PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Banco Inter e Ultrapar: duas ações para ficar de olho hoje

Bolsa de Valores: Banco Inter busca levantar até R$ 5,5 bilhões e Ultrapar dá mais um passo para a venda da Oxiteno. Veja o impacto para as ações.  - Amanda Perobelli/Reuters
Bolsa de Valores: Banco Inter busca levantar até R$ 5,5 bilhões e Ultrapar dá mais um passo para a venda da Oxiteno. Veja o impacto para as ações. Imagem: Amanda Perobelli/Reuters
Exclusivo para assinantes UOL

Felipe Bevilacqua

16/06/2021 09h34

No Investigando o Mercado de hoje vamos conversar sobre a oferta subsequente de ações (follow-on) do Banco Inter (BIDI11), que terá como investidor âncora a Stone, e sobre a possível venda da Oxiteno, que finaliza a reorganização operacional da Ultrapar (UPGA3) e gera caixa para a aquisição de refinaria da Petrobras (PETR4).

O UOL Economia tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

Confira a seguir a análise de Felipe Bevilacqua, analista e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e análises de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimentos. Este conteúdo é exclusivo para os leitores de UOL Economia+. Conheça os recursos do serviço de orientação financeira UOL Economia+, para quem quer investir melhor.

Banco Inter: pode captar até R$ 5,5 bilhões e receberá investimento da Stone

O Banco Inter divulgou ontem (15) por meio de fato relevante que seu Conselho de Administração aprovou uma oferta subsequente de ações (follow-on) para captar até R$ 5,5 bilhões. A oferta será composta por 71,50 milhões de ações ordinárias e 71,12 milhões de ações preferenciais, com base no preço fixado de R$ 19,28 por ação.

O follow-on abrirá caminho para investimentos da Stone na empresa. Segundo o documento, a Stone comprará R$ 2,5 bilhões em units, ficando com 4,99% da companhia. O acordo foi fechado com o compromisso de que a família Menin (controladora do Inter) renuncie ao direito de preferência na operação.

Os investidores com posição na empresa até o dia 14 de junho poderão participar da oferta. O período de subscrição começou ontem (15) e termina no dia 22. A precificação da oferta ocorrerá no dia 24 e os novos papéis começarão a ser negociados a partir de 28 de junho.

Uma unit, composta por uma ação ordiária e duas preferenciais, sairá por R$ 57,84, um desconto de 10% em relação aos R$ 64,30 da ação (preço aproximado do papel na terça-feira, 15. Esse desconto explica a queda de 2,73% nas ações do Inter ontem (15), visto que fica muito mais interessante para o investidor comprar ações a serem ofertadas no follow-on do que no dia. Assim, a expectativa é de que as ações BIDI11 ainda apresentem reação negativa no curto prazo.

Apesar de garantir vaga para a Stone no Conselho do Inter, a notícia é boa para o banco. Ao assumir a posição de investidor âncora para o aumento de capital, a Stone deixa claro que enxerga o Inter com valor de mercado inferior ao real, ainda mais considerando a operação conjunta das companhias.

Ultrapar: avanço para venda da Oxiteno

A Ultrapar (UGPA3), controladora de uma das maiores distribuidoras de combustíveis do país (Ipiranga), se prepara para mais um passo da sua reorganização. Enfrentando problemas de rentabilidade desde 2017, em função da mudança na política de preços das refinarias pela Petrobras, a empresa decidiu focar no negócio principal. Já vendeu a Extrafarma, seu braço de varejo farmacêutico, e ao que tudo indica tem um comprador para a Oxiteno, seu braço químico.

As negociações com o grupo asiático Indorama estão adiantadas. A transação deve girar em torno de US$ 1,2 bilhão, valor US$ 200 milhões superior à avaliação de mercado para a Oxiteno.

Com os recursos das vendas desses ativos, a Ultrapar tem capital suficiente para finalizar a aquisição da Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), em fase final de negociação com a Petrobras. A compra da refinaria faz total sentido para a empresa por verticalizar seu negócio de distribuição de combustíveis e torná-lo mais competitivo.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo analista Felipe Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL