IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

ETF que paga dividendos é novidade para iniciantes que querem renda passiva

ETFs são fundos que seguem índices. Agora, há opção que paga dividendo na conta do investidor - SIphotography/Getty Images/iStockphoto
ETFs são fundos que seguem índices. Agora, há opção que paga dividendo na conta do investidor Imagem: SIphotography/Getty Images/iStockphoto

Fernando Barbosa

Colaboração para o UOL, em São Paulo

19/03/2023 04h00

Os ETFs que pagam dividendos são uma novidade para quem quer investir em ações ou em fundos imobiliários e ganhar uma renda passiva, todo mês, na conta. Segundo especialistas, são fundos adequados para iniciantes, que querem começar a aplicar na Bolsa. Já há uma opção disponível.

O que são ETFs?

  • Os ETFs são fundos que seguem índices listados em Bolsa. Eles podem seguir o Ibovespa, o principal índice da Bolsa de Valores brasileira, a Nasdaq ou a Bolsa de Nova York (Nyse). O BOVA11, que segue o Ibovespa, por exemplo, investe em ações que fazem parte desse índice. Eles são negociados na Bolsa por meio de cotas pequenas fatias do ativo.
  • Também existem os ETFs de renda fixa. Eles podem ser compostos por títulos públicos ou privados.

  • O dinheiro é administrado por um gestor especializado. Isso acontece em todos os fundos de investimentos. Mas esse gestor não tem tanta liberdade para escolher os ativos, já que segue um índice.
  • São recomendados para iniciantes. Por seguirem índices já conhecidos, os ETFs são fundos considerados para iniciantes que ainda desejam entender o funcionamento do mercado antes de investir diretamente em ações.
  • Hoje estão disponíveis 92 ETFs na Bolsa brasileira. São 83 ETFs de renda variável e nove ETFs de renda fixa, segundo a B3.

O que muda com os ETFs que pagam dividendos?

  • A nova modalidade de investimento foi lançada pela B3 em janeiro.
  • Dividendos são os lucros das empresas ou distribuídos para os investidores. Essa distribuição pode ser mensal, trimestral, semestral e até mesmo anual. Os FIIs também pagam dividendos mensais. Até agora, não havia ETFS que pagavam dividendos. Eles investem em ações de empresas que pagam esse dinheiro, mas esse valor é reinvestido em mais ações, e não pago aos investidores.
  • Agora, o investidor vai poder receber uma fatia dos lucros, direto na conta.
  • Apenas os novos fundos poderão realizar o pagamento dos proventos. Os ETFs que já existem na Bolsa não vão pagar dividendos.
  • Pagamento do IR é diferente. Para quem investe em ações, os dividendos são isentos de imposto de renda, mas o investidor precisa declarar o que recebeu à Receita. Os dividendos dos ETFs estão sujeitos ao pagamento de 15% do Imposto de Renda.

Existe opção para ganhar com aluguéis globais

  • Já existe uma opção. O primeiro ETF que paga dividendos a solicitar registro na B3 foi o Wise S&P Global Reit, da Wise Capital, sob o código de WISE11. O pedido de registro ocorreu no início de março.
  • O produto vai investir em fundos imobiliários globais. Ele irá replicar o índice o S&P Global REIT. É uma forma de investir em FIIs não só no Brasil mas também no mundo. O índice tem mais de 400 REITs (Real Estate Investment Trust, espécie de fundos imobiliários) de oito segmentos diferentes e 26 países, entre eles Estados Unidos, Japão e Austrália. Da mesma maneira que nos fundos imobiliários, a ideia do WISE é distribuir 95% dos lucros aos investidores.

Compensa aplicar em ETFs que pagam dividendos?

  • Depende do perfil do investidor. É o que diz o analista da casa de análises Top Gain, Rodolfo Consenzzo.
  • Considero uma boa vantagem para a exposição em mercados internacionais sem a necessidade de sair do ecossistema da B3 ou de investir em um ETF que replica outro ETF. O processo será mais dinâmico, e, provavelmente, com uma otimização de taxas aos cotistas.
  • Rodolfo Consenzzo, analista da Top Gain
  • É uma inovação. "Vai permitir aos investidores o acesso a uma ampla gama de novos produtos financeiros que combinam a diversificação e acessibilidade dos fundos de índices com a renda passiva dos dividendos", diz o CEO da Box Asset Management, Fabrício Gonçalvez.

É melhor investir em ETFs ou em ações?

ETFs são boa opção para iniciantes. Para o investidor que não conhece nada de investimentos e busca uma opção passiva de investimentos, o CEO da casa de análises VG Research, Vicente Guimarães, diz que pode ser uma alternativa interessante. Mas ele faz ressalvas.

Para investidores que buscam maiores retornos, o ETF não é a melhor opção. Primeiro, porque o ETF cobra taxa de administração. Segundo, porque se trata de um investimento passivo, em que você não decide em quais ativos investir, delegando o poder de escolha para terceiros.
Vicente Guimarães, CEO da VG Research

"Para quem tem uma expertise mínima, investir em boas ações pagadoras de dividendos será sempre a melhor opção", afirma Consenzzo.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.