IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Cotações


Com inflação, dólar só bate recorde de 2002 se fechar acima de R$ 10,79

Téo Takar

Do UOL, em São Paulo

29/08/2019 15h59Atualizada em 29/08/2019 15h59

O dólar comercial disparou nas últimas semanas, é vendido acima de R$ 4,15 e já acumula valorização de quase 9% em agosto. Com o avanço, a moeda se aproxima do maior valor histórico de fechamento, de R$ 4,196, registrado em 13 de setembro do ano passado, após o primeiro turno das eleições presidenciais.

Mas esse recorde é apenas nominal, ou seja, não considera a correção pela inflação. Para bater o recorde real, o dólar hoje precisaria passar de R$ 10,79, de acordo com cálculos da empresa de informações financeiras Economatica. Esse valor corresponde à cotação de R$ 3,954, atingida em 22 de outubro de 2002, corrigida pela inflação acumulada no Brasil e nos Estados Unidos desde então.

A correção é necessária porque, devido à inflação, o poder de compra de R$ 3,954 em 2002 era muito maior do que hoje.

Primeira eleição de Lula

O recorde do dólar foi atingido entre o primeiro e o segundo turnos do pleito que elegeu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em 2002, o discurso de Lula gerou pânico entre os investidores, que temiam as medidas políticas e econômicas que o primeiro candidato de esquerda a chegar à Presidência da República poderia tomar. A preferência do mercado financeiro era pela eleição de José Serra (PSDB), candidato de centro, que pertencia ao mesmo partido do então presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC).

Diante da disparada do dólar e da queda da Bolsa na época, Lula se viu obrigado a amenizar o tom do discurso e decidiu redigir a Carta aos Brasileiros para acalmar os mercados. No documento, divulgado em junho de 2002, Lula prometia que, se fosse eleito, não adotaria medidas drásticas na economia, além de respeitar os contratos e obrigações do país.

Fatores externos

O contexto da recente disparada é bem diferente, e está mais ligado ao cenário externo do que a fatores locais.

"A alta do dólar nas últimas semanas está relacionada às incertezas políticas e econômicas no Brasil e no exterior", disse José Marques da Costa, presidente da Câmbio Store. Ele citou a moratória da dívida da Argentina, o risco de uma recessão global e a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China como os principais fatores externos que estão provocando a valorização da moeda norte-americana no mundo todo.

"Ninguém sabe o que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ainda pode fazer. Na dúvida, os grandes investidores preferem sair de mercados emergentes, como o Brasil, que são considerados mais arriscados", disse.

No cenário local, a principal fonte de preocupação é a reforma da Previdência, que já foi aprovada pela Câmara e agora tramita no Senado. "Há muita especulação. Qualquer incerteza já serve de justificativa para se comprar dólar", afirmou Costa.

Assim, por um lado, investidores retiram dólares do país, e por outro, aumenta a procura pela moeda, o que faz com que o seu preço suba.

Só peso argentino caiu mais que o real

Outras moedas de países emergentes também estão se desvalorizando, mas o ritmo por aqui está mais acelerado. No mundo todo, apenas o peso argentino se desvalorizou mais que o real, considerando a variação acumulada tanto em agosto quanto em 2019.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para turistas, o valor sempre é maior.

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias

Cotações