Só para assinantesAssine UOL

Qual é a diferença entre os poupadores e os investidores brasileiros

No começo de dezembro, os jornais de economia publicaram uma notícia histórica, ainda que ela não tenha recebido tanto destaque: pela primeira vez, o mercado de capitais superou a poupança na composição dos fundings que pagam a produção imobiliária do país. Segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), enquanto o primeiro aumentou a sua participação de 24%, no fim de 2021, para 38%, no meio deste ano, com saldo total de R$ 787 bilhões, a poupança encolheu de 49% para 36% a sua fatia nesse mercado, com estoque de R$ 738 bilhões.

Até aqui, os novos edifícios e casas se multiplicavam Brasil afora majoritariamente com o dinheiro do poupador. Com o tempo, um novo personagem começou a aparecer na cena até dominá-la: o investidor.

A diferença dos verbos poupar e investir vai além do óbvio. Nesse caso, ela implica em uma mudança de mentalidade. Em um país com baixo nível de educação financeira como o Brasil, o número crescente de cidadãos comuns que passaram a investir no mercado de capitais é motivo de esperança não só para alguém como eu, que trabalha com operações estruturadas de crédito, mas para toda a sociedade.

É claro que a poupança perdeu competitividade. Hoje, é possível lucrar não apenas com a pujança da produção imobiliária, mas também com a força do agronegócio, com a expansão da estrutura logística brasileira e outras atividades econômicas dos setores que mais crescem no país. O mercado de recebíveis, securitizados em operações saudáveis e bem estruturadas, pode proporcionar ganhos muito superiores à poupança aos agora milhares de proprietários de cotas de FIIs e Fiagros.

E por que isso significa um avanço para a sociedade? Porque o investimento em fundos representa a expansão da economia brasileira, o financiamento de novos negócios e empreendimentos, como hotéis, parques, shoppings e escritórios. Implica também no aumento do número de postos de trabalho e da riqueza produzida por aqui. Dinheiro já foi algo para ser guardado em cofres e até dentro de colchão, mas a sua vocação sempre foi a de circular.

O Marco Legal da Securitização (Lei 14.430/22) abriu novas possibilidades de investimento e de captação de recursos para empresas. Ao Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) e os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), somaram-se todos os setores que trabalham com recebíveis, como educação, saúde e serviços, passaram a poder buscar dinheiro no mercado de capitais para expandir seus negócios.

A democratização do acesso ao crédito via mercado de capitais, ou seja, com o dinheiro do investidor, é uma missão pessoal que se estendeu à securitizadora na qual trabalho. É preciso tempo e disposição para atender a todos os empreendedores, não apenas dos grandes centros ou de empresas conhecidas, mas também aquele empresário modesto que planeja construir o único prédio ou o primeiro shopping da sua pequena e distante cidade. Em princípio, todo negócio pode produzir lucro aos investidores.

Sob esse prisma, o mercado de capitais poderia financiar tudo no país, da expansão da malha ferroviária à moradia popular, combatendo o déficit habitacional brasileiro, de 5,8 milhões de casas. Mas entre o sonho e a contabilidade, há muitos fatores importantes a serem observados. O crédito oferecido pelo mercado de capitais ainda não supera em competitividade ao ofertado a setores subsidiados, com linhas próprias de financiamento, como o agronegócio e a habitação de interesse social.

É preciso considerar também o know-how do mercado, que vai se desenvolvendo a cada nova operação. O setor imobiliário é bastante conhecido dos que trabalham em operações estruturadas de crédito. O agronegócio está começando agora e ouso em dizer que ainda estamos distantes do produtor rural. A maior parte dos CRAs são criados para grandes empresas. Neste ano, os recebíveis do agronegócio cresceram 40% apenas no primeiro semestre, segundo levantamento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Continua após a publicidade

Para 2024, eu enxergo possibilidades seguras e rentáveis de investimento em setores como o mercado livre de energia, por exemplo, em franco crescimento no país. Cada vez mais consumidores, na maioria grandes empresas, passaram a comprar energia de companhias privadas que investem em fontes alternativas como eólica e solar. Segundo a Câmara Comercializadora de Energia Elétrica (CCEE), de janeiro a setembro deste ano, 3.300 consumidores migraram para o mercado livre, aumento de 52%.

Ajudar investidores a lucrar com a expansão desse setor é o desafio que se apresenta, assim como o de diversas outras áreas. Porque melhor do que desejar um feliz 2024, é trabalhar duro para que assim o seja.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes