ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Empreendedorismo

Publicitário que sonhava ser surfista cria roupas para esportes aquáticos

Claudia Varella

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/01/2018 04h00

Depois de tentar o surfe e praticar stand up paddle, o publicitário e professor de e-commerce Renato Chaves Vitor, 34, resolveu tocar uma carreira paralela. Continua com suas atividades profissionais, mas também abriu uma marca de roupas e acessórios para remadores: a Paddles Clothing & Co, de São Paulo.

“Indo para os campeonatos, notei que todos nós, remadores, usávamos roupas de marcas de surfe, pois não existia uma marca criada para remadores e pelos apaixonados por esportes de remo”, declara.

Leia também:

Entre as categorias que a empresa atende, estão os praticantes de stand up paddle (remar em pé em cima de uma prancha), va’a (remar em canoa havaiana ou canoa polinésia), surfski (remar em caiaque de cockpit aberto) e canoagem.

Para ele, os esportes de remo são “democráticos e acessíveis”, com remadores de faixas etárias e gêneros diferentes.

Existem remadores de oito anos a 70 anos. Homens e mulheres. Fora isso queremos atingir até quem não rema, mas busca uma marca como lifestyle (estilo de vida). Da mesma maneira que usamos roupas de marcas de surf sem surfar, as pessoas podem usar a Paddles sem remar.

Renato Chaves Vitor, dono da empresa

O investimento inicial foi de R$ 20 mil. No ano passado, a empresa faturou R$ 85 mil. O lucro não foi divulgado. A projeção de faturamento para este ano é de R$ 240 mil, diz Vitor. Segundo ele, 30% de sua renda vem do negócio, e o restante do seu trabalho como publicitário e instrutor.

Empresário tinha sonho de ser surfista

Vitor diz que sempre foi um “apaixonado pelo mar”. “Desde criança, íamos para a praia, e eu sempre quis surfar. Mas, para pegar onda, é preciso passar mais tempo no mar, então sempre foi um sonho”, relata.

Em 2012, Vitor remou pela primeira vez o “sup” (iniciais de stand up paddle), em Ilhabela, no litoral norte de São Paulo. Desde então, é o esporte que ele mais pratica.

Hoje, Renato tem dois tipos de prancha de stand up paddle: a sup wave (para pegar onda) e a sup race (para participar de competições de travessias de longas distâncias). Surfar mesmo, só de recreação, diz ele.

“Remei e me apaixonei. A partir daí comecei a conhecer os grandes remadores do país e participar dos principais campeonatos”, diz.

Por trabalhar com marketing digital há mais de dez anos e ser instrutor de SEO (Search Engine Optimization), especializado em otimizar mecanismos de busca, Vitor diz ter visto a oportunidade de criar um portal de notícias sobre os esportes de remo no país. Criou o Mundo Sup em janeiro de 2013.

“Aplicando algumas estratégias de marketing digital, atingi mais de 30 mil visitas por mês. Então, tentei monetizar o site de algumas maneiras. Criei a Paddles e fiz um redirecionamento de todo o conteúdo que estava dentro do Mundo Sup para a nova empresa”, relata ele, que ainda trabalha como publicitário. O portal não existe mais.

Além de roupas e acessórios, o site da Paddles Clothing & Co disponibiliza matérias, dicas e vídeos sobre os esportes de remo.

Empresa vende camisetas, bonés e viseiras

Com coleções de inverno e verão, a Paddles Clothing & Co vende camisetas, bonés e viseiras com a temática do remo. Vitor planeja lançar neste ano bermudas e meias.

As viseiras são os produtos mais baratos. Custam a partir de R$ 79. As camisetas e os bonés são os mais caros (a partir de R$ 89).

Segundo o empresário, o ticket médio do cliente é de R$ 190. “Esse é um número fantástico para um e-commerce novo, dentro de um segmento também novo”, afirma.

O foco da Paddles Clothing & Co será sempre, diz ele, o e-commerce. Mas a empresa negocia a entrada dos seus produtos em “marketplaces” (lojas virtuais que reúnem várias marcas) e em lojas multimarcas de surfwear. Ele investiu mais R$ 30 mil na empresa.

Estamos bastante empolgados e com muita determinação. Após essa segunda rodada de investimentos, acredito que teremos um grande crescimento. Isso será o nosso case para buscar investidores para a marca e aí ganhar projeção e escala nacional.

Renato Chaves Vitor, dono da empresa

Segundo Vitor, desde o começo da empresa, coube a ele desenvolver e cuidar do site e e-commerce, da publicação de produtos, da criação das estampas, da edição das imagens e geração de conteúdo. A sua mulher e funcionária, Paula, 30, cuida da logística e estoque. A confecção e as estamparias são terceirizadas. “Um empreendedor precisa ser multidisciplinar.”

Nicho é diferencial, mas é preciso diversificar produtos, diz consultor

Luís Cláudio de Sousa Pereira, consultor de marketing do Sebrae-SP, diz que o diferencial do empresário foi ter encontrado um nicho novo de negócios e, antes de lançar a marca, ter usado toda sua experiência de marketing digital no portal de notícias para alavancar clientes.

“Tudo isso agrega valor à marca. Ele preparou o conteúdo, antes de lançar a marca neste segmento. Por ser um profissional de marketing digital, o empresário já tinha toda a estrutura para trabalhar com e-commerce”, afirma.

O consultor diz, no entanto, que o desafio para a empresa é diversificar os produtos, lançando novas coleções em outras estações do ano, por exemplo, fazer parcerias com diferentes marcas e trabalhar o relacionamento com o público nessa divulgação.

Onde encontrar:

Paddles Clothing & Co - https://paddles.com.br/

Baleia acompanha praticante de stand up paddle na Nova Zelândia

UOL Esporte

Mais Empreendedorismo