PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Brasileiro confia mais na imprensa que média mundial, diz relatório

Brasil é o quarto país que a população mais acredita na imprensa do mundo. - Getty Images
Brasil é o quarto país que a população mais acredita na imprensa do mundo. Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

24/06/2022 16h48

O Relatório sobre Notícias Digitais de 2022, elaborado pelo Reuters Institut, apontou que a confiança da população brasileira na imprensa é maior do que a média mundial (42%) e marcou 48%. Somente 3 países - Alemanha, Portugal e Finlândia, em ordem crescente - têm média superior a do Brasil.

Foram entrevistadas pessoas de 46 países de forma remota entre janeiro e fevereiro deste ano. Apesar de figurar nas primeiras posições do ranking, o país viu sua porcentagem diminuir 6 pontos com relação à última pesquisa. Durante 2020, com o início da pandemia, a confiança global nas empresas jornalísticas cresceu, porém, como apontado, a tendência não se manteve de forma geral.

Entre 2017 e 2022, o interesse por notícias no mundo caiu de 63% para 51%. Por aqui, entre 2015 e 2022, a queda foi de 82% para 57%.

O total de assinantes de meios jornalísticos é um ponto percentual maior que a média global de 17%, mas 40% dos entrevistados assinaram algum veículo de notícias, sendo o segundo país do mundo neste aspecto, atrás somente de Portugal. Na América Latina, a desinformação circulou com mais força do que em qualquer outra região do mundo. Sendo que as falsas notícias se tratavam principalmente sobre a Covid-19 e política em geral.

Entre os jovens o principal desafio, segundo o relatório, é fazer com que eles se informem por meio de sites de jornalismo e não pelas redes sociais. O TikTok e o Telegram, junto do Whatsapp, são as redes pelos quais os jovens mais consomem notícias. De maneira geral, 64% das pessoas usam as redes sociais como fonte de informação, sendo o Facebook e o YouTube as redes com mais acessos para este fim, quando considerado todos os públicos.

Apesar do avanço do digital, a TV ainda foi o meio mais influente no Brasil. Quando se trata de veículos de imprensa, boa parte dele já é ou está se adaptando ao modo on-line também, sendo que a estimativa é de que 67% da circulação de notícias dos dez principais jornais brasileiros foi digital no final do ano passado.

O relatório da Reuters, ao falar especificamente do país, cita que a concentração midiática ainda é muito grande e elenca o presidente Jair Bolsonaro como outro fator preocupante. Isso porque, em um contexto da chamada "fadiga informativa" - também chamada de infoxicação, a depender do contexto - Bolsonaro ataca diariamente a imprensa e o trabalho dos jornalistas e coloca em descrédito o que é veiculado nos principais portais do país. Por se tratar de ano eleitoral, com cenário polarizado, a pesquisa demonstra que a circulação de desinformação pode aumentar.