IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Conheça 7 erros que muitos cometem na hora de investir, e como evitá-los

Investidor iniciante e experiente: é comum cometer falhas em busca de melhores rendimentos; conheça 7 - Getty Images
Investidor iniciante e experiente: é comum cometer falhas em busca de melhores rendimentos; conheça 7 Imagem: Getty Images

Gabriela Bulhões

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/11/2022 04h00

O mundo dos investimentos é como um jogo dos sete erros: pode até parecer que não tem nada errado, mas se prestar atenção vai reparar em várias armadilhas. Investir no mercado financeiro exige dedicação, paciência e conhecimento para que você caia cada vez menos em situações que prejudiquem a sua carteira.

É comum que tanto investidores iniciantes como os mais experientes comentam falhas em busca de melhores rendimentos ou da tão sonhada meta de viver de renda. Por isso, mais do que dar um passo à frente ou terceirizar a gestão do seu patrimônio, é preciso ficar atento para não passar algum deslize despercebido no dia a dia.

Muito disso se deve ao fato que o brasileiro não tem a cultura de investir, e sim de gastar. Para o presidente da Abai (Associação Brasileira dos Assessores de Investimentos) e CEO da Miura Investimentos, Diego Ramiro, os erros ao se investir são mais comuns do que se imagina e causam uma baita dor de cabeça se não tomar cuidado.

Nessas horas, a educação financeira faz a diferença. Inclusive, comece descobrindo qual o seu perfil de investidor, se é conservador, moderado ou arrojado. Através de testes e análises que as próprias instituições financeiras oferecem, é possível saber qual portfólio combina mais com você.

Veja os principais erros que custam caro no bolso do investidor:

1) Falta de planejamento

A falta de educação financeira somada com a falta de hábito de investir contribui para que sejam feitos investimentos sem planejamento. Ou seja, a maioria das pessoas não sabe o que fazer com o dinheiro e muito menos por qual motivo está investindo. "O brasileiro sempre acha que vai ganhar na Mega-Sena", diz Ramiro.

O planejamento financeiro é essencial para organizar as finanças e elencar os objetivos. Quer comprar uma casa? Fazer uma viagem em família? Garantir uma boa aposentadoria? Afinal, o que quer com esse investimento? E em quanto tempo?

São perguntas, que assim que respondidas, o investidor poderá se planejar com metas de curto, médio e longo prazo. Pensando em quanto da sua renda irá investir, sem que prejudique as demais responsabilidades financeiras.

2) Não ter uma reserva de emergência

O planejamento inclui também ter uma reserva de emergência. Esse montante é o que vai te salvar na hora que algum imprevisto acontecer. Por exemplo, resolver o problema de infiltração da casa, arrumar o carro ou pagar um tratamento de saúde mais caro.

A reserva de emergência evita que a pessoa se enrole em dívidas e que prejudique os seus investimentos aplicados sem resgate ou liquidez imediata. O conselho é destinar uma quantia de dinheiro por mês para ser o seu "pé de meia" e garantir tranquilidade. O ideal é guardar entre três a 12 meses de seus gastos - o valor vai depender

3) Focar só na rentabilidade

"Não invista olhando para o retrovisor", afirma o presidente da Abai. Acompanhar o mercado significa ter acesso ao desempenho de vários ativos financeiros, o que é ótimo para se manter informado. Porém, investir pensando que os resultados serão os mesmos é um erro, segundo Ramiro.

Isso porque rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Ele explica que não adianta olhar só para esse fator, é preciso ficar de olho em todo o contexto que influencia a performance de um ativo e entender o seu funcionamento no mercado, para não cair em falsas análises.

4) Falta de conhecimento

O mundo financeiro é uma sopa de letrinhas. Da Bolsa de Valores às criptomoedas, o investidor vai dar de cara com várias combinações de letras e números que formam o nome de ativos atrativos. Isso, por si só, confunde muita gente..

De acordo com o CEO da Miura Investimentos, a falta de conhecimento faz com que as pessoas invistam no que não conhecem ou no que não condiz com seu perfil e objetivos. Portanto, se aprofundar no mercado financeiro e na situação econômica ajuda a entender melhor o cenário antes de colocar o dinheiro em risco.

Todas as modalidades de investimento precisam ser estudadas. Como nem todo mundo é um expert no assunto ou tem tempo para se atualizar das informações, é possível optar por ter um assessor de investimentos.

"O maior desafio é começar a investir sem entender", declara Gilvan Bueno, fundador da Financier e especialista em educação financeira. Ele esclarece que um dos principais erros é começar querendo ter um alto retorno sem nenhuma base para isso.

5) Não ter noção das taxas

A maioria dos investimentos conta com taxas que comem uma fatia do retorno. Sendo assim, é preciso pagar impostos sobre a rentabilidade da aplicação, como taxa administrativa, taxa de performance e Imposto de Renda.

Quando escolher alguma modalidade, preste atenção em quais são as alíquotas que precisam ser pagas. Sem ter noção dessas taxas, o investidor calcula errado o destino do seu dinheiro.

Diego Ramiro chama atenção para outra taxa que as pessoas se esquecem: a Selic. Ele fala que a taxa básica de juros é a referência para saber se algo vale a pena ou não, pois através dela, tem como validar a rentabilidade e segurança dos investimentos.

6) Investir tudo em só um produto

Esse erro é o mais comum entre os iniciantes. Ao colocar tudo em apenas um investimento, aumenta a chance de perder dinheiro. Aliás, essa atitude anda de mãos dadas com o excesso de confiança, pois investir sem variação de produtos e acreditar que aquele investimento irá trazer bons resultados é o combo perfeito para perder com as oscilações do mercado.

A dica mais famosa é diversificar a carteira de acordo com o seu perfil de investidor, pensando nos prazos e níveis de riscos. A diversificação ajuda a ter um portfólio de investimentos mais sólidos que compensam as perdas, além de potencializar os ganhos, ou seja, se perder em um ativo, pode ganhar em outro e ainda se proteger.

7) Ouvir as emoções

Já ouviu falar que para investir é preciso ter paciência? Isso porque há muito efeito manada no mercado como um todo. As pessoas querem ganhar dinheiro rápido e esquecem que a pressa é um problema na tomada de decisões.

Isso faz com que muitas pessoas acabem não sendo racionais na hora de investir. O educador financeiro Bueno adiciona que um dos maiores erros é a ganância. Ele exemplifica que, para ganhar muito, o investidor corre maiores riscos e, se errar a mão, terá que trabalhar muito mais para recuperar.

É por isso que ele enfatiza que o melhor ativo para ter um bom rendimento é o tempo. Além do foco, sem ceder para palpites e emoções que podem não se encaixar na sua realidade.

Então, o que fazer?

Depois de anotar todos os erros para que não atrapalhem a sua estratégia nos investimentos, o especialista Gilvan Bueno afirma que a melhor forma de evitar essas ciladas é aprender o básico e seguir disciplinado.

Outra dica é acompanhar os conteúdos da B3 e CVM, além de verificar os órgãos de fiscalizações, como Banco Central e Anbima, para saber como os ativos funcionam. As redes sociais também são muito importantes para desmistificar o tabu que é falar de dinheiro, despertando mais interesse do brasileiro no mercado financeiro e estimulando os investimentos, declara.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.