PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Por que um avião teve de voltar ao aeroporto após passageiro fumar a bordo?

Sinal de "proibido fumar" deve permanecer aceso durante voos no Brasil - Divulgação/Taku
Sinal de 'proibido fumar' deve permanecer aceso durante voos no Brasil Imagem: Divulgação/Taku

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

01/12/2021 04h00

Um voo que partiu de Guarulhos (SP) com destino a Porto Seguro (BA) teve de retornar ao aeroporto de origem pouco após a decolagem devido a uma pessoa que começou a fumar a bordo. O passageiro indisciplinado gerou transtornos e teve de desembarcar do voo.

Embora fumar durante o voo possa colocar em risco a segurança, não foi apenas devido a essa questão que a restrição surgiu. Ainda é permitido fumar a bordo de aviões em poucos países, mas esse hábito está proibido na maioria dos lugares do mundo há mais de duas décadas.

Incêndio

Um dos principais riscos de fumar a bordo é a possibilidade de incêndio. Uma bituca de cigarro descartada no lixo do banheiro, por exemplo, pode dar início a um fogo descontrolado.

Até hoje aviões contam com cinzeiros ou dispositivos para apagar cigarros. Os cinzeiros são encontrados principalmente em aeronaves mais antigas, fabricadas antes da proibição de fumar a bordo.

Mesmo nos aviões mais modernos, é possível encontrar uma espécie de cinzeiro, que é um dispositivo utilizado para eliminar as bitucas que possam ter sido acesas sem autorização.

A presença desses cinzeiros, mesmo com a proibição, é importante, já que os passageiros poderiam descartar inadequadamente as bitucas.

Comissários também são treinados para situações de incêndio a bordo, especificamente, em condições quando o fogo é iniciado no lixo do banheiro.

Em todas as aeronaves comerciais de grande porte no Brasil é obrigatória a presença de avisos luminosos de não fumar, que devem estar acesos durante todas as fases do voo.

As companhias também devem orientar os passageiros para não fumarem nos banheiros e que é proibido tentar atrapalhar o funcionamento dos detectores de fumaça instalados a bordo das aeronaves.

Cigarros eletrônicos também são vetados a bordo. Além de serem proibidos no Brasil, estudos apontam que baterias podem oferecer um risco maior de incêndio do que de outros dispositivos.

O Código Penal brasileiro prevê uma pena de reclusão de dois a cinco anos para quem exponha uma aeronave a perigo, como o caso de incêndio nessas situações.

Movimento contra o fumo

Cigarro - Airline Rating - Airline Rating
Antigamente, era permitido fumar a bordo de aviões
Imagem: Airline Rating

No passado, fumar era algo comum e liberado dentro das aeronaves, com algumas companhias até oferecendo cigarros aos passageiros.

Entretanto, a proibição dentro dos aviões surgiu como um reflexo de um movimento que já ocorria na sociedade, e não apenas devido à segurança.

Durante as décadas de 1970 e 1980, diversos movimentos de saúde pública passaram a discutir os efeitos prejudiciais do fumo à saúde, levando a uma onda de proibição do seu consumo em locais públicos.

A partir disso, a restrição dentro de aeronaves foi ganhando forma, até que, por volta do início dos anos 2000, praticamente todas as companhias aéreas do mundo já proibiam os passageiros de fumar a bordo.

Essa restrição, entretanto, não se aplicou inicialmente aos pilotos. Havia um receio de que pudessem sofrer mais com o impacto da proibição ou que o avião ficasse muito tempo sendo pilotado por apenas uma pessoa caso precisassem sair da cabine para fumar.

Problemas para o avião

O cigarro sempre é uma questão de risco para o avião, embora seja relativamente baixo. Os aviões possuem materiais antichama para diminuir o perigo.

As válvulas responsáveis por pressurizar a aeronave costumavam ficar sujas com a nicotina e o alcatrão. Isso fazia a manutenção demorar mais, já que era preciso mais tempo para limpar as peças, além de ter de efetuar a troca de materiais com mais frequência.

Em alguns aviões de pequeno porte, os instrumentos utilizam um sistema a vácuo para funcionar. Fumar a bordo pode contaminar o ar utilizado nesses mecanismos, causando a apresentação de informações erradas.

Fontes: Rogério Pinto Ribeiro, professor aposentado do curso de engenharia aeroespacial da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e professor do portal de engenharia aeronáutica, e FAA (Administração Federal de Aviação, na sigla em inglês), órgão regulador do setor nos Estados Unidos.

PUBLICIDADE