobras, Magalu, Americanas querem recomprar suas ações; vale 'vender'?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Vinicius Silva

Colaboração para o UOL, em São Paulo

08/09/2021 04h00

Com o mau humor que atinge o mercado de capitais no Brasil nos últimos meses, levando as cotações para longe das máximas históricas, empresas listadas na Bolsa anunciaram que irão recomprar parte das ações que estão no mercado. Segundo a B3, 75 empresas têm programas de recompra abertos, sendo que 53 abriram programas neste ano.

E não é qualquer empresa: Petrobras, Magazine Luiza, Americanas, Vale e Ambev, por exemplo, estão na lista e prometem retirar parte das ações em circulação no mercado para que retornem aos seus caixas. Por que algumas companhias optam por recomprar ações que já estão nas mãos de outros investidores? O que isso muda para o investidor? Vale vender suas ações nos programas de recompra? Veja abaixo o que dizem os especialistas.

Por que as empresas querem tirar ações do mercado?

A recompra de ações é uma forma de a empresa listada em Bolsa comprar percentuais da própria companhia para deixá-las em custódia ou até mesmo cancelá-las. Normalmente, essa prática ocorre quando o preço dos papéis no mercado é considerado baixo demais pela gestão.

"Por prática de mercado, é comum que as empresas façam esta recompra quando suas ações se enquadrem em parâmetros de fundamentos que considerem a ação barata na questão preço da ação x lucro", afirma Sidney Lima, analista da Top Gain.

De acordo com Virginia Prestes, professora de finanças da FAAP, o anúncio de um programa de recompra pode sinalizar ao mercado que a gestão confia no negócio.

"Quando as empresas pedem autorização [para um programa de recompra], elas têm um prazo para efetivar essa compra e nem sempre isso ocorre. Se ela fizer essa recompra é um bom sinal porque, provavelmente, ela acredita que os múltiplos estão sendo negociados bem abaixo, então vale a pena ela usar o caixa para comprar essas ações. Pode ser um bom ponto de entrada", afirma.

Múltiplo é a relação entre o preço da ação com indicadores operacionais da empresa, como lucro, caixa, dividendos, etc.

Dá para ganhar dinheiro com a recompra de ações?

Segundo os especialistas consultados pelo UOL, o investidor pode ganhar dinheiro de duas maneiras com as recompras de ações. A primeira é já ser acionista da companhia e ver o preço dos papéis aumentarem após os anúncios --o que sinaliza ao restante do mercado a confiança da gestão na
empresa.

"É bastante positivo muito mais pela sinalização ao mercado do que pela recompra em si", afirma Bruno Komura, estrategista da Ouro Preto Investimentos.

Segundo Komura, como as recompras normalmente não abrangem percentuais relevantes das companhias na Bolsa, esse movimento é mais sentido pela sinalização do que pelo aumento da demanda no mercado.

"A recompra é bem pequena normalmente, então, o programa não influencia tanto as ações e acho que não terá impacto no mercado. O impacto é muito mais pela indicação de que a gestão está confiante na gestão dela e isso pode influenciar as ações", diz.

As ações da Vale, por exemplo, chegaram a subir 3% no dia após o anúncio do programa de recompra.

A outra maneira de ganhar dinheiro com os programas de recompra é pelo aumento dos dividendos. A lógica é que, com menos ações disponíveis no mercado, o lucro seja dividido para partes maiores.

"O investidor acaba tendo um dividendo maior, pois há menos ações em circulação e, quando a empresa divide o lucro pelas ações, o dividendo acaba maior para quem já possui os papéis", afirma Virgínia Prestes.

Além da Petrobras, Americanas, Vale e Magazine Luiza, estão com programas de recompra abertos empresas como Bradesco, Santander, Itaúsa, Siderúrgica Nacional, Raia Drogasil, Porto Seguro, Cosa, Locaweb e CSN. Você pode ver a lista completa das 75 empresas aqui.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE