PUBLICIDADE
IPCA
0,67 Jun.2022
Topo

Dá para investir na Bolsa com menos de R$ 5; quais ações valem a pena?

só para assinantes

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

15/07/2022 04h00

Na Bolsa de Valores de São Paulo existem hoje pelo menos 120 ações que estão custando menos de R$ 5, segundo um levantamento feito pela Economatica. Há ainda papéis que custam menos de R$ 1. Mas vale a pena comprar essas ações, só porque o preço é tão baixo? Se sim, quais são as melhores opções?

Veja o que dizem especialistas em investimentos sobre essas ações.

Entre as que custam menos de R$ 5, as dez primeiras da lista são:

  1. PPLA Participations (PPLA11) - R$ 4, 99
  2. Sequoia Log (SEQL3) - R$ 4,91
  3. Pomifrutas (FRTA3) - R$ 4,85
  4. BTG Pacutal (BPAC5) - R$ 4,83
  5. Equatorial Energia Pará (EQPA3) - R$ 4,8
  6. Whirlpool (WHRL4) - R$ 4,78
  7. Alfa Finance (CRIV4) - R$ 4,69
  8. Construtora Even (EVEN3) - R$ 4,69
  9. Oncoclinicas (ONCO3) - R$ 4,66
  10. Cedro Fios e tecidos (CEDO4) - R$ 4,63

Na rabeira desse levantamento, estão ações que custam menos de R$ 1. Aqui estão elas:

  1. PDG Realty Incorporadora (PDGR3) - R$ 0,92
  2. João Fortes Incorporadora (JFEN3) - R$ 0,83
  3. Santanense Fios e tecidos (CTSA4) - R$ 0,77
  4. Viver Incorporadora (VIVR3) - R$ 0,63
  5. Inepar ON (INEP3) - R$ 0,59
  6. Inepar PN (INEP4) - R$ 0,58
  7. Nexpe Intermediações (NEXP3) - R$ 0,53
  8. Oi (OIBR3) - R$ 0,5
  9. B Tech EQI (BLUT3) R$ 0,48
  10. Banco Pan (BPAN12) - R$ 0,34

Os valores seguem a cotação do dia 12 de julho.

É bom comprar só porque está barato? Não é porque a ação está custando pouco que vale o investimento. Na verdade, o preço da ação não faz diferença, dizem especialistas. O que conta é o lucro, o resultado que ela pode entregar no futuro, segundo Bruce Barbosa, sócio-fundador da Nord Research.

Por que essas empresas valem menos? Muitos desses ativos da lista são de empresas que estão passando por dificuldades. Ou que só estão baratas porque o mercado não acha que vale a pena comprar. No meio delas, porém, a maior parte são de boas empresas que estão passando por um período de vacas magras por conta do cenário pelo qual estamos passando: juros elevados e inflação alta.

A construtora Even, por exemplo. "É uma ótima empresa. Mas o setor depende dos juros para crescer e não está sendo uma boa hora para ela. Tem gente que gosta de comprar agora pensando num futuro lá na frente. Mas eu não gosto de comprar e rezar para subir", diz Barbosa.

Lembre-se: vai ter sobe e desce Um dos problemas dessas ações baratinhas é que, como o valor delas é bem baixo, qualquer centavo que elas ganham ou perdem faz parecer que a alta ou baixa é grande. Além disso, a B3 criou em 2015 uma regra específica para elas: o papel não pode passar mais de 30 pregões seguidos abaixo de R$ 1. Se isso acontecer, a companhia deve fazer um agrupamento de pelo menos 10 ações em uma. Mas com a calamidade pública declarada em março de 2020, por conta da pandemia, essa regra foi suspensa temporariamente, enquanto durar esse estado.

Como fazer? É possível comprar apenas uma ação, ou em quantidades maiores, por meio de uma conta de corretora de investimentos ou banco. Para quantidades pequenas, não são cobradas taxas.

O que vale a pena comprar? Olhando bem para lista, porém, é possível descobrir que no meio de ações baratas há opções que valem a pena, segundo analistas. Confira quais:

Klabin (KLBN4) - R$ 4,04

É uma empresa do setor de papel e celulose, que geralmente acompanha a variação do dólar. Empresas exportadoras, como ela, sobem conforme a moeda americana sobe, diz Gustavo Bertotti, economista-chefe da Messem Investimentos. Como historicamente o dólar sobe no Brasil em ano de eleição presidencial, pode ser um bom investimento. Mas Barbosa, da Nord, diz que o risco é alto. Ele prefere empresas que cresçam com as próprias pernas, e não apenas pela variação monetária. O preço alvo é de R$ 32 para os próximos 12 meses, segundo a Mirae Asset, que tem recomendação de compra.

Cielo (CIEL3) - R$ 3,95

A empresa de meios de pagamento foi a que mais se valorizou entre todas as do Ibovespa no primeiro semestre do ano, com 67% de alta. Os papéis chegaram a custar R$ 22,99 em 2018. O setor de meios de pagamento deve crescer aproximadamente 20% em 2022, conforme a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). E a Cielo, que tem cerca de 25% de participação nesse mercado, pode se sair bem, segundo análises de mercado. O BTG, que tem recomendação neutra para o papel, calcula preço alvo para o fim de 2022 de R$ 5.

Pague Menos (PGMN3) - R$ 4,60

Pedro Serra, chefe de pesquisas da Ativa Investimentos, diz que é uma boa empresa. A companhia recentemente comprou a Extrafarma por R$ 700 milhões. A aquisição vai aumentar em mais de um terço o número de lojas da rede de farmácias. Como é uma 'small cap', como são chamadas as ações de empresas em crescimento, ela acaba tendo variações maiores, com maiores altas e baixas. Mas o mercado tem sido exagerado com a Pague Menos, diz ele. O preço alvo da ação, segundo a Ativa, pode passar dos atuais R$ 4,71 para R$ 13,30 em 12 meses.

Oncoclinicas (ONCO3) - R$ 4,66

Recentemente, o banco americano Goldman Sachs publicou que a empresa teve um lucro maior do que o esperado no primeiro trimestre do ano, com lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 141 milhões, um aumento de 28% em relação ao mesmo período do ano passado. O banco tem previsão de que o preço da ação pule para R$ 18 reais em 12 meses, com alta de 268,3%.

Anima educação (ANIM3) - R$ 4,31

O setor de educação está em baixa na Bolsa, mas vem começando a melhorar com a retomada dos cursos presenciais, diz Serra. A inadimplência dos alunos com menos renda é um risco. O BTG tem preço alvo de R$ 9 para o papel.

Grupo Mateus (GMAT3) - R$ 3,75

Com foco no nordeste, a rede de supermercados de atacado e varejo é bem gerida, segundo Serra. Eles têm uma boa estratégia de crescimento, diz, mas tiveram que comprar terrenos e construir lojas, em vez de comprar. E isso gerou gastos, que acabaram levando a ação para baixo. Mas a Ativa aposta numa valorização de até R$ 7,70.

CSN Mineração (CMIN3) - R$ 3,52

"A empresa tem bom fundamentos, boa gestão, apesar de estar perdendo muito esse ano, com uma queda acumulada de 43%", diz Gustavo Bertotti. O que prejudicou foram os "lockdowns" na China no primeiro semestre, em razão do coronavírus. O PagBank avalia que as ações da CSN Mineração podem valorizar 43% em 12 meses. A XP também tem recomendação de compra para a CSN Mineração com preço alvo de R$ 7.

Iguatemi (IGTI3) - R$ 2,48

Depois da quarentena e do fechamento de lojas durante o pico da pandemia, o setor de shoppings centers tem se recuperado bem. Iguatemi, lembra Bertotti, tem a vantagem de ter empreendimentos voltados para classes mais altas, que apanham bem menos da inflação - o que é uma vantagem para o investidor. O banco Safra tem recomendação de compra para suas ações, com preço alvo de R$ 30,50 para 12 meses.

Raizen (RAIZ4) - R$ 4,16

Dona dos postos Shell, a Raízen atua na comercialização e produção de etanol, açúcar, combustíveis e bioenergia. Tem resultados financeiros sólidos e consistentes, segundo a Toro Investimentos. No primeiro trimestre, teve lucro líquido ajustado de R$ 1,2 bilhão, valor que representa mais que o dobro do apresentado no mesmo trimestre do ano anterior. O BTG recomenda compra, com preço alvo de R$ 10.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE
Errata: o texto foi atualizado
A primeira versão desta matéria trazia o sobrenome incorreto do economista-chefe da Messem Investimentos, Gustavo Bertotti. A informação foi alterada e o texto atualizado.