PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Empresa brMalls negocia possível fusão com plataforma de shopping center

Reuters
Imagem: Reuters
Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe Bevilacqua

09/02/2022 09h37

O mercado repercute a informação de que a operadora de shopping brMalls e a Ancar, uma das maiores plataformas de shopping center de capital privado do Brasil, estariam negociando uma possível fusão.

Confira a seguir o comentário de Felipe Bevilacqua, analista e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento, sobre isso. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e avaliações de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimento. Este conteúdo é acessível para os assinantes do UOL. O UOL tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

Em meio a rumores com Aliansce Sonae, brMalls negocia com a Ancar

Motivada pela abordagem da Aliansce Sonae (ALSO3), a operadora de shoppings brMalls (BRML3) teria, segundo rumores, retomado negociações com a Ancar, uma das maiores plataformas de shopping center de capital privado do Brasil. As empresas já haviam chegado a tentar uma fusão parcial de operações em 2020, porém sem terem chegado a um consenso na época.

Desta vez, as operadoras estariam conversando sobre uma potencial cisão dos cinco ou seis melhores shoppings da carteira da Ancar, que seriam absorvidos pela brMalls em troca de participação acionária.

Esses ativos consistiriam na participação da Ancar nos shoppings Iguatemi (Porto Alegre), Conjunto Nacional (Brasília), Nova América (Rio), Botafogo Praia (Rio), Pantanal Shopping (Cuiabá) e Centervale (São José dos Campos). Ao todo, estes equivaleriam a cerca de R$ 2,5 bilhões, o que equivaleria a aproximadamente 25% da brMalls (sem considerar eventuais descontos ou prêmios).

Nesse sentido, vemos os rumores como positivos para a brMalls, com suas ações devendo reagir de acordo no curto prazo. De fato, desde a realização da proposta de fusão pela Aliansce Sonae em janeiro deste ano, a operadora de shoppings tem procurado por transações alternativas para gerar valor aos seus acionistas, chegando a acionar bancos de investimentos para assessorá-la nestes assuntos.

A Aliansce Sonae, após anúncio de envio de proposta não vinculante para a combinação de negócios e respectiva negativa por parte da brMalls, havia reiterado o interesse em na fusão com a outra operadora de shoppings.

Naquele momento, a brMalls havia se mostrado bastante incomodada com o preço oferecido pela concorrente. Desde então, a expectativa é de que a Aliansce negocie, seja para um aumento de dinheiro ou na participação que a brMalls tenha em ações na empresa combinada.

Por fim, este é um cenário que deve ter seu desenrolar acompanhado de perto. A projeção é de que Aliansce venha a realizar um ajuste em sua oferta original, de modo a tornar a fusão das empresas um arranjo benéfico para ambos os lados.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.