IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Como fica a Bolsa com a crise das Americanas? Devo sair ou ficar?

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

24/01/2023 04h00

Com os juros altos e instabilidade política e econômica, os investidores estão fugindo da Bolsa de Valores. Agora, com o rombo de R$ 20 bilhões das Americanas (AMER3) e sua recuperação judicial com dívidas de R$ 43 bilhões, a fuga deve ser ainda maior, segundo analistas.

O que está acontecendo na Bolsa?

  • Desde o último mês do ano passado, o volume de negociações na B3 vem caindo.
  • A média diária de negociações em dezembro foi 4,45% menor que no mesmo mês de 2021 e 17% menor que em dezembro de 2020.
  • Até 20 de janeiro (ou nos primeiros 15 pregões de 2023), o volume total negociado foi de R$ 310 bilhões, segundo a Economatica, média diária de R$ 20,66 bilhões.
  • Esse total é 11,25% menor que os R$ 23,2 bi da média do mesmo período do ano passado.
  • Em relação ao intervalo correspondente de 2021, quando a média foi de R$ 30,4 bilhões, a queda é de 32,17%.

Qual o impacto do caso das Americanas, que pediram recuperação judicial?

  • As ações das Americanas fecharam, na sexta-feira (20), pela primeira vez abaixo de R$ 1, caindo de R$ 12 (em 11 de janeiro, antes do escândalo) para R$ 0,71,
  • Com isso, muitos pequenos investidores devem ficar assustados e sair do mercado de ações.
  • Em primeiro momento, houve dias em que o volume até aumentou, com os investidores tentando vender a ação da empresa.
  • No dia 19, por exemplo, quando foi decretada a recuperação judicial da varejista, o volume passou de R$ 21,8 bilhões (total do dia anterior) para R$ 28,2 bilhões.
  • Investidores ficam com receio de que essas inconsistências também estejam presentes nos balanços de outras empresas do setor e de outras áreas também, segundo a equipe de Análise da Terra Investimentos, composta por Régis Chinchila e Luis Novaes.
O investidor já estava fugindo do mercado de ações e agora as Americanas levantam um cartaz negativo.
Felipe Leão, especialista da Valor Investimentos

Que outros motivos levaram investidores a deixarem de negociar na Bolsa?

  • A taxa de juros básica da economia, fixada em 13,75% ao ano, deve continuar em dois dígitos ao longo de 2023.
  • A projeção do boletim Focus do Banco Central, que reúne análises de diversos especialistas, é que a Selic chegue a 12,5% até o fim do ano.
  • Isso é o que mais vem afastando os investidores da Bolsa.
  • Com os juros altos, as empresas crescem menos, e consumidor também compra menos, já que é mais caro pegar crédito. E isso acaba diminuindo o passo de toda a economia. A Bolsa acaba refletindo esse ambiente.
  • Outros investimentos atrelados aos juros do Banco Central tornam-se mais atraentes e o investidor migra de um para o outro.
  • Há quem opte até pela caderneta de poupança, que em 2022 teve rendimento de 7,90%.

E o que vai acontecer agora com a Bolsa? Devo sair?

  • A expectativa dos analistas é que o volume caia ainda mais nos próximos dias.
  • Devem ficar no mercado apenas os investidores com menor aversão ao risco.
  • A recomendação geral é diversificar, aplicar em renda fixa e apenas uma parte em variável.
  • Mas é bom ressaltar que ainda restam boas opções no mercado de ações.

As ações estão baratas, então ainda há muita oportunidade.
Filipe Villegas, analista da Genial Investimentos

  • Para ele, os investidores que forem comprar ações agora devem preferir ações como as de construtoras.
  • Mas o investimento deve ser de longo prazo, ou seja, pensando em três, quatro ou até cinco anos.
  • Quem tem mais pressa e quer rendimentos para um período de seis meses a um ano, a aposta são as empresas exportadoras, como as mineradoras, as processadoras e carne e também as petroleiras.
  • Tudo isso por conta da retomada da atividade econômica na China. Os chineses estão voltando a consumir e a retomar a mobilidade: estão viajando mais e consumindo mais combustíveis, o que ajuda no preço do petróleo.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.