IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Empreendedorismo


Dono de restaurante em crise faz apelo nas redes sociais e salva negócio

Erik Fillies, 39, e Mariana Guedes, 32, donos do restaurante Cozinha Pirata, em Curitiba (PR) - Lucas Gabriel Marins
Erik Fillies, 39, e Mariana Guedes, 32, donos do restaurante Cozinha Pirata, em Curitiba (PR)
Imagem: Lucas Gabriel Marins

Lucas Gabriel Marins

Colaboração para o UOL, em Curitiba

17/05/2019 04h00

No final de abril, em um dia frio em Curitiba, bateu o desespero no empresário Erik Fillies, 39, dono do restaurante Cozinha Pirata. Isso porque apenas uma pessoa, segundo ele, entrou no estabelecimento. No dia anterior, disse, tinha recebido somente quatro clientes.

Com medo de ter que fechar as portas, decidiu fazer um desabafo nas redes sociais. Publicou um texto dizendo que o restaurante "agonizava" e precisava de clientes para manter as portas abertas.

"Não é como se precisássemos de centenas de pessoas todos os dias lotando nosso restaurante. Bastam 25 entrando pela porta e comprando um prato de comida. Apenas isso", escreveu ele.

Cerca de 90 pessoas foram no dia seguinte

O desabafo sincero do empresário deu resultado. Até mais do que o esperado. No dia seguinte, segundo ele, cerca de 90 pessoas entraram pela porta do restaurante, inclusive moradores de bairros afastados.

Ele e sua mulher, a publicitária Mariana Guedes, 32, conseguiram atender apenas 50 pessoas. "Tivemos que pedir desculpas para o restante", disse ela, que toca o restaurante junto com o marido.

Nos dias seguintes, a média de clientes se manteve. Para dar conta dos atendimentos, eles decidiram mudar o cardápio. Em vez das 20 opções de pratos que costumavam ter, passaram a oferecer apenas seis a cada dia.

Bife à parmegiana do Cozinha Pirata custa R$ 20,90 - Divulgação
Bife à parmegiana do Cozinha Pirata custa R$ 20,90
Imagem: Divulgação
Às sextas-feiras, por exemplo, os clientes podem escolher entre bife, frango, bife acebolado e bisteca suína. Para quem não quer carne, as opções são berinjela a parmegiana ou abóbora assada. Os pratos vêm com arroz, feijão, batata frita e salada, e os preços vão de R$ 15,90 a R$ 20,90.

Clientela caiu por causa de obra ao lado

Fillies e sua mulher abriram o restaurante em setembro de 2017. Pegaram R$ 40 mil que estava na poupança, fruto de dez anos de trabalho, e investiram no negócio.

Cerca de R$ 15 mil foram usados para reformar a casa alugada, comprar cadeiras e equipar a cozinha. As mesas foram doadas pelo pai de Fillies, que é marceneiro.

"O restante do dinheiro foi guardado para segurar as pontas nos meses seguintes até o negócio começar a dar lucro", disse Mariana. Até hoje eles não viram lucro. O faturamento não foi revelado.

O casal investiu R$ 15 mil para reformar a casa alugada, comprar cadeiras e equipar a cozinha - Lucas Gabriel Marins
O casal investiu R$ 15 mil para reformar a casa alugada, comprar cadeiras e equipar a cozinha
Imagem: Lucas Gabriel Marins

Em março deste ano, a construção do prédio ao lado desabou sobre o restaurante. Parte do telhado foi destruída, assim como algumas mesas e o espaço para crianças. A construtora responsável pela obra arcou com os prejuízos, mas o local teve que ficar fechado por duas semanas.

"Acreditamos que o período que ficamos fechados, somado às dificuldades corriqueiras relacionadas ao mercado de restaurantes, afastou nossos clientes", disse Mariana.

Especialista: usar redes sociais para relacionamento

Os estabelecimentos que trabalham com gastronomia estão sofrendo com a mudança nas formas de consumo, disse a consultora de negócios do Sebrae-PR Patrícia Albanez. Antes, segundo ela, bastava ter um ponto, qualidade e boa comida, mas hoje isso não é suficiente.

"Os empresários precisam estar em aplicativos, trabalhar com experiências gastronômicas e seguir as tendências do mercado", afirmou.

Uma dessas tendências, disse ela, é justamente usar as redes sociais menos para fazer divulgação e panfletagem, e mais para um relacionamento realmente próximo aos clientes.

"Quando o dono da Cozinha Pirata pediu ajuda e compartilhou um problema, ele acabou fazendo isso, mesmo que de forma não intencional", disse.

Patrícia reforçou, no entanto, que esse contato próximo via rede social deve ser constante. Caso contrário, não é possível manter um relacionamento. "É necessário ativar o cliente sempre e criar situações que o façam participar da vida do negócio. Dá para perguntar, por exemplo, qual o prato preferido de um seguidor, pedir receitas ou, ainda, dar uma sobremesa para quem está sempre presente", afirmou.

Onde encontrar:

Cozinha Pirata - https://facebook.com/acozinhapirata/

Como reduzir os agrotóxicos da sua comida do dia a dia?

Universa

Mais Empreendedorismo