PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Dona da Casas Bahia e CCR: duas empresas com potencial de crescimento

Via, da Casas Bahia, anunciou a compra de 3 startups para expandir sua atuação - Nacho Doce/Reuters
Via, da Casas Bahia, anunciou a compra de 3 startups para expandir sua atuação Imagem: Nacho Doce/Reuters
Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe Bevilacqua

09/09/2021 08h36

Hoje vamos conversar sobre aquisições realizadas pela Via (VIIA3) e sobre a possibilidade de a CCR (CCRO3) investir no aeroporto de Guarulhos. A CCR vive um momento de expansão no setor aeroportuário. Já a Via comprou 3 startups, mas não está claro qual o seu potencial na empresa.

O UOL tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

Confira a seguir a análise de Felipe Bevilacqua, analista e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e análises de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimentos. Este conteúdo é exclusivo para os assinantes do UOL.

Via S.A. compra 3 startups

A Via S.A. (VIIA3), antiga Via Varejo, anunciou na tarde de ontem (08) a realização de três investimentos minoritários. As operações marcam o início do Via Next, um programa de conexão de startups com a Via desenvolvido em parceria com a Distrito (marketplace). Um dos principais objetivos é acelerar a transformação digital da companhia, além de promover novas soluções e melhorar a experiência do cliente.

No estágio atual, a empresa procura startups que resolvam questões específicas e planeja investir até R$ 200 milhões pelos próximos 5 anos.

Sobre as startups investidas:

  1. GoPublic. Oferece ecossistema de soluções Software as a Service (SaaS) modular para facilitar a jornada de crédito e pagamentos. Tem tecnologia própria, aplicada a modelos inovadores de análise de risco com foco no comportamento do cliente e no fluxo de crédito, resultando em uma maior eficiência no uso de dados coletados. O monitoramento e a cobrança são integrados e combinados a uma ampla gama de soluções de meios de pagamento, os quais são parte integral do processo desde o crédito até a cobrança.
  2. Poupa Certo. Oferece plataforma digital de gestão e educação financeira. Com operações em diversos países na América Latina, como o Peru, Chile, Guatemala e México, visa a inclusão financeira e o aumento da competitividade endereçados pelas agendas do Open Banking.
  3. Byebnk. Plataforma de gestão de investimentos em criptomoedas, está ampliando sua atuação, por meio da tokenização, para permitir que os clientes transformem ativos financeiros tradicionais em criptomoedas.

A companhia não divulgou os valores dos investimentos porque foram baixos em relação ao tamanho da empresa. É positivo que a Via tente acelerar a mudança para o mundo digital, mas as aquisições são pouco relevantes para a companhia. Não fica claro o potencial que terão dentro da empresa. Como os investimentos são pequenos, o risco é baixo. Se alguma dessas empresas tiver sucesso, dentro ou fora da Via S.A. (VIIA3), o potencial de retorno é alto. Por enquanto, porém, temos dificuldade de ver com clareza a efetividade das adquiridas.

CCR (CCRO3) pode investir em Guarulhos

A Invepar, gestora de mobilidade urbana e infraestrutura, retomou a busca por um investidor para o aeroporto de Guarulhos. A CCR, uma das líderes em administração de rodovias no Brasil, e a gestora Farallon estariam entre os interessados, podendo aportar mais de R$ 1 bilhão. A atual concessão vai até 2032 e é controlada pela Invepar, com 51% das ações. Os outros 49% pertencem à Infraero.

A CCR vive um momento de expansão no setor aeroportuário. Este ano, ela adquiriu cerca de 15 aeroportos no leilão realizado pelo governo federal, tornando-se um dos principais operadores privados do segmento no país.

Apesar dos problemas da concessão, leiloada em 2012 com premissas de crescimento de PIB muito altas e outorga elevada, o aeroporto de Guarulhos continua sendo um dos principais ativos de infraestrutura do país. Se a CCR investir no ativo, pode utilizar sua expertise na operação de aeroportos e obter um bom retorno. Uma ressalva, no entanto, é o aporte a ser realizado, que pode tornar o ativo mais ou menos atrativo.

No curto prazo, porém, o principal catalisador para as ações da companhia continua sendo o leilão da Rodovia Presidente Dutra (BR-116), marcado para 29 de outubro. A CCR, atual operadora da rodovia, é a preferida para o arremate.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo analista Felipe Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

PUBLICIDADE