Topo

Empreendedorismo


Receita do setor de franquias subiu 7% em 2018, segundo dados preliminares

Do UOL, em São Paulo*

2019-01-22T19:08:20

22/01/2019 19h08

A melhora gradativa do cenário econômico e a definição do quadro político refletiram positivamente no setor de franquias brasileiro, tanto que as redes devem registrar em 2018 um crescimento de 7% da receita na comparação com 2017, descontando o efeito da inflação. 

A estimativa é que o setor gere 8% mais empregos diretos no mesmo período (incluindo contratos intermitentes e temporários), totalizando cerca de 1,3 milhão de trabalhadores contratados. A expansão do número de unidades é de 5%, e de novas marcas, 1%, após um ano de queda.

Os dados fazem parte do balanço preliminar parcial do desempenho do setor, divulgado nesta terça-feira (22) pela ABF (Associação Brasileira de Franchising). 

Para André Friedheim, presidente da ABF, "houve uma recuperação perceptível das vendas no varejo e especificamente no franchising neste último trimestre, somada a um sentimento de maior otimismo refletido na elevação da Bolsa e em outros indicadores". 

Os dados preliminares apurados pela entidade mostram que houve uma aceleração do ritmo de crescimento das franquias no quarto trimestre do ano passado, segundo a ABF. De acordo com Vanessa Bretas, gerente de inteligência de mercado da ABF, "houve resultados positivos principalmente nos segmentos ligados a serviços administrativos, lazer e hotelaria". 

Projeções para 2019

Observada a tendência de retomada do crescimento econômico, a ABF projeta para este ano uma alta do faturamento do setor de franquias entre 8% e 10%. Quanto à geração de emprego e renda no setor, a estimativa é que haja um incremento de 5%. A expansão das unidades deve ser de 5% a 6% e o número de redes pode ampliar 1%.

"As expectativas dos franqueadores para 2019 são positivas", afirmou André Friedheim. "Nossa expectativa é que o franchising volte a crescer na casa dos dois dígitos e que o setor possa ser a principal referência de um consumidor mais empoderado", disse.

Internacionalização

O movimento de internacionalização das marcas brasileiras continua. O estudo já consolidado de 2018 (diferente dos dados gerais prévios, estes de internacionalização são os finais) indica que há 145 redes nacionais com operações em 114 países. Em 2017, eram 142 redes, em cem países. 

O segmento de Moda é o mais representativo, com 35 marcas; Saúde, Beleza e Bem-Estar vêm a seguir, com 25, e Alimentação em terceiro lugar, com 22.

Os Estados Unidos permanecem sendo o principal destino das marcas brasileiras no exterior, com 59 redes operando localmente. Portugal se mantém como o segundo país mais procurado, com 34 marcas, e o Paraguai em terceiro, com 32 redes.

Já no movimento contrário, a ABF registrou a existência de 190 redes estrangeiras operando no Brasil, originárias de 24 países. Os Estados Unidos mantêm a liderança, com 79 das marcas, Portugal permanece na segunda posição, com 22, e a Espanha vem a seguir, com 13.

* Com informações da ABF

Desafio do marshmallow ajuda a desenvolver empreendedores

UOL Notícias

Mais Empreendedorismo