PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Ações da Natura despencam após prejuízo além do esperado; é hora de vender?

Divulgação
Imagem: Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

06/05/2022 12h21

A Natura (NTCO3) abriu o pregão desta sexta-feira (6) no vermelho. Às 11h45 (horário de Brasília) as ações da empresa caíam 3,79%, a R$ 16,51 cada.

A desvalorização reflete o fraco desempenho da companhia no primeiro trimestre deste ano, com o prejuízo líquido crescendo 314%, chegando a R$ 643 milhões, e a receita caindo 12,7%, para R$ 8,3 bilhões.

O cenário continuará desafiador para a Natura? E como isso se reflete nas ações — é hora de vendê-las? Veja abaixo a opinião do presidente do grupo e também de especialistas consultados pelo UOL.

Em nota ao mercado, Roberto Marques, presidente do grupo, disse que o ambiente deve continuar desafiador no segundo trimestre.

"Continuaremos a tomar medidas, incluindo maior contenção de custos e estrita disciplina financeira nos investimentos, a fim de proteger nossa lucratividade e geração de caixa", afirma Marques.

Vale investir em Natura?

"Com uma melhor estrutura após dois aumentos de capital feitos em 2020, digitalização contínua das vendas dos consultores e oportunidades de sinergias com a Avon, mantemos nossa classificação de compra", declara o BTG Pactual.

O Goldman Sachs também é otimista com a companhia. O banco lembra que a Natura deve sediar um Dia do Investidor na próxima segunda-feira (9), em Nova York, e que isso deve acalmar os investidores. O evento costuma ser feito por algumas empresas como um encontro com acionistas para transparência e divulgação de novos projetos.

"Estamos ansiosos para ouvir os comentários da administração sobre os fatores de uma possível recuperação no crescimento da receita", afirma o banco americano. O Goldman Sachs tem previsão de alta para o preço da ação de até R$ 26 em 12 meses.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.