IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Dólar é cotado abaixo de R$ 4,80. Vai cair mais? É hora de comprar?

Moeda americana: gastos do governo e reforma tributária mexem com a cotação - SIphotography/Getty Images/iStockphoto
Moeda americana: gastos do governo e reforma tributária mexem com a cotação Imagem: SIphotography/Getty Images/iStockphoto

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

19/06/2023 11h27

O dólar abriu o dia de hoje, 19, em queda, abaixo dos R$ 4,80. Às 14h, o dólar estava em queda de 1,00%, cotado a R$ 4,771.

Desde o começo do ano, a moeda já caiu 10,78%. É o menor valor desde 26 de maio do ano passado, quando chegou a R$ 4,768. Acompanhe aqui a cotação em tempo real.

A pergunta é: até onde o dólar deve cair? O boletim Focus do Banco Central, publicado hoje, estima que a moeda chegue a R$ 5,00 até o fim do ano. Para o ano que vem, a previsão é de R$ 5,10, e R$ 5,25 em 2026.

O dólar pode ficar em R$ 4,80 na melhor das hipóteses. Na pior, em R$ 5,10, acredita Ariane Benedito, economista especialista da ESH Capital.

O Goldman Sachs porém está bem otimista e acha que ainda há potencial para queda. Para o banco americano, o valor justo para a moeda é em torno de R$ 4,30. "Estimamos que o dólar caia para R$ 4,60 em três meses, para R$ 4,40 em seis meses e fique em R$ 4,40 em 12 meses." A estimativa anterior era de R$ 4,90, R$ 4,85 e R$ 4,80, respectivamente.

Alguns especialistas têm previsões de altas ainda maiores. Gabriel Costa, analista da Toro Investimentos, acredita em R$ 5,15. Há quem preveja um dólar a R$ 5,30, como é o caso de Claudia Moreno, economista do C6 Bank.

O que pode fazer o dólar continuar em R$ 4,80?

O que ajuda a puxar a cotação da moeda americana para baixo é a economia dos próprios Estados Unidos. Por lá, o ciclo de alta dos juros deu uma pausa esta semana. Mesmo que ainda haja alguma correção da taxa para cima, a tendência é que o Banco Central dos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed) termine o ano fazendo um corte nos juros, diz Costa.

Com isso, o dinheiro de investidores que está lá deve voltar para mercados emergentes, como o Brasil. Com mais dólares entrando aqui, menor a cotação.

Já as discussões sobre a reforma fiscal - uma reivindicação antiga do mercado - são outro fator que puxa o dólar para baixo. "Só de haver uma discussão sobre reforma tributária em andamento é um fato tão positivo que ajuda na cotação do dólar", diz Ariane.

As exportações também estão sendo retomadas, principalmente para China. Gabriel Meira, economista e sócio da Valor Investimentos, diz que comércio exterior traz dólares para o Brasil.

Se os juros caírem, parte do dinheiro que está aplicado na poupança pode ir para o consumo. Isso ajuda a indústria, segundo Ariane, e uma produção aquecida ajuda sim a valorizar o real.

O que pode fazer o dólar subir para mais de R$ 5?

Os gastos do governo podem elevar a cotação. "A dívida já está elevada demais. Quanto maior, mais o dólar sobe. Seria bom a dívida continuar estável, mas na realidade ela precisava cair", afirma Claudia.

O dólar também está se valorizando frente a outras moedas no mundo, mesmo com os últimos movimentos do Fed, de manutenção da taxa de juros americana.

Muitos investidores que estão aproveitando agora a Selic a 13,75% vão buscar taxas altas em outros países se os juros caírem por aqui, acredita Claudia. Mas essa tese é polêmica, segundo Ariane. "As aplicações de renda fixa não têm tanta liquidez assim. Ou seja, o dinheiro não sai da aplicação a qualquer momento", afirma ela.

É hora de comprar ou investir?

Sim, se a ideia é viajar ou fazer alguma aplicação, o preço agora está abaixo das previsões e pode ser um bom negócio. Veja aqui como comprar dólares para viajar
e saiba aqui como investir em dólar.

Aulão: como sair da poupança com segurança para ganhar mais dinheiro

A poupança é o investimento mais usado pela maioria dos brasileiros. Mas há outras opções que podem ser mais vantajosas e que rendem mais.

Para quem está começando a investir, UOL terá uma série de quatro aulas ao vivo sobre como diversificar sua carteira. A série começa no dia 1° de junho.

O tema será "Como sair da poupança com segurança para ganhar mais dinheiro". Falaremos sobre as opções de investimento que existem, como avaliar o seu perfil para investir de acordo com sua tolerância ao risco, como diversificar sua carteira e como saber se os seus investimentos estão de acordo com os seus planos e sonhos.

A primeira aula já está no ar, e fala sobre quais são os principais investimentos existem, como funcionam e quais são seus riscos. Assista à aula completa aqui.

Assista ao aulão no Papo com Especialista, programa ao vivo do UOL, todas as quintas-feiras, das 16h às 16h40.

Assinantes do UOL podem reassistir às aulas quantas vezes quiserem. Ao final, os assinantes ainda vão ganhar um guia exclusivo sobre como investir além da poupança. Assine aqui e participe!

A última série do Papo com Especialista foi sobre como ter renda passiva pingando na sua conta com os investimentos. Para saber mais, acesse o especial "Guia de Investimentos para ter Renda Passiva", exclusivo para assinantes.

Quer investir melhor? Receba dicas em seu email

Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido?

A página de investimentos do UOL tem uma newsletter gratuita que o ajuda nesse objetivo. Ao assinar, você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pela equipe do PagBank Investimentos. Com essa newsletter, você vai aprender a investir e entender o que está acontecendo com o mercado.

Além da newsletter diária, você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor e com segurança seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita de investimentos do UOL, é só clicar aqui. Há ainda conteúdos diários sobre diversos tipos de ativos.

Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.