IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Ações de brasileira dobram após parceria com Shein; vale investir?

Shein anunciou plano para investir mais no Brasil - Getty Images
Shein anunciou plano para investir mais no Brasil Imagem: Getty Images

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

27/04/2023 11h53

A Shein anunciou que iria passar a produzir roupas no Brasil, e firmou uma parceria com uma empresa brasileira para isso. As ações da Coteminas (CTNM4) estão em alta com a notícia.

O que o acordo inclui

A chinesa firmou um acordo com a da Coteminas (CTNM4), que produz e comercializa fios e tecidos em geral. É a Companhia de Tecidos Norte de Minas, dona das marcas Artex, Santista, MMartan e Casa Moysés. O documento prevê que 2.000 dos clientes confeccionistas da empresa passem a ser fornecedores da companhia asiática para atender os mercados doméstico e da América Latina.

Empresas assinaram parceria. O presidente da empresa, Josué Gomes da Silva, que também preside a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), anunciou a assinatura de um memorando de entendimentos com a chinesa Shein.

As ações da companhia quase dobraram desde o anúncio. As ações ordinárias (CTMN3) saíram de R$ 8,02 na segunda-feira, 24, para R$ 11,99 hoje, por volta do meio dia. Mas chegaram a bater mais de R$ 15. Já as ações preferenciais (CTMN4) passaram de R$ 1,71 para R$ 2,90 no mesmo intervalo, e chegou perto dos R$ 3,50.

Depois de dispararem nos últimos dias, hoje as ações estão em queda. Isso porque os investidores estão vendendo os papéis e embolsando os lucros que tiveram nos últimos dias com a disparada das ações.

Mas, até então, as ações estavam sofrendo. Em 12 meses, os papéis CTMN3 passaram de R$ 7,91 para R$ 4,01, queda de 49,3%. Já as ações CTMN4 saíram de R$ 3,32 para R$ 1,21 no dia 20 de abril, antes do anúncio, queda de 63,55%.

Como estão a Shein e a Coteminas no mercado

Shein é gigante global. A Shein é uma plataforma de comércio eletrônico que vende em mais de 150 países. Além de roupas, a Shein também vende acessórios para casa e para animais de estimação. O BTG estima que ela tenha faturado R$ 8 bilhões no Brasil em 2022, um crescimento de 300% em relação ao ano anterior.

É concorrente forte para as brasileiras. As vendas já se aproximam da concorrente Renner (LREN3), líder no varejo brasileiro de vestuário, com vendas de R$ 13,27 bilhões no ano passado (incluindo YouCom, Ashua e Camicado) e deixa para trás outras companhias como a Marisa (AMAR3), que totalizou R$ 2,78 bilhões em vendas no ano passado.

A Coteminas não é uma empresa em plena forma. Isso pode representar um risco para os investidores. A ação tem pouca negociação e não está dentro do Ibovespa.

A empresa está endividada e vem sofrendo com os juros altos. Suas despesas financeiras estão em alta, declara André Fernandes, diretor de renda variável e sócio da A7 Capital. De acordo com o último relatório divulgado, a empresa gerou prejuízo no terceiro trimestre de 2022.

O acordo pode melhorar os negócios da brasileira?

"Difícil dizer", afirma Fernandes. "Devemos lembrar que a carga tributária é alta, e isso deve impactar demais a principal vantagem competitiva da Shein, que é o baixo preço de seus produtos."

Outro problema é que as empresas só assinaram um memorando de entendimento. Esse é um acordo preliminar que funciona como um "pré-contrato" e não existem garantias de que o negócio será realmente fechado. "Acredito que estudos da Shein serão feitos para verificar a viabilidade do projeto, antes de assinar um contrato efetivo de parceria", diz diretor da A7 Capital.

Como a empresa é bem pouco negociada na Bolsa, parte da alta dos últimos dias pode ser especulação. Por isso, o investidor deve tomar cuidado ao embarcar nessa onda de otimismo que tomou conta do papel. Do mesmo jeito que as ações subiram, segundo o diretor da A7 Capital, elas podem cair e com a mesma velocidade.

Se der certo, pode ajudar muito a Coteminas. "É provável que o acordo vá trazer um maior volume de negócios para a Coteminas, o que pode mudar o patamar da empresa. Ela pode absorver negócios em território brasileiro e na América Latina também", diz Felipe Leão, especialista da Valor Investimentos.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.