PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

É inevitável Petrobras subir preços em breve para evitar desabastecimento

Conteúdo exclusivo para assinantes

Rafael Bevilacqua

14/06/2022 09h23

A alta do petróleo e, consequentemente, dos combustíveis, se tornou um problema mundial, principalmente após o início da invasão russa à Ucrânia. Tendo em vista a importância da estabilidade dos preços dos combustíveis para a popularidade dos governantes, políticos do mundo inteiro vêm buscando maneiras de aliviar o peso da valorização desses produtos no bolso da população.

Confira a seguir o comentário de Rafael Bevilacqua, estrategista-chefe e sócio-fundador da casa de análise Levante Ideias de Investimento, sobre o tema. Todos os dias, Bevilacqua traz notícias e avaliações de empresas de capital aberto para você tomar as melhores decisões de investimento. Este conteúdo é acessível para os assinantes do UOL. O UOL tem uma área exclusiva para quem quer investir seu dinheiro de maneira segura e lucrar mais do que com a poupança. Conheça!

A grande maioria dos países escolheu a redução de impostos como uma solução temporária. Porém, em certos países (incluindo o Brasil), a discussão sobre o congelamento de preços como uma rápida solução para este complexo problema acaba voltando à tona.

A alta defasagem nos preços dos combustíveis praticados pela Petrobras vem preocupando diversos agentes do setor. Após manifestações da própria empresa, dessa vez foi o presidente do Instituto Brasileiro do Petróleo e do Gás (IBP), Eberaldo Almeida Neto, que afirmou que a permanência na defasagem dos preços dos combustíveis pode distorcer o mercado.

Segundo cálculo da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom), a defasagem do preço vendido pela Petrobras às distribuidoras na última sexta-feira (10) era de 18% no diesel e 19% na gasolina. O último reajuste realizado pela estatal foi no dia 10 de maio para o diesel e 11 de março para a gasolina.

Temendo repercussão negativa entre a população, o governo e a diretoria da Petrobras têm protagonizado uma queda de braço no que diz respeito aos reajustes dos combustíveis, tendo o comando da estatal sido trocado duas vezes apenas neste ano.

Após sucessivas críticas ao seu lucro, a Petrobras (PETR4) lançou recentemente um site buscando melhorar sua comunicação com a sociedade e ilustrando a composição final do preço dos combustíveis, destacando que a parcela que fica com a empresa não é a mais relevante na composição final dos preços.

Principalmente na gasolina, o grande "vilão" é o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), imposto estadual que varia em cada unidade da Federação, sendo a alíquota de 34% praticada no estado do Rio de Janeiro a maior do Brasil.

Importamos cerca de 30% do diesel consumido no país, e a demanda por esse combustível possui maior sazonalidade no segundo semestre por conta principalmente do agronegócio.

O mercado atual está extremamente apertado e sem perspectivas favoráveis, visto que os estoques mundiais estão em níveis baixíssimos, há pouca capacidade ociosa de refino e estamos chegando na temporada de furacões no Golfo do México, que afeta a produção local.

Independentemente das medidas escolhidas pela classe política para conter o avanço dos preços dos combustíveis, um reajuste dos preços dos combustíveis nas próximas semanas é inevitável para afastar quaisquer riscos de desabastecimento no mercado interno, especialmente no caso do diesel.

Na segunda-feira (11), as ações preferenciais da Petrobras fecharam em queda de 1,28%, cotadas a R$ 29,27.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.