PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Banco do Brasil diz que não houve pedido de renúncia do seu presidente

André Brandão, presidente do Banco do Brasil, tem sofrido desgaste por críticas de Bolsonaro - Beto Barata/Folhapress
André Brandão, presidente do Banco do Brasil, tem sofrido desgaste por críticas de Bolsonaro Imagem: Beto Barata/Folhapress

Do UOL, em São Paulo*

26/02/2021 19h38

O Banco do Brasil se manifestou hoje após os rumores sobre a saída do presidente da instituição, André Brandão, que provocaram queda de mais de 3% nas ações do banco estatal durante a tarde. Em comunicado assinado pelo vice-presidente de Gestão Financeira e de Relações com Investidores, Carlos José da Costa André, foi negado um possível pedido de renúncia.

Na nota divulgada seguindo normas da CVM (Comissão de Valores Imobiliários), o Banco do Brasil afirma que "não tem conhecimento das fontes das notícias veiculadas".

"Fatos adicionais, julgados relevantes, serão prontamente divulgados ao mercado", conclui o breve comunicado.

A possibilidade da saída de Brandão ganhou força nos últimos dias, após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ter afirmado no sábado (20) que faria mais mudanças em estatais. Um dia antes, Bolsonaro havia anunciado a indicação do general Joaquim Silva e Luna para substituir Roberto Castello Branco no comando da Petrobras.

Há cinco meses no cargo, Brandão tem sinalizado a pessoas próximas que quer deixar a presidência do Branco do Brasil. O motivo é o desgaste sofrido por frequentes declarações de Bolsonaro que ameaçam a sua permanência no cargo.

A crise começou ainda no começo do ano, com o anúncio de uma reestruturação na instituição bancária, que inclui medidas como o fechamento de 112 agências e o desligamento de 5 mil funcionários, por meio de programas de demissão voluntária.

Bolsonaro reclamou que não teve conhecimento prévio sobre as medidas, e desde então vem colocando em xeque a permanência de Brandão.

Na última segunda-feira (22), as ações da estatal despencaram, com o banco chegando a perder mais de R$ 10 bilhões em valor de mercado.

*Com informações do Estadão Conteúdo