IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Todos a Bordo


2.000 pessoas fazem a montagem de um Embraer E190-E2; veja passo a passo

E190-E2 - Divulgação
E190-E2 Imagem: Divulgação

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

10/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • E190-E2 é primeiro modelo da nova geração de jatos comerciais da Embraer
  • Primeira etapa de fabricação é montagem da fuselagem e pintura
  • Na 2ª etapa, são instalados sistemas de controle de voo, janelas, estabilizadores, asas, trem de pouso e radar meteorológico
  • Na 3ª etapa, são instaladas portas, sistemas de pressurização da cabine e os dois motores
  • Em seguida, há últimos ajustes na parte externa e finalização da parte interna
  • Por fim, são feitos testes em solo e em voo

A fabricação de um avião comercial como o Embraer E190-E2 é um procedimento complexo, que envolve cerca de 2.000 pessoas nas diversas etapas de produção. Trabalhando em diferentes turnos, todas as tarefas de cada funcionário são registradas em um sistema de digital. Cada passo precisa ser feito em uma ordem correta, e o registro garante que todos foram cumpridos.

O E190-E2 foi o primeiro modelo da nova geração de jatos comerciais da Embraer. O avião recebeu a certificação da Anac (Agência Nacional de Aviação de Civil) em fevereiro do ano passado. A primeira unidade foi entregue à companhia aérea norueguesa Widerøe em abril daquele ano. Até o final de setembro deste ano, sete aviões do modelo já haviam sido entregues a companhias aéreas.

A partir do ano que vem, a divisão de aviação comercial da Embraer passará para o controle da norte-americana Boeing. É possível que os modelos ganhem um novo nome, algo que ainda não foi confirmado pela empresa. A produção, no entanto, continuará sendo feita na fábrica de São José dos Campos, no interior de São Paulo.

1ª etapa: montagem da fuselagem

Com 36 metros de comprimento e capacidade para 114 passageiros, a fuselagem do E190-E2 é dividida em cinco partes. Parte das peças, como a fuselagem dianteira e as carenagens, é fabricada pela própria Embraer. Outras são produzidas por empresas parceiras, inclusive em outros países.

A primeira etapa de fabricação é a montagem da fuselagem do avião. Os segmentos são alinhados por um sistema automatizado, com cintas e prendedores. A fuselagem é feita, na maior parte, de alumínio e aço inoxidável. Antes de receber pintura, tem uma cor esverdeada por causa da aplicação de um produto anticorrosivo.

Com fuselagem pronta, o avião recebe a pintura nas cores da companhia aérea para a qual vai voar.

2ª etapa: 60 km de fios elétricos, janelas e asas

Com o avião pintado, começa a segunda etapa de produção. Nesta fase, são instalados os sistemas de controle de voo, janelas, estabilizadores horizontal e vertical, asas, trem de pouso e radar meteorológico no nariz do avião.

Para ligar todos os sistemas, um E190-E2 tem cerca de 60 quilômetros de fios elétricos. Para a fixação das asas no avião, em cada lado há quase 200 tipos de prendedores, de diferentes diâmetros.

3ª etapa: teste nos tanques e instalação dos motores

Na terceira etapa, são feitos testes nos tanques de combustível presentes nas asas, além da instalação de portas e dos sistemas de pressurização da cabine. O ponto mais importante é a instalação dos dois motores, que ficam sob as asas do avião.

4ª e 5ª etapa: ajustes e parte interna

Nas fases quatro e cinco, o E190-E2 ganha os últimos ajustes na parte externa, e é feita a finalização da parte interna do avião, que pode ser configurada de acordo com o pedido do cliente.

O E190-E2 pode ter a capacidade máxima de 114 assentos em classe única ou 97 lugares, se estiver dividido em duas classes de cabine.

Testes em solo e em voo

As últimas três etapas de produção são os testes para verificar se tudo funciona corretamente. Primeiro, eles são feitos com o avião parado no chão. Os técnicos abrem e fecham todos os compartimentos, como portas da cabine e do porão de carga. O avião é iluminado por dentro e por fora e são feitos os testes dos controles de voo e dos demais sistemas.

Antes de o avião decolar pela primeira vez, é feita a calibragem dos instrumentos de voo, a verificação do trem de pouso e o teste de pressurização da cabine. Os motores são ligados pela primeira vez.

Com tudo em ordem, piloto, copiloto e engenheiros de voo embarcam para o primeiro voo do novo avião. Eles verificam diversos requisitos de segurança e o desempenho do avião, e testam a aeronave em situações críticas.

Quando o avião está liberado, pilotos da companhia aérea compradora também fazem voos de teste, antes de fazer o pagamento e receber oficialmente o avião.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Como é o teste de um avião novo, que inclui até queda de barriga

UOL Notícias

Todos a Bordo