Só para assinantesAssine UOL

Superquarta: como as decisões sobre juros afetam seus investimentos

O Brasil e os Estados Unidos decidem hoje qual vai ser a taxa básica de juros do país. A escolha define os rumos da economia e afeta os rendimentos dos seus investimentos. Como as duas reuniões coincidem - e são muito importantes para o mercado - o dia é chamado de "Super Quarta". A expectativa é que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduza a Selic em 0,5 pontos percentuais para 12,25%, como prometeu na última reunião, e que os Estados Unidos mantenham a taxa inalterada ou apresentem uma nova alta.

A redução entre a diferença entre as taxas pode deixar o Brasil menos interessante para investidores. Há uma preferência maior pelos títulos do Tesouro dos EUA, o investimento com o menor risco de crédito do mundo, já que o responsável pelo pagamento é o governo norte-americano. Por isso, gestores internacionais gostam de alocar uma parte do portfólio neles quando o cenário mundial está incerto. Assim, tiram dinheiro de outras aplicações, inclusive a Bolsa brasileira, que acaba caindo.

Veja como as decisões sobre as taxas de juros podem afetar a economia e seu bolso.

Hoje as taxas de juros podem mudar

"Super-Quarta" é um dia importante para todo investidor. O termo foi criado por ser quando as principais autoridades monetárias para o Brasil se reúnem para decidir os rumos que pretendem dar à curva dos juros. Essa coincidência acontece só algumas vezes ao ano: não são todas as reuniões dos Bancos Centrais do Brasil e EUA que acontecem juntas, segundo Eduardo Mira, professor e sócio da Me Poupe!.

Uma das variáveis mais significativas da economia é a taxa básica de juros. Por ser um instrumento de política monetária dos Bancos Centrais, serve para conter a inflação, quando sobe, e incentivar o consumo, quando cai.

Investidores escolhem o que fazer a partir do cenário. A depender do que acontece na "Super Quarta", as pessoas analisam no que vale a pena aplicar: se é hora de investir mais na renda fixa, migrar para a renda variável ou dolarizar mais a carteira, por exemplo.

Alta lá fora, queda aqui dentro

As reuniões podem ter decisões opostas. O Brasil está em trajetória de redução da taxa de juros, mas os Estados Unidos estão em trajetória de alta, pois a inflação continua alta. Além disso, o mercado de trabalho e de consumo estão fortes, o que suportaria um aperto monetário mais forte.

Continua após a publicidade

Especialistas esperam queda da Selic no Brasil. As principais previsões é que a taxa, hoje a 12,75% ao ano, caia para 12,25% ou 12,5% ao ano. Essa é a opinião da maioria dos profissionais do ramo, de acordo com os especialistas ouvidos pelo UOL.

Inflação pode fechar o ano em 4,63%. Já em 2024, a previsão é de 3,90% e, 2025 e 2026, de 3,50%. A estimativa irá se concretizar, a menos que os eventos internacionais tragam mais instabilidade, diz Ricardo Rodil, economista e líder do Mercado de Capitais do Grupo Crowe Macro, oitava rede mundial nas áreas de auditoria e consultoria.

Taxa de juros nos EUA está na faixa de 5,25% a 5,50% ao ano - e pode se manter nessa média. O Fed, banco central dos EUA, também podem levar os juros ao intervalo de 5,50% e 5,75% ainda neste ano. A expectativa é que caia para 5,1% até o final de 2024 e 3,9% até o fim de 2025, dizem os especialistas.

Alta na taxa de juros nos EUA reduz a expectativa de aceleração da queda da nossa taxa, pois se a nossa cai e a taxa americana sobe, a diferença entre as taxas cai e o prêmio de risco vai ficando desinteressante.
Eduardo Mira, professor e sócio da Me Poupe!

O que está acontecendo no mundo

Na pandemia, EUA e Europa aumentaram as taxas de juros. Diferente das últimas décadas, em que a inflação anual variava entre 2% e 3%, a população passou a se deparar com índices perto de 10%. O momento levou as autoridades monetárias a um "aperto" nas taxas de juros que ainda não acabou, diz Rodil.

Continua após a publicidade

Grau de incerteza cresceu depois das guerras. A invasão da Ucrânia pela Rússia e a guerra entre Israel e Hamas afetam o fornecimento de alguns mantimentos para outros países e do preço das commodities.

Inflação nos EUA já está cedendo. Mas não quer dizer que o Fed não possa aumentar levemente as taxas, mesmo prevalecendo que haja uma queda no futuro.

Na Europa, a inflação anual fechou em 4,3% em setembro. Ainda considerada alta para os padrões europeus, começa a dar sinais de baixa. A expectativa é que a curva de juros acompanhe e não desestimule os investimentos.

Bolsa de Valores vai reagir às decisões

Movimento de corte dos juros foi prometido pelo Copom desde as últimas reuniões. Por isso, o que mexe com a Bolsa agora não é mais o corte da Selic, já esperado, mas sim a alta dos juros futuros nos EUA. Além disso, o andamento da Reforma Tributária no Congresso também afeta gastos do governo e as expectativas sobre o equilíbrio fiscal, diz Mira.

Oscilações vão acontecer, então foque no médio e longo prazo. As empresas sólidas e em setores que dificilmente passam por crises seguem sendo rentáveis. É o caso de empresas nos setores de saneamento e energia, por exemplo.

Continua após a publicidade

Selic mais baixa atrai os investidores para a Bolsa. Caso a taxa de juros caia mais, a tendência é que as pessoas migrem para investimentos que ofereçam algum tipo de rendimento real, mesmo implicando um grau maior de risco, diz o líder do Mercado de Capitais do Grupo Crowe. É o caso de investimentos em Bolsa, como ações e FIIs, ou fundos multimercado.

As tendências de médio e longo prazo dizem muito a respeito da correlação das cotações e oscilações da Bolsa em relação à realidade política e econômica de cada país.
Ricardo Rodil, economista e líder do Mercado de Capitais do Grupo Crowe

No mundo, há fuga para os investimentos seguros

Renda fixa é menos arriscada. Quem não quer se arriscar, opta por investimentos que não sofram com a volatilidade e sigam dando um retorno mais garantido até em momentos de crise. Mas ativos atrelados ao IPCA e Selic vão render menos ao longo do tempo.

Se quiser se proteger, ainda é a melhor opção. Por mais que a estimativa da "Super Quarta" seja mais positiva para a renda variável, os confrontos no Oriente Médio e recuperação da pandemia não sumiram por completo. Assim, a depender do perfil do investidor, pode valer seguir em investimentos mais seguros.

A redução da Selic reduz imediatamente o retorno de todos os investimentos indexados ao CDI, como fundos de renda fixa, CDBs pós-fixados e Tesouro Selic.
Eduardo Mira, professor e sócio da Me Poupe!

Continua após a publicidade

Quer saber como economizar e investir, além do que está acontecendo na economia? Conheça e siga o novo canal do UOL "Economize e Invista" no WhatsApp.

Aulão: De endividado a investidor: como sair das dívidas e ter mais dinheiro

Dívidas são um dos principais obstáculos para quem quer organizar sua vida financeira. Pensando nisso, o UOL preparou um aulão para quem quer se livrar das dívidas para sempre e ter mais dinheiro para investir e realizar seus sonhos.

Qual a melhor estratégia para se livrar das dívidas? Dá para começar a investir mesmo endividado? E qual é o melhor investimento para iniciantes? Todas essas perguntas serão respondidas em uma série de três lives.

A primeira live traz o passo a passo para se livrar das dívidas. A segunda live mostra onde e como começar a investir mesmo estando endividado, e a terceira fala sobre como investir para realizar seus sonhos, após sair das dívidas.

Assista ao aulão no Papo com Especialista, programa ao vivo do UOL, todas as quintas-feiras, das 16h às 16h40. Assine aqui e participe!

Continua após a publicidade

A última série do Papo com Especialista foi sobre Como investir para se aposentar sem depender do INSS. Para saber mais, acesse este link .

Quer investir melhor? Receba dicas no seu email

Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido? O UOL tem uma newsletter diária gratuita que o ajuda nesse objetivo. Assine o Por Dentro da Bolsa aqui. Você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pela equipe do PagBank Investimentos para aprender a investir melhor.

Você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor o seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita de investimentos do UOL, é só clicar aqui. UOL Investimentos ainda tem diversos conteúdos diários que te ajudam a lidar melhor com seu dinheiro.

Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora