PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

11 dicas para quem quer investir em minicontratos com menos risco

Mini índice e mini dólar: entenda tudo sobre as operações na Bolsa de Valores - Getty Images via BBC
Mini índice e mini dólar: entenda tudo sobre as operações na Bolsa de Valores Imagem: Getty Images via BBC
Conteúdo exclusivo para assinantes

Bruno Thadeu

Colaboração para o UOL, em São Paulo

05/03/2021 04h00Atualizada em 16/04/2021 17h09

Comprar e vender papéis no mesmo dia, a famosa operação chamada day trade, traz aquela sensação de que você vai ganhar muito dinheiro rapidamente. E, com as redes sociais e tanta gente "vendendo" essa operação como se fosse a solução para ganhos rápidos, muita gente se arrisca nesse tipo de operação, principalmente em minicontratos (mini-índice e mini-dólar) —os preferidos entre os traders.

Mini-índice é um contrato que oscila em função da pontuação do Índice Bovespa Futuro. Ou seja, é uma aposta na alta ou na queda do Ibovespa. O mini-dólar, por sua vez, está vinculado ao preço da moeda norte-americana.

De fato esses minicontratos possibilitam ganhos gigantes, mas ao mesmo tempo trazem riscos elevados. Os riscos são maiores para quem tem pouco ou nenhum conhecimento de Bolsa de Valores. Colocar grande parte de seus recursos financeiros em minicontratos é perigoso e pode levar à ruína financeira, se não seguir alguns cuidados.

O UOL Economia+ lista a seguir 11 dicas para você operar com menos riscos e ter mais chances de ganhar dinheiro nesses tipos de operações.

1 - Crie metas diárias de ganhos

Este é o conselho mais importante para quem opera com day trade: estabeleça uma quantia ou porcentagem diária de ganho. Afinal, a tentação de querer ganhar mais pode comprometer aquilo que você já conquistou no dia.

Defina uma meta de acordo com suas finanças, de forma equilibrada. Quando atingir a meta, veja se não vale encerrar o dia.

"Não existe um padrão de meta diária. Vai muito do capital de cada um, da idade. É preciso criar uma meta razoável, respeitando suas finanças. É fundamental fazer o gerenciamento de risco para saber o quanto pode perder e ganhar. O mercado é atrativo, empolgante, mas o controle emocional tem que existir"
Renata Lima, gerente de plataformas de renda variável da Órama Investimentos.

2 - Entrar sem travas é um perigo

Entrar em minicontratos sem travas é coisa de aventureiro ou apostador, e não de um investidor.

Em um mercado que oscila muito, com disparadas para cima e baixo em questão de segundos, o trader tem que planejar suas entradas e, principalmente, suas saídas.

Entrar no "tudo ou nada" te deixa sem uma referência. Você acaba sendo levado muito mais pela adrenalina. Essa emoção pode refletir negativamente em uma decisão.

Já falamos, inclusive, sobre as travas Stop Loss e Stop Gain, que limitam suas perdas e ganhos.

3 - Entrar alavancado pode arruinar suas finanças

Na Bolsa, a expressão "alavancar" significa entrar em uma operação colocando em risco grande parte de seus investimentos em uma operação.

Se der certo a operação, tudo bem. Mas e se der errado? Você está preparado para perder grande parte do seu dinheiro após uma operação ruim?

Quando você entra em uma operação, seus recursos financeiros são colocados como garantia em caso de perda.

"É preciso levar em consideração o quanto a pessoa tem para investir, mas eu não recomendo que ela coloque mais de 10% de seus recursos em operações day trade. É arriscado. É muito penoso alguém perder o que tem em pouco tempo"
Ana Hutz, economista e professora da PUC-SP

4 - Muita atenção com o "agora eu me consagro"

Muitos traders já vivenciaram essa cena. Empolgado após acertar uma ou mais operações no dia, o investidor se sente confiante em tentar ganhar ainda mais dinheiro.

Acreditando que está em boa fase e que vai fechar o dia "com chave de ouro", o investidor entra com tudo em uma nova operação, triplicando o valor do contrato.

Aí o mercado vira para o lado oposto, e ele perde aquilo que havia ganhado anteriormente. De quebra, termina o dia com forte prejuízo. Neste caso, a emoção falou mais alto que a razão.

5 - Cuidado com os "Vendedores de Ilusão"

A internet está repleta de gurus financeiros. São pessoas que vendem a ideia de que você ficará milionário rapidamente.

O problema é quando o investidor entra de cabeça no pregão inspirado em supostos conhecedores de Bolsa. O risco de prejuízo é grande.

Conselho: verifique se a pessoa que você acompanha nas redes possui a certificação PQO, da BM&FBovespa. PQO é a sigla de "Programa de Qualificação Operacional". Essa certificação é um reconhecimento da B3 de que a pessoa tem conhecimento para falar sobre diferentes áreas do mercado financeiro.

"Não se influencie por vendedores de sonhos. Vendem a ideia de que operam na praia, dentro da lancha. Se fosse fácil assim, teríamos muitos milionários na Bolsa. E sabemos que não bem é assim. Nada cai do céu"
Renata Lima, da Órama Investimentos

6 - Aprenda a ler gráfico

Não faz sentido você colocar seu dinheiro no pregão sem conhecer as ferramentas do gráfico. Lembre-se de que se trata de um investimento arriscado!

Assim como engenheiro, arquiteto ou outros profissionais estudaram para exercer suas profissões, o investidor da Bolsa também precisa adquirir conhecimento financeiro.

Operar na sorte em minicontratos pode dar certo algumas vezes, mas o resultado a médio e longo prazo quase sempre não é bom. Existem várias análises técnicas que ajudam a identificar momentos para entrar comprado ou vendido em uma operação.

7 - Evite operar várias vezes para refazer o erro

Outro erro bem comum entre os investidores é entrar novamente uma ou mais vezes na operação apenas para apagar o prejuízo anterior. Aí o problema pode virar um problemão.

Como foi dito anteriormente: estabeleça regras. Precifique o quanto pode perder e o quanto pretende ganhar diariamente.

Prejuízos vão ocorrer, sobretudo em um mercado volátil. Limite suas perdas e trace novo planejamento para o dia seguinte.

8 - Ir contra a tendência do mercado pode ser arriscado

Imagine que o preço de um papel esteja caindo. Pergunto: será que essa queda é mesmo um movimento consolidado de descida ou é apenas uma retração?

Na Bolsa de Valores, é comum acontecer de um papel estar em queda, mas continuar com tendência de alta já que essa queda pode ser apenas uma realização de lucros. Portanto, operar contra a tendência do mercado pode ser perigoso.

É fundamental que você saiba identificar os rumos da Bolsa. Algumas análises técnicas auxiliam na leitura das tendências de um ativo.

"Acredito fielmente nas tendências. Se a tendência perde força, eu paro de operar e faço uma revisão. Essa revisão me dirá qual o rumo da próxima tendência. Só entro novamente para operar quando existir uma sinalização clara [de alta ou baixa]"
Rafael Ribeiro, analista da Clear Corretora

9 - Não deixe que uma perda seja maior que os ganhos do dia

Tem um ditado no mercado financeiro que diz: "Perde de balde e ganha de canequinha". Ganhar várias vezes no dia não é garantia de sucesso, sobretudo quando uma operação errada pesa mais que várias operações certas.

Exemplo: o investidor tem lucro de R$ 100 na primeira operação, ganha mais R$ 50 na segunda e mais R$ 50 na terceira. Somatória dos ganhos: R$ 200. Na quarta operação perde R$ 350. Ganhou em três operações e perdeu em uma. Mas o saldo negativo é de R$ 150.

Essa perda maior ocorre geralmente porque o investidor mira os ganhos tentando acertar a hora da venda sem muito planejamento. Por não planejar a operação, o investidor fica vendo a operação negativar, mas não finaliza achando que o mercado vai voltar a subir.

Esse prejuízo pode engolir os lucros de operações anteriores do dia. Antes de iniciar a operação em minicontratos, é fundamental precificar seu possível prejuízo e balancear as travas.

10 - Monitore os papéis mais fortes do Ibovespa

O mini-índice reflete o comportamento do Ibovespa (B3). Portanto, é importante monitorar os papéis que possuem maior peso na B3. As 5 ações que mais impactam no Ibovespa são: Vale, Itaú, Petrobras, Bolsa de Valores e Bradesco.

Se os principais papéis do Ibovespa estiverem em alta, a chance do mini-índice subir é muito grande, e vice-versa. O índice da Bolsa de Valores é o resultado da análise das ações de 81 empresas que compõem o Ibovespa.

Algumas empresas têm maior representatividade na Bolsa e, por isso, as variações de preços de suas ações podem impactar mais no Ibovespa. Já o mini-dólar se movimenta conforme o preço do dólar.

11 - Estratégias tipo 3x1 podem ser boas

Traders profissionais costumam ensinar estratégias que te dão maior segurança. Uma das estratégias é o alvo 3 por 1, que consiste na entrada em quatro operações de day trade.

Nesta montagem, o que você ganhar em uma operação ainda será maior do que o quanto você perde nas outras três. Essas estratégias sempre usam travas para limitar perdas e realizar lucros.

UOL Economia+ fará evento para quem quer investir

Entre os dias 23 e 25 de março, o UOL Economia+ e a casa de análises Levante Ideias de Investimento realizarão evento online gratuito. O economista Felipe Bevilacqua, analista certificado e gestor especialista da Levante, comandará três grandes aulas para explicar ao leitor do UOL como assumir as rédeas do próprio dinheiro.

O evento é gratuito para todos os leitores UOL. Garanta o seu lugar no evento aqui.

Ao clicar em “Enviar”, você concorda com a Política de Privacidade do Grupo UOL e aceita receber e-mails de produtos e serviços do Grupo UOL e demais empresas integrantes de seu grupo econômico. O Grupo UOL utiliza as informações fornecidas para entrar em contato ofertando produtos e serviços. Você pode deixar de receber essas comunicações quando quiser.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE