PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Descomplique

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Caro ou barato? Esse segredo vai te deixar rico um dia

Getty Images/iStockphoto/Zephyr18
Imagem: Getty Images/iStockphoto/Zephyr18
Conteúdo exclusivo para assinantes
Júlia Mendonça

Júlia Mendonça é formada em comércio exterior pela Universidade Positivo. Atuou como planejadora financeira entre 2015 e 2018. Especialista em orientação e planejamento financeiro pessoal, é coach e consultora de finanças, pós-graduada em investimentos, finanças e banking. É influenciadora digital no nicho de finanças e investimentos em um dos maiores canais do assunto na área do Brasil.

22/11/2021 04h00

Nossa percepção de caro ou barato muda muito, dependendo dos nossos objetivos e das nossas metas. Com R$ 50 no mês você consegue pagar uma pizza ou fazer seu primeiro investimento. Com R$ 5.000, você compra um celular de última geração ou é capaz de pagar por um curso que pode gerar uma promoção no seu emprego.

Muitas vezes, é difícil perceber o quanto deixamos de lado essas oportunidades de crescimento, simplesmente por acreditarmos que são caras ou que não vão trazer uma recompensa imediata para a nossa vida.

Mas poucas pessoas percebem que aqueles que alcançam o sucesso financeiro e profissional conseguem distinguir bem uma oportunidade de crescimento de um gasto fútil, que pouco trará retorno em longo prazo. No mundo das finanças temos nomes para isso: ativos e passivos.

Entendendo a diferença

Ativos são produtos ou bens que geram mais dinheiro para você. Uma ação ou um investimento de renda fixa pode ser considerado um ativo. Passivos são os gastos que você tem durante os meses.

Algumas coisas são um enorme passivo em nossa vida, porém é muito difícil viver sem eles. Um carro é um passivo, já que ao usá-lo terá despesas com combustível, manutenção, estacionamento. A mesma coisa ocorre com sua moradia, mesmo que seja uma casa própria. É preciso gastar com manutenção, condomínio, IPTU para poder manter esse bem.

Mudanças são necessárias

Grande parte da população acumula muitos passivos, por exemplo financiamento de carro, dívidas diversas, gastos elevados no dia a dia e pouco ou nenhum ativo. Por isso, infelizmente passam a vida inteira dependendo de empréstimos e precisam diminuir o padrão de vida durante a aposentadoria para poder pagar as contas.

A partir do momento em que você começa a diminuir os passivos e passa a acumular ativos, sua vida financeira muda. Seus investimentos passam a gerar renda mensal, você não depende exclusivamente do seu salário para pagar suas contas e consegue passar por imprevistos da vida de forma muito mais tranquila.

Nem sempre é fácil

Fazer essa transição entre uma vida cheia de passivos para uma em que você acumula ativos tem tudo a ver com o que afirmei no primeiro parágrafo deste texto. Todos os dias podemos tomar decisões que nos levam a gastar com produtos ou bens que podem gerar mais dinheiro, ou dívidas.

Escolher entre um e outro nem sempre é fácil e normalmente escolhemos os passivos, já que eles nos geram prazer imediato e não exigem comprometimento da nossa parte. Ativos demoram a produzir resultados, você pode passar anos investindo neles com pouco ou nenhum retorno. Porém, ao longo dos anos eles se acumulam e são capazes de gerar mais dinheiro a ponto de você conseguir comprar outros ativos com essa grana.

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL