PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Assaí sobe quase 2% com busca de consumidores por produtos mais baratos

Divulgação
Imagem: Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

20/04/2022 13h17

Em tempos de inflação recorde no Brasil, consumidores têm buscado opções mais em conta para o bolso —o que inclui redes de atacarejo, que tendem a ofertar produtos com preços mais baixos do que mercados tradicionais. Diante disso, o Assaí tem se beneficiado: nesta terça-feira (19) a empresa divulgou um crescimento de 6,7% nas vendas do primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado. Com isso, as ações (ASAI3) têm apresentado alta de 1,90% hoje, a R$ 16,65 por volta das 12h36 (horário de Brasil).

Diante desse cenário, vale a pena investir em papéis do Assaí? Confira a opinião de especialistas do mercado ouvidos pelo UOL.

A receita líquida de janeiro a março do Assaí atingiu R$ 11,4 bilhões, o que representa um aumento de 21,1% ano a ano. O resultado foi turbinado pelo acréscimo de 32 lojas inauguradas nos últimos 12 meses.

Para o BTG, a empresa mostrou números operacionais sólidos, ligeiramente acima da estimativa do banco, apesar do fim do Auxílio Emergencial em outubro passado e da alta da inflação de alimentos no período. Por isso, o banco recomenda a compra das ações da rede. A Mirae Asset também aposta na aquisição de ASAI3, com estimativa de valorização para R$ 20,82. A XP Investimentos também aconselha que investidores comprem os papéis, com expectativa de que o preço chegue a R$ 22.

Conforme divulgou a varejista, o processo de conversões de hipermercados em atacarejos vai "consolidar a presença do Assaí em 16 capitais e em cidades referência, localizações altamente adensadas e maduras".

Segundo a Mirae, o cronograma de conversões segue em linha com o previsto, sendo que cerca de 40 lojas, com previsão de abertura a partir do segundo semestre de 2022, estão em fase de obras.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.