IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

FIIs, ações e renda fixa: o que mais rendeu em 2022 e onde investir em 2023

Quer investir em 2023? Confira alguns pontos que vale a pena ficar de olho este ano - iStock
Quer investir em 2023? Confira alguns pontos que vale a pena ficar de olho este ano Imagem: iStock

Gabriela Bulhões

Colaboração para o UOL, em São Paulo

16/01/2023 04h00

Para começar 2023 com o pé direito e te ajudar a fazer o balanço dos seus investimentos, o UOL separou os produtos financeiros que mais renderam em 2022, entre fundos imobiliários, ações e fundos de renda fixa.

O que mais rendeu?

O levantamento dos investimentos que mais renderam foi feito pela Quantum a pedido do UOL. Especialistas também avaliam quais são as melhores opções para o ano que começa.

Fundos imobiliários:

  1. Kinea II Real Estate Equity FII (KNRE11) - 138,21%
  2. The One FII (ONEF11) - 37,22%
  3. JPP Capital Recebíveis Imobiliários FII (JPPA11) - 32,20%
  4. Hotel Maxinvest FII (HTMX11) - 0,65%
  5. Pátria Edifícios Corporativos FII (PATC11) - 30,33%
  6. Shopping Jardim Sul FII (JRDM11) - 27,57%
  7. Ourinvest JPP FII (OUJP11) - 26,08%
  8. Riza Akin FII (RZAK11) - 23,69%
  9. Continental Square Faria Lima FII (FLMA11) - 23,64%
  10. RB Capital Recebíveis Imobiliários FII (RRCI11) - 22,59%

Foram selecionados apenas FIIs negociados em Bolsa no dia 3 de janeiro, e com dados suficientes para o cálculo do retorno no período.

Como critério de liquidez, foram considerados fundos que tiveram pelo menos 1 (uma) negociação por dia no período (03/01/2022 até 29/12/2022). Foram desconsiderados os Fiagros.

Ações:

  1. Dommo ON (DMMO3) - 269,23%
  2. Cielo ON NM (CIEL3) - 142,09%
  3. Cury S/A ON NM (CURY3) - 94,53%
  4. Mills ON NM (MILS3) - 84,66%
  5. Petrorecsa ON NM (RECV3) - 81,97%
  6. PetroRio ON NM (PRIO3) - 80,02%
  7. BBSeguridade ON NM (BBSE3) - 74,88%
  8. Kepler Weber ON (KEPL3) - 70,76%
  9. Hypermarcas ON NM (HYPE3) - 64,74%
  10. Le Lis Blanc ON NM (LLIS3) - 54,64%

Fundos de renda fixa:

  1. Infinity Tiger Alocação Dinâmica FI Renda Fixa LP - 22,47%
  2. Infinity Lótus FI Renda Fixa LP - 22,15%
  3. Infinity Select FI Renda Fixa LP - 19,02%
  4. BTG Pactual Explorer Ativa FI Renda Fixa LP - 18,27%
  5. NC Exclusive FIC Renda Fixa LP - 17,41%
  6. G5 Allocation HY Direitos Creditórios FI Renda Fixa Crédito Privado - 16,70%
  7. Itaú Optimus FIC Renda Fixa LP - 15,08%
  8. Icatu Vanguarda Credit Plus FIC Renda Fixa Crédito Privado - 14,99%
  9. Itaú Optimus Distribuidores FIC Renda Fixa LP - 14,90%
  10. CA Indosuez Grand Vitesse FI Renda Fixa Crédito Privado - 14,81%

Foram considerados apenas fundos em funcionamento normal na CVM e com dados suficientes para cálculo do retorno no período.

Além disso, foram considerados apenas os fundos com número de cotistas igual ou superior a 100 e não exclusivos, com o público alvo para investidores em geral, profissionais, qualificados e institucionais.

E os outros investimentos?

Oito modalidades de investimentos tiveram rendimento positivo no ano passado, entre 13 das principais aplicações analisadas por um levantamento do TradeMap.

Cinco renderam acima da inflação em 2022. É o caso do índice de fundos multimercados, índice de dividendos, CDI (Certificados de Depósitos Interbancários), Tesouro Direto e poupança. O índice dos fundos imobiliários, Ifix, também foi positivo, mas não ganhou da inflação, assim como o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira.

Por outro lado, investimentos em dólar, ouro, euro, small caps (ações menores da Bolsa), BDRs (Brazilian Depositary Receipts) e em bitcoin tiveram rendimento negativo. Confira aqui qual foi o rendimento desses investimentos e quais ganharam ou perderam da inflação.

    O que isso quer dizer?

    • Para Luís Moran, head da EQI Research, 2022 foi o ano da renda fixa. Esses investimentos aproveitaram o aumento da taxa de juros, sendo a aposta mais vitoriosa ao longo do ano.
    • Por exemplo, os papéis indexados ao CDI e IPCA tiveram os melhores rendimentos.
    • Em renda variável, as ações podem se dividir em empresas que foram vendidas de alguma forma e outras que entraram no ano passado com preços desvalorizados.
    • Além disso, o petróleo foi um setor de destaque que se beneficiou pela alta das commodities que se fez presente ao longo de 2022.
    • Já em relação aos FIIs, o especialista diz que os fundos de papel registraram desempenhos muito bons, por estarem bem posicionados com os recebíveis imobiliários - eles também são influenciados pelos juros altos.
    • Dólar, ouro e poupança ficaram pelo caminho e tiveram retornos modestos.

    E quais as perspectivas para 2023?

    Lucas Serra, analista da Toro Investimentos, citou alguns pontos que vale a pena ficar de olho este ano, começando pelo cenário econômico das potências mundiais:

    • EUA: O Federal Reserve (Fed, o Banco Central norte-americano) vem dando sinais que está desacelerando a alta de juros com um possível recuo da inflação. Mas nada que diminua muito o índice, pois o mercado de trabalho por lá continua bem aquecido, e isso pode gerar uma pressão inflacionária.
    • Europa: Em uma situação mais delicada, o analista diz que os países começaram a lutar contra a inflação depois dos demais mercados, estando atrasados e sem sinais de queda da taxa de juros. Pela zona euro, a inflação foi causada pela crise energética e de alimentos após a guerra da Rússia contra a Ucrânia.
    • China: O país fechou o ano com um crescimento abaixo do esperado e, nessa tentativa de retomar a atividade econômica, pode ser que haja uma flexibilização da política de covid zero. Já 2023 não deve ser um ano de muito crescimento, com a economia chinesa voltando a ganhar um pouco de tração e beneficiando as commodities como petróleo.
    • Brasil: Por aqui, a taxa Selic a 13,75% deve seguir assim ao longo do primeiro semestre e, na metade do ano, começar a cair. O analista diz que manter a inflação perto da meta e controlada é um dos objetivos de 2023, mas, caso o cenário internacional piore, pode ser que o Brasil reaja com a taxa em patamares elevados.

    Em relação ao mercado financeiro e o desempenho dos investimentos, ele afirma:

    • Este ano deve ser marcado por juros elevados, e isso abre ainda mais espaço para investimentos em renda fixa. Em função do movimento da curva, títulos pós-fixados podem ser uma boa alternativa, além de analisar os vencimentos daqui a três anos, como 2026, pensando em títulos prefixados e híbridos atrelados à inflação.
    • Já a renda variável, ainda mais em perfil moderado, requer um pouco mais de estômago pois 2023 tende a ser um ano com mais volatilidade, sendo que uma parcela disso se deve ao novo governo.
    • Também haverá oportunidades de encontrar ações mais baratas, e quem investir pode se beneficiar no longo prazo. Mas, no curto prazo, pensando no primeiro ano de governo Lula, tende a ser um ano com mais oscilações.
    • A dica do analista é buscar empresas sólidas para investir, trazendo mais segurança e alocações mais prudentes. Para ele, 2023 será um ano desafiador, mas não quer dizer que não tenha boas oportunidades.

    Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.