IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Finanças pessoais


Dá para investir na Bolsa sem precisar comprar ações diretamente; entenda

Getty Images/traffic_analyzer
Imagem: Getty Images/traffic_analyzer

Danylo Martins

Colaboração para o UOL, em São Paulo

07/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Com juros baixos, é preciso arriscar mais para conseguir rendimentos mais altos, e Bolsa é uma opção
  • Em vez de comprar ações diretamente, é possível investir em fundos de ações, que reúnem o dinheiro de vários investidores e compra ações
  • Cada fundo tem um gestor, responsável por estudar o mercado e decidir onde colocar o dinheiro
  • Investimento em ações deve ser encarado como estratégia de longo prazo
  • Dinheiro aplicado está sujeito às oscilações do mercado; fundos não têm cobertura do FGC
  • Fundos de ações cobram taxa de administração e, alguns, taxa de performance; há 15% de IR sobre rendimentos

Em um cenário de juros baixos, com a taxa Selic em 5% ao ano, o investidor precisa arriscar mais para conseguir rendimentos mais altos, e a Bolsa é uma das principais recomendações de especialistas.

Há um jeito de fazer isso sem precisar comprar ações diretamente: investir em fundos de ações. O investidor não precisa ter conhecimento sobre o mercado acionário, nem acompanhar de perto o desempenho das empresas e seus papéis.

Afinal, como funciona esse produto? Dá para investir com pouco dinheiro? Que cuidados tomar? Veja as dicas de especialistas ouvidos pelo UOL.

O que são fundos de ações

Um fundo de ações reúne o dinheiro de vários investidores e compra ações de empresas listadas na Bolsa de Valores. Cada fundo tem um gestor, o profissional responsável por estudar o mercado e decidir onde colocar o dinheiro.

Em vez de comprar diretamente as ações, você adquire cotas do fundo e deixa a escolha dos papéis nas mãos do gestor. É uma forma de aplicar em um conjunto de ações por um valor que, sozinho, você não conseguiria.

Aplicação mínima

O investimento inicial varia conforme o banco ou corretora, mas é possível encontrar fundos de ações com aplicação mínima de R$ 500. Em geral, corretoras independentes, ou seja, não ligadas a grandes bancos, costumam oferecer um cardápio maior, com opções mais acessíveis.

Renda variável, para o longo prazo

Apesar de ser uma forma mais simples de investir na Bolsa, é preciso lembrar que os fundos de ações são considerados um investimento de renda variável. Por isso, não dá para saber qual será o rendimento no futuro, ao contrário de aplicações de renda fixa.

De forma geral, o investimento em ações deve ser encarado como uma estratégia de longo prazo. "O investidor não deve se deixar abalar por oscilações diárias ou períodos prolongados de queda. Essa é uma característica do produto", disse Betty Grobman, sócia da escola BSG DuoPrata e professora de Finanças da Fundação Instituto de Administração (FIA) e da B3 Educação.

Conheça os tipos de fundos de ações

No total, existem 2.195 fundos de ações em operação no Brasil, segundo os dados mais recentes da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).

Os fundos de ações podem ser:

  • indexados
  • ou ativos

Os indexados têm como objetivo acompanhar o desempenho de um indicador —por exemplo, o Ibovespa, principal índice de ações da Bolsa brasileira. Os fundos ativos buscam superar determinado indicador.

Os mais comuns são os fundos de ações chamados de livres, que não têm compromisso de seguir uma estratégia específica, segundo David Rocha, analista de fundos da Guide. Há também outros produtos, como:

  • Fundo de ações setorial: investe em ações de empresas de determinado setor
  • Fundo de ações de dividendos: investe em empresas que, historicamente, pagam bons retornos (dividendos são parte do lucro que a companhia distribui aos acionistas)
  • Fundo de ações de small caps: a maior parte dos recursos é aplicada em papéis de empresas menores, que não estão na lista das mais negociadas na Bolsa
  • Fundo de ações sustentabilidade/governança: investe em empresas que têm bons níveis de governança corporativa ou que se destacam em critérios de responsabilidade social e sustentabilidade empresarial no longo prazo

Risco de perda é grande

Como qualquer investimento de renda variável, é bastante arriscado investir em fundos de ações. O dinheiro aplicado está sujeito às oscilações do mercado, ou seja, o preço das ações pode subir ou cair.

"A recomendação é que o investidor aloque em ações aquela parte de seus recursos que, em caso de perda, não comprometerá seu padrão de vida e o suprimento de suas necessidades básicas ou cotidianas", afirmou Betty.

Além disso, fundos de investimento não têm cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Quais os custos e impostos?

Assim como outros tipos de fundos, os fundos de ações cobram, anualmente, uma taxa de administração. A taxa média era de 2,16% ao ano em junho, segundo dados da Anbima.

É comum também que os fundos cobrem uma taxa de performance, que serve para remunerar o bom desempenho do gestor.

Os fundos de ações pagam, ainda, tributação de 15% sobre os rendimentos, que incide no momento da retirada dos recursos. "As compras e vendas de ações dentro do fundo não são sujeitas à cobrança de IR", disse Rocha, da Guide.

Outra vantagem é que os fundos de ações não têm o chamado "come-cotas", cobrança semestral de IR (Imposto de Renda) que incide sobre os rendimentos dos fundos de renda fixa e multimercados. Também não existe a incidência de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Gostou deste texto? Assine a newsletter UOL Investimentos para receber informações como esta em primeira mão no seu email.

Descomplique: 5 coisas que você precisa saber sobre o Tesouro Direto

UOL Notícias

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Finanças pessoais