PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Cotações

Dólar cai pelo 2º dia, a R$ 5,417, menor valor em 2 meses; Bolsa sobe

Com o desempenho de hoje, o dólar agora acumula queda de 2,86% nos primeiros dias de 2022 - Getty Images/iStockphoto
Com o desempenho de hoje, o dólar agora acumula queda de 2,86% nos primeiros dias de 2022 Imagem: Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo

20/01/2022 17h21Atualizada em 20/01/2022 18h19

O dólar chegou hoje a sua segunda queda seguida, esta de 0,9%, e fechou a quinta-feira (20) vendido a R$ 5,417, em meio ao alívio de investidores quanto às questões político-fiscais no Brasil. É o menor valor atingido em mais de dois meses, desde 11 de novembro de 2021, quando a moeda americana encerrou o dia a R$ 5,404.

Já o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira (B3), subiu 1,01% e chegou aos 109.101,99 pontos, emendando sua terceira sessão consecutiva de ganhos. O patamar é o maior alcançado desde 20 de outubro (110.786,43 pontos).

O desempenho de hoje amplia as perdas do dólar no ano, com a moeda agora acumulando queda de 2,86% nos primeiros dias de 2022. O Ibovespa, por sua vez, registra alta de 4,08% em janeiro, após despencar quase 12% em 2021.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Respiro

Parte dos mercados atribuiu a onda de vendas de dólares no mercado brasileiro a falas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Líder nas pesquisas de intenção de voto para a eleição de outubro, Lula fez acenos a partidos mais à direita, dizendo que não veria problema em formar chapa com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, ex-PSDB.

Além disso, houve certo alívio nos temores fiscais, após o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro (PL) reduzirem as perspectivas de reajustes salariais para servidores públicos, que têm se mobilizado nas últimas semanas.

Mais cedo, em entrevista à Rádio Jovem Pan, Bolsonaro disse que não há espaço no Orçamento de 2022 para que todas as categorias de servidores públicos tenham reajuste. O texto aprovado no Congresso prevê gastos de R$ 1,7 bilhão para esse fim. A intenção do governo era aplicar o dinheiro para conceder reajustes só a policiais federais e a servidores do Depen (Departamento Penitenciário Nacional).

A intenção inicial foi essa, não vou negar, reservar algum reajuste aos policiais federais, aos policiais rodoviários federais e ao pessoal do Depen. Isso está suspenso. Estamos aguardando o desenlace das ações. A gente pode fazer justiça com três categorias. Não vai fazer justiça com as demais, sei disso. Fica aquela velha pergunta a todos: vamos salvar três categorias ou vai todo mundo sofrer no corrente ano?
Jair Bolsonaro, à Jovem Pan

(Com Reuters)

Cotações