PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

5 dicas de como ler gráficos e ter mais chances de ganhar dinheiro na Bolsa

Ler gráficos de forma correta é essencial para aprender a investir na Bolsa de Valores - Getty Images
Ler gráficos de forma correta é essencial para aprender a investir na Bolsa de Valores Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes

Bruno Thadeu

Colaboração para UOL

01/02/2021 04h00Atualizada em 16/04/2021 17h09

Muitos investidores da Bolsa de Valores têm pavor de ver gráficos. O emaranhado de linhas subindo e descendo costuma assustar - os números e porcentagens só deixam a tela ainda mais complicada. Mas calma: o gráfico não é um bicho de sete cabeças, e ler de forma correta é essencial para seus investimentos.

Veja cinco dicas do UOL Economia+ de como comandar um gráfico com muito mais facilidade:

Dica 1: Use e abuse do candle (vela)

O candle (chamado também de vela) é a alma de um gráfico. Não, não é exagero. A vela te dá diversas informações sobre os papéis da Bolsa de Valores.

As marcações da vela falam muito sobre o passado e presente da ação. De quebra, as velas fornecem boas orientações sobre o futuro da ação.

Mesmo carregando tanta informação, os candles têm leitura visual fácil (seu formato é parecido com o de uma vela).

Candle - Reprodução - Reprodução
Bolsa de Valores - Candle
Imagem: Reprodução

Ao bater o olho, o candle é capaz de dizer:

  • se a ação está em alta, baixa ou sem muito movimento
  • o histórico da ação
  • o maior e o menor preço alcançado pela ação em um período
  • o preço inicial e o final da ação em um período
  • possíveis tendências da ação

Em um mercado onde as informações se atualizam a cada segundo, o candle ilustra com clareza o comportamento da ção na Bolsa de Valores.

"Cada vela formada conta uma história do dia. O candle é como um diário da Bolsa", define o analista da Ativa Investimentos, Marcio Loréga.

O candle se torna ainda mais informativo quando combinado com outras análises gráficas. Investidores mais experientes montam estratégias a partir da análise das sequências de candles.

Veja os principais indicativos do candle:

- Vela verde: ação subindo
- Vela vermelha: ação teve sucessão de quedas
- Vela comprida vermelha: queda forte em curto período
- Vela minúscula: preço quase não se mexeu naquele período
- Vela com um "pavio" alto: preço teve um pico de alta, mas a tendência não se confirmou

Dica 2: como projetar o rumo da Bolsa

O sonho de qualquer investidor é prever a direção de um papel do mercado financeiro. Como ainda não inventaram a função de "vidente", existem análises que auxiliam na identificação de possíveis tendências de alta ou baixa na Bolsa de Valores.

Para quem busca antever o rumo do mercado, a dica é conhecer melhor alguns indicadores como suporte e resistência, além do gráfico Fibonacci. Para abrir no gráfico o suporte e resistência ou o Fibonacci, é preciso que o investidor enxergue os preços mínimos e máximos do ativo em um período selecionado.

tendencia - Reprodução - Reprodução
Bolsa de Valores - Tendência
Imagem: Reprodução

Traçando o "chão" (suporte) e o "teto" (resistência) da ação na tela, ficará mais fácil analisar possíveis tendências. O mercado financeiro costuma respeitar os históricos de preços (pontos de atenção). Quando esses pontos são rompidos, pode haver indicações de tendência.

Dica 3: Variação de preço

O gráfico também monitora a variação de preço de uma ação. Entender a variação é importante para detectar se o preço atual da ação está maior ou menor em relação ao seu histórico.

"Se um preço está muito afastado de sua média é sinal de que o papel pode estar muito valorizado ou desvalorizado", diz Rafael Ribeiro, analista da Clear Corretora.

variação - Reprodução - Reprodução
Bolsa de Valores - Variação
Imagem: Reprodução

A média móvel é um instrumento bastante usado em gráficos para avaliar a variação de preço do ativo. A utilização de diferentes médias móveis ao mesmo tempo em um gráfico te ajuda a enxergar melhor a variação do preço da mesma ação em um período desejado.

Dica 4: olho no volume das negociações

O gráfico possui ferramenta para conferir o volume de negociações de um ativo. Essa informação é importante pelo seguinte:

Suponhamos que uma ação tem volume de 10 mil negócios por dia, em média. Mas, em um dia qualquer, o ativo registra 50 mil negociações. Tem algo diferente aí, né?

volume - Feprodução - Feprodução
Bolsa de Valores - Volume Financeiro
Imagem: Feprodução

Um volume anormal de negociações pode significar que:

  • muitas pessoas compraram porque entendem que o papel vai subir
  • muitas pessoas venderam porque entendem que o papel vai cair

"Imagine que estamos em uma guerra. Você tem um contingente alto em uma trincheira. Aí um batalhão é convocado para reforçar essa trincheira. Quanto maior o volume, mais força tem para avançar", ilustra Marcio Loréga, da Ativa Investimentos.

Dica 5: Ação está cara ou barata?

"Comprar na baixa e vender na alta". Esse é o mantra entoado no mercado financeiro. Mas como saber se a ação está cara ou barata? Algumas funções no gráfico ajudam a avaliar se o papel está desvalorizado ou supervalorizado.

Uma boa dica para quem quer analisar o preço de uma ação é a ferramenta IFR (Índice de Força Relativa). Como o nome diz, o IFR mede a força de um ativo.

No gráfico, o IFR aparece como uma linha acompanhada de porcentagem. O IFR te sinaliza se a ação está desvalorizada (sobrevendida) ou supervalorizada (sobrecomprada).

Existe um entendimento na Bolsa de que se a ação está com IFR acima de 70% é sinal que o preço da ação está bem acima do normal.

ifr - Reprodução - Reprodução
Bolsa de Valores - IFR
Imagem: Reprodução

Estar muito valorizada pode indicar que ela já subiu tudo o que era para subir. Se ela já evoluiu demais, a tendência, portanto, é a ação cair e retomar o seu preço normal. Ou seja: não seria um bom momento de comprar.

Agora, IFR abaixo de 30% é um indicativo de que o papel está desgastado, o que pode ser um sinal de compra. Ação desvalorizada é um indicativo de que o ativo tem espaço para subir.

Exemplo: Imagine que você pesquisou e achou no pregão uma ação que nunca tinha visto antes. Vamos supor que o preço atual seja R$ 30.

Se você não conhecia o ativo, como vai saber se está barato ou caro?

Ao aplicar o IFR nesta ação, você nota que é inferior a 30%. O IFR baixo é sinal de que essa ação sofreu desgaste e está na baixa. Portanto, pode ser hora de comprar.

Reforçando: um sinal dado no gráfico não significa certeza de sucesso. A combinação de IFR com a análise de volume financeiro pode te dar uma avaliação melhor.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE