IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Cotações


Por que analistas recomendam comprar ações da Vale após Brumadinho? Entenda

Afonso Ferreira e Juliana Kirihata

Do UOL, em São Paulo

31/01/2019 18h10

Uma semana após o rompimento de uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho (MG), analistas do BTG Pactual, do Itaú BBA e da XP Investimentos enviaram a seus clientes relatórios recomendando a compra de ações da empresa. Já a equipe do banco suíço UBS manteve a neutralidade, recomendando esperar antes de comprar ou vender os papéis. 

As ações da empresa (VALE3) caíram mais de 20% na segunda-feira, na primeira sessão após o desastre, mas a instabilidade diminuiu nos dias seguintes. 

As análises foram feitas após a mineradora anunciar, na terça-feira, um plano de ação que inclui gastos de R$ 5 bilhões e corte de 10% na previsão da produção anual de ferro devido à desativação de barragens semelhantes a que se rompeu em Brumadinho.

Gastos menores que os previstos

Em relatório enviado na quarta-feira (30), o BTG Pactual afirmou que o cenário para a Vale é melhor do que o previsto anteriormente, visto que a mineradora divulgou uma estimativa de gastos menor do que a projetada pelos analistas. Além disso, o documento destacou que a redução na produção é temporária, e não estrutural.

"Ainda há vários riscos no horizonte, mas nós esperamos que as ações recuperem parte das perdas nos próximos dias", disseram os analistas do BTG.

A equipe do Itaú BBA afirmou que a perda de produção com o fechamento das barragens pode ser compensada, em parte, com o aumento da extração de minério de ferro em outras regiões. "Na nossa visão, o anúncio trouxe algum conforto para os investidores que temiam um cenário mais negativo relacionado ao acidente na barragem de Brumadinho."

Minério de ferro mais caro

Para a equipe da XP, as medidas anunciadas pela Vale ajudam a minimizar as preocupações em relação ao impacto da tragédia na produção de curto e médio prazo. Segundo relatório enviado na quarta-feira, a redução na oferta de minério de ferro deve levar ao aumento dos preços da matéria-prima no mercado internacional, o que é bom para a Vale. 

No entanto, a XP alerta para o risco de novos processos judiciais por causa das mortes e dos danos ambientais. Novas multas poderiam reduzir a estimativa de preços para as ações da mineradora.

UBS recomenda esperar

Os analistas do UBS adotaram uma postura diferente em relação aos papéis da Vale e mantiveram uma recomendação neutra. Ou seja, quem tem ações deve mantê-las e quem não tem deve esperar antes de comprá-las, segundo o relatório.

"Nossa leitura é que os volumes de fornecimento da Vale devem permanecer praticamente inalterados, mas a qualidade e os custos podem mudar devido ao 'mix' [mistura] de produtos (mais finos, menos pelotas)", escreveram os analistas, destacando que a mineradora tem condições de manter os níveis de produção projetados para este ano.

Queda foi reação exagerada, diz analista

A queda de 24,5% nas ações da Vale na primeira sessão após a tragédia refletiu um pessimismo exagerado do mercado, segundo o economista-chefe da DMI Group, Daniel Xavier. "O excesso de pessimismo e a falta de informações e medidas claras implicou, de imediato, em maior volatilidade e trouxe também os preços demasiadamente para baixo", afirmou.

As recomendações de compra por parte de analistas, disse Xavier, têm se baseado, principalmente, nas leituras favoráveis das medidas implementadas pela empresa após o acidente e na expectativa de alta de preço do minério de ferro no mercado internacional.

"Em especial, a desativação de barragens com estrutura semelhante à de Brumadinho deve diminuir a chance de novas ocorrências, colaborando também para reconstruir a credibilidade da empresa", declarou.

Presidente da Vale anuncia desativação de barragens

Band Notí­cias

Mais Cotações